3 principais grupos de animais aquáticos podem traçar sua linhagem para este antigo “verme” blindado

0
178
Uma reconstrução de como Wufengella seria em vida. (Créditos: Roberts Nicholls)

Traduzido por Julio Batista
Original de Patrick Pester para a Live Science

Um “verme” blindado cheio de espinhos que navegava pelos recifes oceânicos há 518 milhões de anos é o ancestral de três grupos de animais aquáticos que hoje vivem estilos de vida muito diferentes e oferece novas pistas sobre a explosão de diversas espécies na época, segundo um novo estudo.

Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu recentemente o fóssil de uma espécie que deu origem a braquiópodes, briozoários e foronídeos; esses três grupos de criaturas marinhas que se alimentam por filtração se fixam no fundo do mar, mas cada grupo tem estruturas de alimentação altamente especializadas e parecem muito diferentes umas das outras.

A espécie fóssil, chamada Wufengella bengtsoni, é membro de um grupo mais antigo de organismos chamados tomotídeos, relataram cientistas em um novo estudo.

A descoberta adiciona uma nova peça ao quebra-cabeça de como os animais evoluíram durante a explosão cambriana, uma época durante o período cambriano (541 milhões a 485,4 milhões de anos atrás), quando a vida primitiva se diversificou rapidamente na Terra, introduzindo e estabelecendo uma variedade de planos corporais diferentes que ainda vemos em animais vivos hoje.

Os braquiópodes são criaturas bivalves com conchas; os briozoários são de corpo mole com coroas de tentáculos, e os foronídeos são envoltos em tubos protetores feitos de quitina, um material que reforça estruturas orgânicas como exoesqueletos, bicos e conchas.

O fóssil de Wufengella e um desenho descrevendo os principais componentes do organismo. (Créditos: Jakob Vinther e Luke Parry)

Antes da descoberta de W. bengtsoni, os taxonomistas especularam que o ancestral de todos esses grupos de animais poderia ter sido um tomotídeo semelhante a um verme segmentado, com base nas semelhanças no desenvolvimento embrionário dos grupos em animais vivos.

Mas, embora os pesquisadores tivessem alguma ideia de como esse ancestral hipotético poderia ser, eles não tinham certeza se o encontrariam.

“Uma das coisas que muitas vezes mencionamos quando estávamos sentados no pub e imaginando o que poderíamos esperar encontrar um dia era esse tomotídeo indescritível”, disse o coautor Jakob Vinther, professor associado de macroevolução da Universidade de Bristol, na Inglaterra, à Live Science.

O fóssil foi encontrado no sítio de fósseis Biota de Chengjiang em Yunnan, uma província no sudoeste da China. É um achado raro porque animais como esse normalmente não são preservados o suficiente para que os paleontólogos os estudem em detalhes.

“Eles estavam nadando em recifes nas águas tropicais rasas que existiam naquela época”, disse Vinther.

Nesses sistemas de recifes antigos, os animais mortos geralmente eram arrastados pelas águas até que seus corpos se desintegrassem, e seus tecidos moles geralmente se decompunham nas águas ricas em oxigênio dos recifes antes que a fossilização pudesse acontecer.

“Este animal em particular, para nossa sorte, foi levado para águas profundas, onde foi enterrado na lama onde foi preservado”, disse Vinther.

Enquanto os pesquisadores previram o plano geral do corpo de W. bengtsoni, algumas características do fóssil foram uma grande surpresa. Tinha abas em seu corpo que poderiam ter sido usadas para fins de sucção, para fixar o animal ao recife quando havia ondas, especulou Vinther.

A espécie também tinha cerdas espinhosas longas nas laterais que podem ter sido usadas para detectar presas ou como proteção contra predadores.

Os autores do estudo não têm certeza o que o animal comia, mas seu corpo não foi adaptado para filtrar a água ou ficar parado, então eles sabem que não se alimentava por filtração, se prendendo ao fundo do mar para tal como seus descendentes.

Os pesquisadores estão confiantes de que é o ancestral dos braquiópodes, briozoários e foronídeos porque compartilhava um esqueleto semelhante com esses grupos. À medida que a vida evoluiu na explosão cambriana, os animais preencheram diferentes nichos ecológicos e adotaram diferentes planos corporais.

“Às vezes, os ancestrais podem parecer muito, muito diferentes de seus parentes vivos mais próximos”, disse Vinther.

Martin Smith, professor associado de paleontologia da Universidade de Durham, na Inglaterra, que não esteve envolvido no estudo, descreveu a nova pesquisa como um exemplo de ciência “impecavelmente executada”. “É um estudo fantástico”, disse Smith.

“Estamos realmente vendo como esses grupos se encaixam e como eles evoluíram de um único ancestral comum. Isso está nos levando a um degrau na árvore evolutiva”, acrescentou Smith.

“É a próxima fronteira, estamos indo um pouco mais fundo no tempo e estamos realmente começando a ver a origem da explosão cambriana quando todos os planos corporais complexos aparecerem”.

O estudo foi publicado online em 27 de setembro na revista Current Biology.