A FDA acabou de aprovar o primeiro animal geneticamente modificado: Um salmão que cresce duas vezes mais rápido

8
1347
A foto mostra dois peixes da mesma idade. O salmão geneticamente modificado ao fundo e o salmão não modificado à frente. (AP / AquaBounty Technologies)

Via: The Washignton Post

Após anos de revisões e controvérsias intermináveis, a FDA (órgão americano de administração de alimentos e medicamentos) aprovou nesta quinta-feira o primeiro animal geneticamente alterado da nação – um salmão projetado para crescer duas vezes mais rápido que o seu homólogo natural.

O AquAdvantage, nome dado ao salmão geneticamente modificado, foi produzido pela AquaBounty, e é um salmão do Atlântico que contém uma hormônio de crescimento de um salmão Chinook e foi inserido em seu genoma, um gene de Zoarces americanus, uma espécie de enguia. O resultado é um peixe que cresce o suficiente para o consumo em cerca de um ano e meio, em vez dos típicos três anos.

Ativistas de segurança alimentar, grupos ambientalistas e a indústria de pesca do salmão, além dos legisladores do Alasca, se opuseram à aprovação do peixe – que ironicamente se referem como “Frankenfish” – e argumentaram que a sua existência poderia abrir a porta para uma ampla gama de alimentos de origem animal geneticamente modificados, potencialmente inseguros. Sabendo que a aprovação da FDA era provável, os críticos conseguiram de algumas das maiores cadeias de distribuição de alimentos, o compromisso de não venderem o peixe.

A FDA disse nesta quinta-feira, que a sua decisão foi “baseada em dados científicos sólidos e uma revisão abrangente”, e que os reguladores estão confiantes de que o peixe geneticamente modificado é tão seguro para o consumo como um salmão do Atlântico normal, sem diferença discernível em seu valor nutricional. Funcionários observaram que a agência realizou reuniões, vasculharam milhares de comentários públicos e realizaram avaliações científicas e ambientais sobre o peixe AquaBounty, antes de finalmente aprová-lo.

“Tudo isso levou tempo”, disse Laura Epstein, um analista sênior de políticas no centro do FDA para medicina veterinária. “Tal como acontece com muitos produtos que são o primeiro de seu tipo, tomamos muito cuidado para ter certeza de que estamos fazendo tudo certo.”

Pescadores de salmão e ativistas ambientais exprimiram preocupações sobre os estragos que poderiam ocorrer se qualquer salmão modificado entrarem em águas oceânicas e acasalarem com salmão do Atlântico selvagem – um cenário que eles dizem que pode ter impactos imprevisíveis e levar à dizimação de populações selvagens. A AquaBounty disse seus peixes são todos do sexo feminino e estéreis, tornando impossível o acasalamento com outro salmão, mesmo que de alguma forma consigam escapar de suas instalações de produção sem acesso ao mar. A empresa argumenta que seu peixe, na verdade, poderia reduzir a pressão sobre as unidades populacionais de peixes selvagens e evitar a sobrepesca de salmão do Atlântico.

O FDA disse que vai exigir o salmão AquaBounty seja criado apenas em ambiente terrestre, contidos em dois tanques de instalações específicas no Canadá e Panamá, e que vai realizar inspeções regulares. A aprovação também não permite que o salmão seja reproduzido ou criado nos Estados Unidos, por enquanto, embora os oficiais do FDA disseram que a empresa poderia ter outros locais de produção aprovados no futuro.

Os críticos argumentam que a aprovação do salmão da AquaBounty poderia abrir as portas para outros animais geneticamente modificados, cada um com suas preocupações com a saúde e problemas ambientais.

Foi uma aprovação falha e irresponsável … Ela estabelece um precedente muito perigoso, dado que nossas agências do governo federal estão mal equipadas para lidar com animais geneticamente modificados”, disse Dana Perls, ativista em alimentos e tecnologia da “Friends of the Earth”, uma rede internacional de organizações ambientais, que tem lutado veementemente contra os esforços da AquaBounty. “Eu acho que é um erro grave e que causará arrependimento.”

Perls disse que seu grupo e outros continuarão tentando prejudicar o mercado do peixe. “É claro: As pessoas não querem comê-lo”, disse ela. “Nós vamos continuar trabalhando com supermercados e varejistas para continuar a ouvir os consumidores que não querem comer este peixe pouco estudado e não rotulado.

Outros acolheram bem a aprovação da FDA, mas ninguém mais do que a empresa que passou duas décadas desenvolvendo o salmão geneticamente modificado. “Estamos emocionados”, disse o presidente-executivo da AquaBounty Ron Stotish. “Achamos que isso é bom para a ciência, é bom para a aquicultura e é bom para os consumidores.”

Stotish assumiu o comando na AquaBounty em 2008, ele disse que agora emprega 21 pessoas, e está perfeitamente ciente da oposição feroz entre muitos ativistas contra o salmão geneticamente modificado da empresa. Mas ele disse que espera ganhar dos críticos com o passar do tempo.

CONTINUAR LENDO