A ‘Caverna do Horror’ de Israel rendeu novas descobertas de tesouros surpreendentes

0
300
Pontas de flecha do período da revolta judaica de Barcoquebas. (Créditos: Menahem Kahana/AFP/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Naina Bhardwaj para o Business Insider

Arqueólogos descobriram o esqueleto de 6.000 anos de uma criança na “Caverna do Horror” no Deserto da Judeia em Israel ao lado de antigos pergaminhos do Mar Morto, bem como da cesta mais antiga do mundo.

A “Caverna do Horror” leva esse nome por conta de 40 esqueletos encontrados lá durante escavações na década de 1960. Os pesquisadores encontraram os restos mortais da criança mumificados naturalmente pela atmosfera seca da caverna, que só pode ser acessada por cordas de escalada.

Uma tomografia computadorizada revelou que a criança, que tinha pele, tendões e até mesmo cabelos parcialmente preservados, tinha entre 6 e 12 anos e aparentemente era uma menina, de acordo com Smithsonian Magazine.

Arqueóloga Naama Sukenik apresentando a cesta mais antiga do mundo. (Créditos; Menahem Kahana/AFP/Getty Images)

O pré-historiador Ronit Lupu, da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA), disse em um comunicado: “Era óbvio que quem enterrou a criança involucrou [ela] e empurrou as pontas do pano por baixo [dela], assim como um pai cobre [sua] criança em um cobertor. Um pequeno pacote de pano foi agarrado nas mãos da criança.”

O esqueleto foi encontrado junto com antigos pergaminhos do Mar Morto, que estão entre os primeiros textos já escritos em hebraico.

Fragmentos de pergaminhos bíblicos de 2.000 anos, Israel, 16 de março de 2021. (Créditos: Menahem Kahana/AFP/Getty Images)

Os fragmentos recém-descobertos dos pergaminhos de 2.000 anos são traduções gregas dos livros bíblicos de Naum e Zacarias, encontrados no Livro dos 12 Profetas Menores no Tanakh judaico.

No entanto, a única palavra hebraica incluída no texto é o nome de Deus, notou o The Independent, e acredita-se que os pergaminhos tenham sido escondidos durante uma revolta judaica contra Roma, acrescentou a NBC News. 

Um pente para piolhos do período da revolta judaica de Barcoquebas, Israel, 16 de março de 2021. (Créditos: Menahem Kahana/AFP/Getty Images)

A cesta mais antiga do mundo datada de 10.000 anos atrás também foi encontrada, assim como pontas de flechas e moedas que se acredita serem do período da revolta de Barcoquebas em outras cavernas, relatou o The Guardian.

As autoridades encomendaram a escavação em 2017, após relatos de pilhagem por saqueadores, observou o The Guardian.