A evolução gradual está de volta: teoria darwiniana do processo gradual é explicada em novas pesquisas

0
450

Publicado na University of Reading

Mudanças abruptas na evolução dos animais – curtos períodos de tempo em que um organismo muda rapidamente de tamanho ou forma – têm sido um desafio para teóricos, incluindo Darwin. Agora, um estudo de pesquisa recém-publicado sustenta a ideia de que mesmo essas mudanças abruptas são sustentadas por um processo direcional gradual de sucessivas mudanças incrementais, como supõe a teoria da evolução de Darwin.

Publicado na Nature Communications essa semana, biólogos evolucionistas da Universidade de Reading propõem um novo modelo estatístico que procura explicar essas mudanças repentinas e longos períodos de estase que foram vistos na história evolutiva de algumas espécies.

A equipe liderada pelo professor Mark Pagel, juntamente com os colegas Dra. Ciara O’Donovan e Dr. Andrew Meade, desenvolveu um modelo estatístico que reconstruiu as mudanças no tamanho do corpo que ocorreram ao longo dos 170 milhões de anos de história de mais de 2.800 espécies de mamíferos.

Os autores descobriram que, apesar de haver períodos para alguns mamíferos durante os quais ocorrem mudanças abruptas no tamanho, essas ocorrências podem ser entendidas como mudanças “normais” que se baseiam na variabilidade natural que a evolução rotineiramente adiciona às populações naturais.

“Nosso modelo estatístico fornece uma base para acomodar o que antes era uma pedra no sapato de teóricos como Darwin. A teoria da evolução por seleção natural de Darwin prevê mudanças graduais e incrementais nos organismos que ocorrem em períodos de tempo muito longos. Mas o registro fóssil mostra frequentemente mudanças muito abruptas nos tamanhos, formas, cores e outras características dos organismos, e estas têm sido usadas por pelo menos cinquenta anos para desafiar a ortodoxia darwiniana. Mostramos neste estudo que mesmo essas mudanças abruptas são facilmente explicadas como casos do que é conhecido como ‘seleção direcional’ – quando a seleção natural puxa fortemente uma característica em uma direção. Nenhum mecanismo extra darwiniano especial é necessário”, disse Mark Pagel, professor de biologia evolutiva da Universidade de Reading e principal autor do estudo.

Muitas dessas mudanças abruptas ocorreram por volta de 60 a 70 milhões de anos atrás, um período que viu o surgimento de muitos grupos de mamíferos diferentes de formas primitivas. Por exemplo, ao longo de um período de 100.000 anos, um pequeno animal de pastagem primitivo (Conacodon entoconus), ancestral das vacas, antílopes e girafas modernos de hoje, aumentou em tamanho mais de 70 vezes. Mais recentemente, as baleias de barbatana (por exemplo, baleias jubarte, azuis e cachalotes) aumentaram mais de 100 vezes em tamanho em relação a um pequeno ancestral semelhante a um golfinho na mesma quantidade de tempo (cerca de 7 milhões de anos) que separa os humanos modernos de seu ancestral comum com os chimpanzés.