Uma fórmula matemática prevê a sexta extinção em massa

Rochas sedimentares em Meishan, China, que contêm evidências de uma perturbação no ciclo do carbono imediatamente antes da maior extinção em massa da Terra.Créditos: Shuzhong Shen.

Publicado na SINC

A história da Terra é uma história de mudanças. Algumas são graduais e benignas, e outras podem ser abruptas e destrutivas, como eventos de extinção em massa. Mas o que diferencia uns dos outros? Segundo Daniel Rothman, geofísico do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) nos EUA, são as perturbações no ciclo do carbono que marcam a diferença.

Nos últimos 542 milhões de anos, a Terra superou cinco extinções em massa, e cada uma delas envolveu processos que alteraram o ciclo normal do carbono através da atmosfera e dos oceanos. Essas alterações duraram milhões de anos, o que coincidiu com o desaparecimento de muitas espécies – três quartos no caso das marinas – em todo o mundo.

Daniel Rothman, um professor de geofísica do departamento da Terra, Atmosfera e Ciências Planetárias do MIT, apresentou a revista Science Advances uma formula matemática com a qual conseguiu identificar os limiares da catástrofe que, se excedida, pode gerar uma extinção em massa.

Para chegar a essa conclusão, o cientista analisou 31 eventos isotópicos do carbono nos últimos 542 milhões de anos, relacionou a taxa de perturbação do ciclo do carbono e sua magnitude com o tamanho da escala de tempo em que a alcalinidade é ajustada – o limite para evitar a acidificação generalizada do oceano e a mudança climática.

Assim, mostrou que a extinção em massa ocorre se um dos dois limiares é excedido. Para as mudanças no ciclo do carbono que ocorrem durante longas escalas de tempo, as extinções ocorrerão se essas alterações ocorrerem mais rapidamente do que a adaptação dos próprios ecossistemas.

Por outro lado, para as perturbações que ocorrem em escalas de tempo mais curtas, o ritmo das mudanças do ciclo do carbono não importa. Nesse caso, será o tamanho ou a magnitude da alteração que determinará a probabilidade de um evento de extinção.

A próxima extinção a partir de 2100

A pergunta que muitos cientistas fazem agora é se o atual ciclo do carbono está alterando o suficiente para gerar uma sexta extinção em massa. Embora as emissões de dióxido de carbono não tenham deixado de aumentar desde o século XIX, para os especialistas ainda é muito cedo para prever uma mudança drástica para a fauna.

No entanto, de acordo com os cálculo de Rothman, dado o recente aumento das emissões de CO² a uma escala de tempo relativamente curta, uma sexta extinção dependerá da adição de uma quantidade crítica de carbono nos oceanos. Essa quantidade corresponderia a 310 gigatoneladas, ou seja, equivalente à quantidade de carbono que as atividades humanas terão adicionado aos oceanos em todo o mundo até o ano de 2100.

Mas, então, a sexta extinção em massa ocorrerá na virada do século? De acordo com Rothman, levará cerca de 10.000 anos para que esses desastres ecológicos ocorram, embora, até 2100, o mundo possa entrar em “território desconhecidos”.

“Isso não significa que o desastre ocorrerá no dia seguinte, mas se não for controlado, o ciclio do carbono se tornará instável e difícil de prever. No passado geológico, esse tipo de comportamento está associado com extinções em massa”, enfatiza o cientista.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorFísicos mostram que não estamos vivendo em uma simulação de computador
Próximo artigoA primeira entrevista com um homem morto
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador do Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Pós-graduando em Ethical Hacking e Cybersecurity do Centro de Inovação VincIT (UNICIV) pela Faculdade Eficaz | Especializando em Cybersecurity pela Rochester Institute of Technology (edX MicroMasters Programs) | Especialização em Fundamentals of Computing Network Security pela University of Colorado System (Coursera Specialization) | Especialização em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University (Coursera Specialization) | Graduação interrompida em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Membro do Science Vlogs Brasil | Interesse em Divulgação Científica das ciências fáticas em geral | Interesse em Filosofia da Ciência no problema da demarcação entre Ciência e Pseudociência e da justificação entre Realismo e Antirrealismo | Estudando também o problema entre Tecnologia e Pseudotecnologia na Filosofia da Tecnologia | Interesse em Segurança Defensiva e Segurança Ofensiva em sites, servidores e redes de computadores | Endereço do Currículo Lattes e do LinkedIn.