Urso-das-cavernas extinto, com cerca de 30.000 anos, é encontrado congelado na Sibéria

0
312
A carcaça do urso-das-cavernas. Créditos: Universidade Federal do Nordeste via AP.

Por Aylin Woodward
Publicado no Business Insider

Bem na parte de cima do Círculo Polar Ártico está um grupo de ilhas remotas da Sibéria, onde comerciantes de marfim e cientistas enfrentam temperaturas abaixo de zero em busca de criaturas extintas preservadas no pergelissolo derretido.

Aquelas ilhas Lyakhovsky acabaram de render uma descoberta sem precedentes: um urso-das-cavernas adulto perfeitamente preservado – com seu nariz, dentes e órgãos internos ainda intactos.

Os cientistas acreditam que o urso das-cavernas morreu entre 22.000 e 39.500 anos atrás. Sua espécie, Ursus spelaeus, viveu durante a última Idade do Gelo e foi extinta 15.000 anos atrás.

A carcaça foi descoberta por pastores de renas, que alertaram pesquisadores da Universidade Federal do Nordeste em Yakutsk, Rússia.

“Esta é a primeira e única descoberta desse tipo – uma carcaça de urso inteira com tecidos moles”, disse a pesquisadora da Universidade Federal do Nordeste Lena Grigorieva em um comunicado de imprensa anunciando a descoberta na segunda-feira.

Até agora, os cientistas haviam descoberto apenas esqueletos de urso das cavernas – nunca um espécime totalmente intacto.

O urso das cavernas viveu de 22.000 a 39.500 anos atrás

A carcaça do urso da caverna. Créditos: Universidade Federal do Nordeste via AP.

Os ursos-das-cavernas andavam por lá enquanto a maior parte da Europa e da Ásia estavam cobertas de geleiras, compartilhando o habitat com mamutes, tigres-dente-de-sabre e preguiças gigantes.

As criaturas eram enormes: os machos podiam pesar até 1 tonelada, o que é cerca de 230 quilos mais pesado do que os maiores ursos vivos hoje.

Greigorieva e seus colegas disseram, por enquanto, a idade do urso é uma estimativa até que a datação por carbono possa apontar uma idade mais precisa. Eles também esperam estudar a carcaça em mais detalhes e realizar uma análise genética.

Créditos: Universidade Federal do Nordeste via AP.

Outra carcaça de urso-das-cavernas – um filhote – foi encontrada recentemente em Yakutia, na Rússia, então os cientistas esperam comparar o DNA dos dois animais.

O degelo do pergelissolo siberiano também rendeu outras descobertas

À medida que o planeta se aquece, o pergelissolo siberiano – solo que permanece congelado o ano todo – começa a derreter. À medida que derrete, as criaturas da Idade do Gelo sepultadas lá dentro estão começando a ser desenterradas depois de permanecerem congeladas por dezenas de milhares de anos.

As ilhas Lyakhovsky, onde o urso foi encontrado, estão repletas de restos de mamutes da última Idade do Gelo.

No ano passado, os cientistas descobriram uma cabeça de lobo decepada de 40.000 anos, completa com pelos, dentes, cérebro e tecido facial nas margens de um rio em Yakutia.

Outras criaturas antigas encontradas no gelo de Yakutia incluem dois filhotes de leão-da-cavernas extintos e um potro de 42.000 anos.

À medida que as temperaturas continuam subindo, mais vestígios provavelmente serão encontrados.