Uma extinção em massa há 250 milhões de anos parece ter tido várias causas

0
333
Créditos: Solarseven / iStock / Getty Images.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

A extinção em massa do final do Permiano (P–Tr) foi um evento de extinção em massa, eliminando 80-90 por cento das espécies terrestres e marinhas – e os pesquisadores agora identificaram um novo fator que contribuiu para este período de devastação.

Mais informalmente conhecido como a Grande Morte, a extinção do P–Tr é o evento de extinção mais grave que nosso planeta já viu. Pesquisas anteriores identificaram uma série de enormes erupções vulcânicas como a causa principal do evento, com temperaturas crescentes de cinzas vulcânicas, níveis de dióxido de carbono na atmosfera e acidificação dos oceanos.

Também está entre as mais misteriosas das extinções. Embora esteja claro que uma série de erupções vulcânicas na Sibéria desempenham um papel crucial, os detalhes sobre ‘como’ elas desencadearam tal destruição são um pouco confusos. O registro geológico fornece muitas pistas, apontando para possibilidades de um aumento e queda no oxigênio, uma liberação incomum de compostos orgânicos voláteis, uma perda de ozônio e mudanças na química do oceano.

Um novo estudo acrescentou outra causa potencial, desta vez gerada por um conjunto totalmente diferente de vulcões no sul da China.

Isso não descarta as sugestões existentes. Em vez disso, tudo isso poderia ser uma grande e complexa cena de carnificina.

“Ao olharmos mais de perto o registro geológico no momento da grande extinção, descobrimos que o desastre ambiental global do final do Permiano pode ter tido várias causas entre as espécies marinhas e não marinhas”, disse o geólogo Michael Rampino, da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos.

Acima: minerais ricos em cobre indicando ampla atividade vulcânica. Tradução: malaquita (malachite) e carvão vegetal (charcoal). Créditos: H. Zhang / Instituto de Geologia e Paleontologia de Nanquim.

Os pesquisadores descobriram cobre, mercúrio e outros depósitos minerais no sul da China que combinavam com a extinção do P–Tr em termos de idade. A composição química e isotópica desses depósitos sugere que esses minerais foram expostos a emissões ricas em enxofre.

Isso, por sua vez, aponta para erupções vulcânicas e camadas de cinzas vulcânicas se acumulando nessas rochas neste momento específico da história da Terra, cerca de 250 milhões de anos atrás. Essas nuvens de partículas de ácido sulfúrico teriam bloqueado a luz do Sol, resfriando a superfície da Terra.

Os pesquisadores sugerem que um período de inverno vulcânico teria reduzido drasticamente as temperaturas ao redor do globo, possivelmente antecipando o período mais longo de aquecimento que se seguiria – dando aos animais, insetos e vida marinha uma dupla ameaça à sua existência.

“Aerossóis atmosféricos de ácido sulfúrico produzidos pelas erupções podem ter sido a causa do rápido resfriamento global de vários graus, antes do severo aquecimento visto no intervalo de extinção em massa do final do Permiano”, disse Rampino.

Em contraste, os fluxos gigantescos de lava das erupções na Sibéria – tecnicamente conhecidas como a grande província ígnea dos Trapps Siberianos – teriam liberado dióxido de carbono suficiente para aquecer o planeta e reduzir substancialmente a oxigenação dos oceanos.

Esses dois eventos contemporâneos mostram os efeitos duplos de resfriamento e aquecimento que os principais eventos vulcânicos podem ter: seu impacto depende de fatores como o quão poderosas e generalizadas são as erupções, a que altura da atmosfera a nuvem vulcânica atinge e quanto dióxido de enxofre há nela – isso é convertido em aerossóis de sulfato, que são muito eficazes no bloqueio da luz solar.

Esse cenário de resfriamento parece ter sido o que aconteceu antes dos efeitos das erupções dos Trapps Siberianos – e isso significa que os cientistas estão olhando para uma combinação mais complexa de eventos que compõem a extinção do P–Tr.

“Essas incertezas levaram a sugestões de que a liberação de gases dos Trapps Siberianos por si só pode ter sido insuficiente para desencadear o clima global e as mudanças ambientais associadas ao evento da extinção do P–Tr”, escreveram os pesquisadores em seu estudo publicado.

A pesquisa foi publicada na Science Advances.