Uma gigantesca erupção solar acabou de acontecer do outro lado do Sol

0
265
Imagem da erupção obtida usando o instrumento C2 na espaçonave SOHO da NASA. (Créditos: NASA SOHO)

Traduzido por Julio Batista
Original de Michelle Starr para o ScienceAlert

O Sol tem feito algumas travessuras bastante intensas ultimamente, mas uma erupção recente do outro lado parece ser ouro absoluto para a ciência.

Na noite de 5 de setembro GMT, uma enorme ejeção de massa coronal (EMC) foi registrada explodindo no outro lado do Sol, enviando uma tempestade de radiação por todo o Sistema Solar. Era um tipo conhecido como halo de EMC, no qual um halo em expansão de gás quente pode ser visto sendo expelido ao redor de todo o Sol.

Às vezes, isso significa que s EMC está indo direto para a Terra. No entanto, esta erupção aconteceu do outro lado, então está se afastando, e não veremos nenhum dos efeitos usuais de uma tempestade solar aqui em nosso planeta natal.

Mas Vênus estava bem no caminho da tempestade que se aproximava – e com ela, a Solar Orbiter, uma sonda espacial administrada em conjunto pela Agência Espacial Europeia e pela NASA que está atualmente perto de Vênus após uma assistência gravitacional em 4 de setembro em sua missão para fazer observações de perto de Vênus da nossa estrela.

Isso nos deu a rara oportunidade de observar e medir uma EMC gigantesca e distante, algo que geralmente é bastante difícil para nós.

“Este não é um evento comum. Muitos papers científicos estudarão isso nos próximos anos”, disse o físico solar George Ho, do Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins, ao Spaceweather.

“Posso dizer com segurança que o evento de 5 de setembro é uma das maiores (se não a maior) tempestades de partículas energéticas solares (PES) que vimos até agora desde o lançamento do Solar Orbiter em 2020.”

Não está claro exatamente de onde do Sol veio a erupção, mas parece provável que o culpado seja uma região de manchas solares chamada AR 3088, que girou atrás do disco do Sol no final de agosto.

Veja o vídeo do evento solar aqui

Ao fazê-lo, deixou um tiro de despedida – uma enorme erupção da classe M2, dirigida para longe da Terra.

A heliosismologia – o estudo das oscilações internas do Sol, com base nas vibrações da superfície – pode ser usada para detectar manchas solares no lado oculto de nossa estrela.

Isso ocorre porque o acúmulo de campos magnéticos, como manchas solares, pode afetar a velocidade das ondas sonoras refletidas dentro do Sol.

Medições heliossísmicas da NASA sugerem que a AR 3088 pode ter crescido depois que partiu do nosso lado do Sol.

“É relativamente silencioso no lado do Sol voltado para a Terra em comparação com a ação recente com a AR3088. Uma grande erupção ocorreu recentemente do outro lado. Um candidato provável é a velha AR3088. A heliosismologia mostra uma grande região. Provavelmente nossa velha amiga.” (Créditos: Dr. C. Alex Young @TheSunToday/Twitter)

Existem muitas naves espaciais que podem não sobreviver a um golpe tão intenso do Sol. Mas o Solar Orbiter, como o nome sugere, foi construído para resistir a uma forte pancada solar.

E está equipado com instrumentação para medir fenômenos solares, incluindo as violentas erupções do Sol.

De fato, o Solar Orbiter estava no caminho de uma EMC anterior que entrou em erupção em 30 de agosto GMT, pouco antes da manobra de assistência gravitacional.

Seus instrumentos registraram, em ambos os eventos, um aumento significativo nas partículas energéticas solares. Esta é uma informação que pode ajudar os cientistas a categorizar esses eventos e entender melhor o comportamento do Sol e seu impacto no ambiente espacial.

“As intensidades das partículas de alta energia permanecem altas; e parece que um choque interplanetário acabou de passar pelo Solar Orbiter hoje cedo. A EMC deve estar seguindo em breve.” (Créditos: George Ho @mrgho06/Twitter)

A AR 3088 ainda está do outro lado do Sol e, se for ressurgir, não fará isso por alguns dias. Portanto, é perfeitamente possível que, quando voltar para nós, seja menor e mais silenciosa.

Atualmente, tudo está tranquilo na Terra do Sol, dirigida à Terra, sem tempestades solares no horizonte.

Existem algumas regiões de manchas solares visíveis, mas todas parecem ser bastante moderadas por enquanto, com apenas EMC mais leves em erupção no lado solar próximo.

No entanto, o Sol está chegando ao pico de seu ciclo de atividade de 11 anos, então devemos ver erupções mais poderosas ocorrendo em um futuro não muito distante.

Se você quiser ficar por dentro das previsões meteorológicas solares e o que elas significam para a Terra, você pode conferir o Centro de Previsão do Clima Espacial da NOAA, o Serviço Meteorológico Britânico, o Bureau de Meteorologia da Austrália e o SpaceWeatherLive em seus respectivos sites.