Um terço das pessoas entre 10 e 40 anos não tem anticorpos contra sarampo no interior paulista

Créditos: Getty Images / iStock.

Por José Tadeu Arantes
Publicado na Agência FAPESP

Quase um terço dos indivíduos com idade entre 10 e 40 anos não apresenta anticorpos contra o sarampo na população de São José do Rio Preto (SP). A descoberta foi feita em estudo populacional que testou 981 pessoas, de várias faixas etárias.

Os resultados indicam que, enquanto 32,9% das pessoas com menos de 40 anos não têm imunidade contra a doença, a presença de anticorpos no grupo com mais de 50 anos chega a 99%.

A pesquisa foi apoiada pela FAPESP e coordenada por Maurício Lacerda Nogueira, professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp) e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. Os dados foram publicados na revista Scientific Reports, do grupo Nature.

“Considerando o total dos indivíduos vacinados, 39,3% não apresentavam imunidade contra o sarampo e 20,2% careciam de anticorpos para rubéola. Esses percentuais são suficientes para proteger a população da rubéola, mas não do sarampo. Vamos lembrar que a vacina combinada contra sarampo, rubéola e caxumba [MMR, na sigla em inglês] faz parte do cronograma nacional de vacinação do Brasil”, diz Nogueira à Agência FAPESP.

Segundo o pesquisador, o estudo sugere que há uma correlação entre a criação de anticorpos, a vacinação e a exposição da pessoa ao vírus. Os indivíduos com idade superior a 50 anos, que tiveram essa exposição ao longo da vida, apresentaram um percentual de imunidade muito maior do que os grupos mais jovens, mesmo quando vacinados.

“Essa taxa relativamente alta de soronegatividade [ausência de anticorpos] precisa ser investigada. Mas a vacinação é o grande recurso que temos e uma providência que não pode ser descartada de forma alguma”, afirma Nogueira.

Apesar de ter sido considerado eliminado durante anos, o sarampo reemergiu em vários países, inclusive o Brasil, exatamente devido à redução das taxas de vacinação. No período anterior à vacina, o sarampo era enfermidade comum em crianças com menos de 10 anos. E, apesar do baixo percentual de letalidade, estima-se que tenha causado de 5 a 8 milhões de mortes no mundo todo.

O grande problema estava – e está – no fato de o sarampo ser uma das doenças mais contagiosas. Seu número básico de reprodução (R0) é de 12 a 18, o que significa que cada pessoa infectada pode espalhar o vírus para 12 a 18 outros indivíduos em uma população suscetível. Comparativamente, o R0 do novo coronavírus (SARS-CoV-2) varia entre 2 e 3, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O sarampo pode ser controlado mediante programas de imunização que atinjam 95% de cobertura com duas doses da vacina. E também se os casos forem adequadamente identificados e medidas adotadas para conter a propagação”, diz Nogueira.

Conforme o estudo em pauta, o Brasil começou a sofrer um declínio nas taxas de sarampo em 1998, como resultado de seu programa de imunização, e o último caso adquirido localmente ocorreu no ano 2000.

No entanto, um surto, entre 2013 e 2015, produziu 1.310 casos relatados. Depois que a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) implementou um plano de ação, a transmissão endêmica do sarampo foi considerada eliminada nas Américas a partir de 2016. Mas, em 2017, quatro países das Américas voltaram a registrar casos: Estados Unidos, Canadá, Venezuela e Argentina. E o Brasil passou a sofrer uma recirculação do sarampo desde 2018. Entre 2018 e 2019, 11.371 casos da doença foram confirmados no Brasil, dos quais 12 resultaram em morte.

“A disseminação da recusa de vacina tornou-se um fator de risco para surtos de sarampo. E a OMS identificou a hesitação da vacina como uma das 10 principais ameaças globais à saúde em 2019”, escreveram os pesquisadores no texto publicado em Scientific Reports.