Uma nova imagem do telescópio James Webb revela as consequências de uma colisão galáctica

Câmeras infravermelhas revelam padrões de formação de estrelas anteriormente escondidos pela poeira.

0
86
Raios brilhantes e empoeirados conectam os anéis interno e externo da Galáxia Cartwheel nesta nova imagem do Telescópio Espacial James Webb, dando uma nova visão sobre as raras galáxias de anéis duplos. As duas galáxias à esquerda são vizinhas. (Créditos: NASA, ESA, CSA, STSCI e Equipe do Webb)

Traduzido por Julio Batista
Original de para o Science News Magazine

Não é fácil colidir seu anel. Uma imagem recém-divulgada do Telescópio Espacial James Webb, ou JWST da sigla em inglês, mostra a Galáxia Cartwheel ainda se recuperando de um encontro com uma galáxia menor há 400 milhões de anos.

A Galáxia Cartwheel, assim chamada por causa de seu anel interno brilhante e anel externo colorido, fica a cerca de 500 milhões de anos-luz da Terra. Os astrônomos pensam que costumava ser uma grande espiral como a Via Láctea, até que uma galáxia menor a atravessou. Em observações anteriores com outros telescópios, o espaço entre os anéis parecia envolto em poeira.

Agora, as câmeras infravermelhas do JWST espiaram através da poeira e encontraram estrelas e estruturas nunca vistas anteriormente. A nova imagem mostra locais de intensa formação estelar em toda a galáxia que foram desencadeados pelos efeitos posteriores da colisão. Algumas dessas novas estrelas estão se formando em padrões semelhantes a raios entre o anel central e o anel externo, um processo que não é bem compreendido.

Quando o Telescópio Espacial Hubble observou a Galáxia Cartwheel em luz visível (à esquerda), os raios entre os anéis brilhantes da galáxia eram mechas pouco visíveis. Os olhos infravermelhos do JWST os colocaram em foco vívido (à direita). A luz infravermelha próxima (azul, laranja e amarelo) traça estrelas recém-formadas; a luz infravermelha média (vermelha) destaca a química da galáxia. (Créditos: Esquerda – Hubble/NASA e ESA; Direita – NASA, ESA, CSA, STSCI e Equipe do Webb)

Galáxias anulares são raras, e galáxias com dois anéis são ainda mais incomuns. Essa forma estranha significa que a colisão de muito tempo atrás criou várias ondas de gás ondulando para frente e para trás na galáxia deixada para trás. É como se você jogasse uma pedrinha na banheira, disse o cientista do projeto JWST Klaus Pontoppidan do Space Telescope Science Institute em Baltimore. “Primeiro você pega esse anel, depois ele atinge as paredes da sua banheira e reflete de volta, e você obtém uma estrutura mais complexa.”

O efeito provavelmente significa que a Galáxia Cartwheel tem um longo caminho de recuperação pela frente – e os astrônomos não sabem como será no final.

Quanto à galáxia menor que causou todo esse caos, ela não ficou por perto para sair na foto. “Está tudo bem”, disse Pontoppidan.