Uma descoberta surpresa em cavernas mais uma vez mudou nossa história sobre os humanos deixando a África

0
295
Caverna Bacho Kiro. Créditos: Nikolay Doychinov / Agence France-Presse via Getty Images.

Por Mike McRae
Publicado na ScienceAlert

No ano passado, uma análise genética de fragmentos ósseos representando nossa presença mais antiga conhecida na Europa levantou algumas questões sobre os passos que os humanos modernos deram para conquistar todos os cantos do mundo moderno.

Quem quer que os restos pertencessem, seu histórico familiar estava mais entrelaçado com as populações do leste asiático de sua época do que com os europeus de hoje, sugerindo uma migração muito mais complexa para nossa espécie do que se pensava anteriormente.

Agora, pesquisadores das Universidades de Pádua e Bolonha, na Itália, propuseram o que eles acham que pode ser a explicação mais simples para a mudança de trajetória inesperada em ramos da árvore genealógica, com base no que podemos juntar a partir de relações genéticas e mudanças sutis na tecnologia antiga em todo o mundo.

Se refazermos nossos passos desde os tempos modernos até a Idade da Pedra e além, inevitavelmente encontraremos um momento em que um bando de Homo sapiens deu um passo decisivo para fora da África para o que agora consideramos solo eurasiano.

Antes, primos mais distantes já haviam se aventurado várias vezes, se acomodando por um tempo antes de serem extintos. Desta vez, tudo seria diferente. Essa migração de humanos modernos emperrou, eventualmente semeando uma revolução cultural que mudaria para sempre nosso planeta em apenas alguns milênios.

Embora o resultado desta jornada monumental seja agora óbvio, os caminhos percorridos e os inúmeros ramos perdidos só podem ser reunidos a partir de artefatos sobreviventes escassos e um legado de mistura genética.

A dispersão de ossos humanos e instrumentos de pedra retirados do sedimento da caverna Bacho Kiro, no centro da Bulgária, é exatamente o tipo de evidência com que os arqueólogos sonham. Descobertos em 2015, eles foram datados de cerca de 45.000 anos, tornando-os oficialmente os mais antigos ossos de hominídeos do Paleolítico Superior já encontrados na Europa.

Ao levar em conta os registros arqueológicos, podemos dizer que eles descendiam de uma comunidade maior em um hiato de 15.000 anos em suas viagens para o leste. Se soubéssemos pouco mais sobre eles, poderíamos concluir que esse povo representa uma espécie de pavimentação entre um futuro na Ásia e um passado definido na Europa – um polo nos portões da África, a partir do qual nos expandimos e nos estabelecemos cada vez mais no exterior.

A evidência genética preservada em três desses corpos, no entanto, não combina tão bem com esse cenário simples.

No ano passado, uma pesquisa liderada pelo Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva na Alemanha concluiu que os indivíduos estavam “mais intimamente relacionados com as populações atuais e antigas no leste da Ásia e nas Américas do que com as populações eurasianas ocidentais posteriores”.

Encontrar laços familiares mais próximos com as populações asiáticas modernas e antigas do que com os europeus modernos introduz algumas questões desafiadoras sobre a maneira como esse antigo polo da humanidade pode ter se ramificado no leste e no oeste.

Além disso, uma dose generosa de sangue neandertal havia sido recentemente introduzida em sua árvore genealógica, deixando ainda mais complexo entender como nossos ancestrais poderiam ter se movido e interagido.

De acordo com os autores deste estudo mais recente, uma possibilidade considera a migração da humanidade um movimento hesitante e não um surto.

“Então, cerca de 45 mil anos atrás, uma nova expansão emanou do polo e colonizou uma ampla área que vai da Europa ao leste da Ásia e Oceania e está associada a um modo de produção de ferramentas de pedra conhecido como Paleolítico Superior Inicial”, disse o antropólogo molecular da Universidade de Pádua Leonardo Vallini.

Um polo desconhecido no oeste, de onde os humanos se expandiram em ondas de migração. Créditos: Leonardo Vallini / Giulia Marciani.

Aqueles que se ramificaram na Ásia prosperaram, com traços de suas linhagens persistindo até hoje. Mas algo aconteceu no oeste, algo que viu um fim temporário para o experimento humano na Europa.

Um segundo estudo realizado no ano passado sobre restos femininos encontrados na República Tcheca fornece uma pista. Embora a datação por carbono ainda não tenha confirmado uma idade para sua morte, mudanças em seus genes sugeriram uma data ainda mais antiga que 45.000 anos.

Mais importante, a ascendência da mulher paleolítica não estava intimamente relacionada aos europeus modernos ou asiáticos. O que quer que tenha acontecido com ela e seus parentes, a história deles não foi duradoura.

“É curioso notar que, na mesma época, também os últimos neandertais foram extintos”, disse Giulia Marciani, arqueóloga da Universidade de Bolonha.

Teria sido necessária uma nova onda de emigração humana deste polo central, cerca de 7.000 anos depois, para repovoar o oeste e semear linhagens que produziriam a rica variedade de culturas que vemos hoje.

Exatamente onde esse polo temporário da humanidade pode ser localizado e o que levou suas populações a migrarem de novo e de novo é uma questão para futuros arqueólogos descobrirem.

Se aprendemos algo, é que está claro que não devemos fazer muitas suposições quando se trata da história de como a humanidade moderna percorreu o mundo.

Esta pesquisa foi publicada na Genome Biology and Evolution.