A evidência mais antiga de humanos antigos cozinhando com fogo acaba de ser encontrada

0
67
(Créditos: Mint Images/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Carly Cassella para o ScienceAlert

O que diferencia os humanos dos outros animais? É uma questão latente que alguns cientistas dizem que se resume ao controle primoroso de uma força terrena: o fogo.

O primatologista britânico Richard W. Wrangham é um grande defensor da chamada ‘hipótese culinária‘. Hoje, não há população humana conhecida que viva sem cozinhar, o que sugere que é uma habilidade poderosa e necessária.

Wrangham argumenta que a mudança evolutiva de alimentos crus para cozidos foi o “momento transformador” que alimentou as barrigas dos primeiros humanos e permitiu que seus cérebros crescessem, dando origem ao nosso gênero e, finalmente, à nossa espécie.

Uma nova descoberta em Israel torna essa ideia ainda mais convincente.

Uma equipe internacional de cientistas que trabalham no setor norte do Mar Morto afirma ter encontrado os primeiros sinais de cozimento por humanos pré-históricos.

Em um sítio arqueológico chamado Gesher Benot Ya’aqov, os restos de antigos peixes parecidos com carpas mostram sinais de terem sido cuidadosamente cozinhados há 780.000 anos.

A descoberta não é a evidência mais antiga do uso controlado do fogo pelos primeiros humanos, mas é a evidência mais antiga na Eurásia. Na África, os sítios arqueológicos do Homo erectus que datam de pelo menos 1,5 milhão de anos contêm carvão e ossos queimados.

No entanto, estes são apenas sinais circunstanciais de queima, não sinais claros de cozimento. A evidência deste último é muito mais difícil de encontrar.

Na verdade, os sinais de cozimento não aparecem no registro arqueológico até muito tempo depois da chegada dos neandertais e do Homo sapiens. Até recentemente, a evidência mais antiga de cozimento eram os restos aquecidos de plantas amiláceas encontradas em um forno subterrâneo na África. E esse sítio arqueológico data de apenas 170.000 anos.

Isso é 600.000 anos depois que os primeiros humanos em Israel estavam cozinhando peixe em um vale perto do Mar Morto.

“Não sabemos exatamente como os peixes foram cozidos, mas dada a falta de evidência de exposição a altas temperaturas, é claro que eles não foram cozidos diretamente no fogo, e não foram jogados no fogo como lixo ou como material para queima”, disse o arqueólogo Jens Najorka do Museu de História Natural de Londres.

A análise recente da equipe sugere que os dentes de antigos peixes de água doce encontrados no local foram capturados em um lago próximo, que não existe mais, e expostos a temperaturas adequadas para cozinhar.

As descobertas empurram o controle do fogo de nossos ancestrais para meados do Pleistoceno, uma época em que as populações de Homo erectus estavam dando lugar a hominídeos de cérebro maior, como o Homo heidelbergensis.

“Ganhar a habilidade necessária para cozinhar alimentos marca um avanço evolutivo significativo, pois forneceu um meio adicional para otimizar o uso dos recursos alimentares disponíveis”, explicou a arqueóloga Naama Goren-Inbar, da Universidade Hebraica de Jerusalém.

“É até possível que cozinhar não se limitasse ao peixe, mas incluísse também vários tipos de animais e plantas.”

Gesher Benot Ya’aqob é um local rico em restos de antigos hominídeos. Arqueólogos encontraram evidências de ferramentas de sílex, basalto e calcário aqui, bem como frutas, nozes, sementes e muitas espécies de mamíferos terrestres, médios e grandes.

Quem morava neste vale claramente conhecia bem a terra. Mas foi a compreensão dos habitats de água doce que os pesquisadores acreditam que permitiu que essa população realmente prosperasse.

Pode até ter ajudado os humanos a deixar o continente africano e viver em outro lugar. Ao saltar de habitats de água doce para outros habitats de água doce, os hominídeos poderiam garantir um bom suprimento de água doce e alimentos ricos em nutrientes.

Os cientistas argumentam há anos que comer peixe rico em ácidos graxos ômega, zinco e outros nutrientes cruciais é o que permitiu que o cérebro humano desenvolvesse uma complexidade tão grande.

O peixe cru provavelmente serviu muito bem para os primeiros hominídeos, mas à medida que o peixe cozido entrou na dieta de nossos ancestrais, teria facilitado a digestão e poupado as pessoas de consumir patógenos perigosos. Também teria dado aos cérebros dos hominídeos um aumento maior de nutrientes.

O peixe frito em Israel pode ter sido apenas o começo das proezas culinárias de nossa humanidade.

“Este estudo fornece evidências de cozimento de peixes pelos primeiros hominídeos… enfatizando o papel dos habitats de zonas úmidas em oferecer uma fonte de alimento estável durante todo o ano que desempenhou um papel importante na subsistência e dispersão dos hominídeos pelo Velho Mundo”, concluíram os autores.

O estudo foi publicado na Nature Ecology and Evolution.