Um supercontinente colossal pode dominar a Terra em um futuro distante

0
74
(Créditos: Adastra/The Image Bank/Getty Images)

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

Supercontinentes – massas terrestres gigantes compostas por vários continentes – podem emergir novamente na Terra daqui a 200 milhões de anos, e onde eles irão se formar no globo podem afetar drasticamente o clima do nosso planeta.

Cientistas recentemente modelaram esta visão de “futuro distante” da Terra com uma reformação de um supercontinente, apresentando suas descobertas em 8 de dezembro na reunião anual da União de Geofísica dos Estados Unidos (AGU), realizada online este ano.

Eles exploraram dois cenários: no primeiro, cerca de 200 milhões de anos no futuro, quase todos os continentes avançam para o hemisfério norte, com a Antártica deixada sozinha no hemisfério sul; no segundo cenário, cerca de 250 milhões de anos no futuro, um supercontinente se forma ao redor do equador e se estende nos hemisférios norte e sul.

Para ambos, os pesquisadores calcularam o impacto no clima global com base na topografia dos supercontinentes.

Eles ficaram surpresos ao descobrir que quando os continentes se uniram no norte e o terreno era montanhoso, as temperaturas globais eram significativamente mais frias do que nos outros modelos. Tal resultado pode significar um congelamento profundo diferente de qualquer outro do passado da Terra, com duração de pelo menos 100 milhões de anos, relataram cientistas na AGU.

Os continentes da Terra nem sempre se parecem com o que são hoje. Nos últimos 3 bilhões de anos ou mais, o planeta passou por vários períodos em que os continentes primeiro se aglomeraram para formar imensos supercontinentes e depois se separaram, de acordo com o autor do estudo Michael Way, cientista físico do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA em Nova York.

O supercontinente mais recente (relativamente falando) foi a Pangeia, que existiu de cerca de 300 milhões a 200 milhões de anos atrás e incluía o que hoje é a África, Europa, América do Norte e América do Sul.

Antes de Pangeia era o supercontinente Rodínia, que existiu de 900 milhões a 700 milhões de anos atrás, e antes disso foi Nuna, que se formou há 1,6 bilhão de anos e se desfez há 1,4 bilhão de anos, informou a Live Science anteriormente.

Outra equipe de cientistas já havia modelado supercontinentes de um futuro muito distante. O supercontinente que eles apelidaram de “Aurica” ​​se aglutinaria em 250 milhões de anos a partir de continentes se reunindo ao redor do equador, enquanto “Amasia” se reuniria ao redor do Polo Norte.

Para o novo estudo, Way e sua equipe pegaram as massas de terra Aurica e Amasia e diferentes topografias – altamente montanhosas; plano e próximo ao nível do mar; ou quase plano, mas com algumas montanhas – e os conectou a um modelo de circulação chamado ROCKE-3D, disse Way ao Live Science.

Além das placas tectônicas, outros parâmetros informaram os cálculos dos modelos para as Terras do futuro distante, com base em como a Terra muda ao longo do tempo. Por exemplo, daqui a 250 milhões de anos, a Terra fará uma rotação um pouco mais devagar do que a de hoje, o que o modelo levou em consideração, explicou Way.

“A taxa de rotação da Terra está diminuindo com o tempo – se você se mover 250 milhões de anos no futuro, a duração do dia aumenta em cerca de 30 minutos, então colocamos isso no modelo para ver se isso teve algum efeito”, disse Way.

A luminosidade solar também aumentará ligeiramente em 250 milhões de anos, “porque o Sol está gradualmente ficando mais brilhante com o tempo”, disse ele. “Colocamos isso no modelo também, então aumentamos a quantidade de radiação que o planeta capta.”

O resultado mais inesperado em seus modelos foi que as temperaturas globais eram mais frias em quase 4 graus Celsius em um mundo com um supercontinente montanhoso Amasia no hemisfério norte.

Isso se deveu principalmente a um forte feedback climático do albedo de gelo. Neve e gelo neste supercontinente norte em altas latitudes criaram uma cobertura permanente sobre a terra durante os meses de verão e inverno, “e isso tende a manter a temperatura da superfície alguns graus mais fria do que em todos os outros cenários”, disse Way.

Em comparação, em modelos de uma Amasia menos montanhosa, lagos e mares interiores puderam se formar. Eles transportaram o calor atmosférico do equador para o norte, derretendo neve e gelo sazonalmente para que a terra não ficasse permanentemente congelada.

Hoje, na Terra, a circulação do oceano transporta calor para as regiões do extremo norte, viajando ao redor da Groenlândia e através do Estreito de Bering. Mas quando um supercontinente se forma e essas vias se fecham, “então você não pode transportar o calor quente do oceano das latitudes mais baixas ou do verão do sul para o norte para derreter e manter as coisas aquecidas”, disse Way.

As eras glaciais mais recentes da Terra duraram dezenas de milhares de anos. Mas a formação de Amasia poderia inaugurar uma era do gelo que seria significativamente mais longa.

“Neste caso, estamos falando de 100 milhões de anos, 150 milhões de anos”, disse Way.

O que isso pode significar para a vida na Terra? À medida que as planícies tropicais desaparecem, o mesmo ocorre com a incrível biodiversidade que elas sustentam.

No entanto, podem surgir novas espécies que serão adaptadas para sobreviver em ambientes extremamente frios, como fizeram durante as primeiras eras glaciais.

“Quando você dá à evolução tempo suficiente, ela encontra uma maneira de preencher todos os nichos ecológicos de alguma forma”, disse Way.

E em uma situação como essa, em que um frio excepcional dominaria o planeta por 100 milhões de anos ou mais, “é muito tempo para a evolução funcionar”, disse ele.