A conservação da biodiversidade é como um contrato de seguro para o futuro da humanidade

0
1293
O pântano Kanna na encosta do planalto de Saaremaa. A seta vermelha marca a localização do núcleo de sedimentos. Crédito: Ansis Blaus.

Traduzido e adaptado por Julio Batista
Original do Conselho de Investigação da Estônia, no Phys.org 

A frase do título é ampla em diversos sentidos. Abaixo temos o exemplo de um estudo sobre os pântanos da Estônia que ajuda a embasar a afirmação.

Pântanos e brejos são ambientes de pesquisa valiosos para paleoecologistas devido a fósseis antigos que se conservaram em turfeiras por milhares de anos. Um estudo recente realizado pelos paleoecologistas da Universidade de Tecnologia de Tallinn (TalTech) revela que a rica biodiversidade dos pântanos com nascentes é resultado de seu ambiente estável milenar. Tal riqueza local que vêm se conservando nos pântanos esbarra, porém, com a diminuição geral da biodiversidade em todo o mundo causada pelo uso da terra cada vez mais intensivo.

O estudo de pântanos e brejos realizado por cientistas da Estônia é particularmente especial porque na maior parte da Europa tais áreas foram destruídas devido à rápida industrialização e desenvolvimento agrícola. O grupo de pesquisa liderado por Triin Reitalu e pelo doutorando Ansis Blaus, da Divisão de Geologia Quaternária do Departamento de Geologia da TalTech, estudou um dos pântanos mais antigos da Estônia, o pântano do Kanna, na reserva natural de Viidumäe em Saaremaa.

Os pântanos com nascentes cobrem apenas 0,02% da área da Estônia, mas sua vegetação é única – várias orquídeas, ervas típicas de Saaremaa, prímulas e várias outras espécies raras de plantas crescem nos pântanos com nascentes. Aproximadamente 60% da área dos mangues são protegidos pela Lei de Conservação da Natureza da Estônia.

“Os pântanos com nascentes são um tipo raro de pântano, onde a água flui constantemente devido ao fluxo pressurizado das águas subterrâneas. O pântano de Kanna está localizado no sopé do planalto de Saaremaa e a água que flui pelas encostas da morena calcária torna o ambiente do pântano único”, diz Triin Reitalu. Tais solos de calcários criam boas condições para a diversidade da vegetação.

“Em nosso estudo, viajamos 9.200 anos no tempo – até o momento em que o atual pântano surgiu do mar na bacia do Báltico e, nos primeiros 2.000 anos, se desenvolveu como um pequeno pântano entre as dunas. Musgos de turfa, urzes, ervas-do-pântano (ledum) e murtas cresceram lá. A partir de então, cerca de 7.000 anos atrás, o pântano se transformou em um pântano com nascente devido ao fluxo de água”, explica Reitalu. Durante esse período, o clima se tornou não só mais quente, mas também mais seco após a última Era do Gelo, o que, por sua vez, levou ao aumento da atividade das águas superficiais ricas em minerais que começaram a fluir das encostas.

Os cientistas usaram a análise de um núcleo de turfa como método de pesquisa. Para isso, um núcleo de turfa com 2,3 m de comprimento foi obtido do pântano e foi analisado em laboratório. Os solos de turfa dos pântanos com nascentes se desenvolvem muito lentamente, portanto este núcleo perfurado de 2,3 metros de comprimento cobre a história natural dos últimos 9.200 anos.

No estudo, foram analisados micro e macrofósseis de plantas. Os microfósseis estudados incluíram tipos de pólen e esporos. Embora o pólen seja leve e capaz de voar longas distâncias, ele resiste a milhares de anos por causa de suas cascas fortes e, portanto, é um bom material para pesquisa. Os macrofósseis estudados incluíam vários restos de plantas, sementes, pedaços de casca, etc. Os macrofósseis são menos móveis que os microfósseis, mas fornecem uma imagem da comunidade vegetal que cresceu localmente no pântano ao longo do tempo.

As análises indicam que a diversidade da vegetação foi a mais alta no pântano de Kanna e arredores no período de ca. 7.500 a 400 cal AP [nota do tradutor: o termo científico “cal AP” é uma abreviação de “anos calibrados antes do presente” e é uma notação que significa que a data bruta do radiocarbono citada foi corrigida usando as metodologias atuais]. Os últimos ca. 400 anos são, no entanto, caracterizados pelo declínio do número de espécies de árvores de folhas largas em torno do pântano (limas, olmos, vigas de chifre desapareceram). Apesar de algumas mudanças na vegetação, o ambiente do pântano de Kanna tem sido relativamente estável nos últimos 7.000 anos.

Triin Reitalu comenta: “devido à sua biota específica, os pântanos com nascentes estão no foco da conservação da natureza há mais de meio século. Nossa pesquisa recente fornece uma imagem única do desenvolvimento dos pântanos com nascentes nos últimos milênios. Podemos concluir que a atual alta diversidade do pântano é resultado de um ambiente estável a longo prazo “.

“Eu consideraria a conservação da biodiversidade um contrato de seguro para a sobrevivência da humanidade”, diz Reitalu. Tomemos, por exemplo, a tendência dos polinizadores naturais à extinção: como é sabido, as árvores frutíferas de nossos jardins precisam de polinizadores (abelhas melíferas e mamangabas) para a frutificação. Na era atual das monoculturas, no entanto, as abelhas estão diminuindo em abundância e, portanto, o rendimento das árvores frutíferas está em risco. A preservação de uma gama diversificada de comunidades naturais e semi-naturais em uma paisagem é a melhor maneira de garantir alto rendimento das macieiras em nossas hortas, por exemplo.

Referências

  • BLAUS, Ansis et al. From bog to fen: palaeoecological reconstruction of the development of a calcareous spring fen on Saaremaa, Estonia. Vegetation History and Archaeobotany, 2019. DOI: 10.1007/s00334-019-00748-z