A história macabra do ‘Núcleo do Demônio’ e os cientistas que se tornaram suas vítimas

0
70
(Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

Traduzido por Julio Batista
Original de Peter Dockrill para o ScienceAlert

Era 13 de agosto de 1945, e o ‘Núcleo do Demônio’ estava pronto, esperando para ser liberado no Japão, um país ainda atordoado e devastado pelo caos dos ataques mais mortais que alguém já viu.

Uma semana antes, ‘Little Boy‘ havia detonado sobre Hiroshima, seguido rapidamente por ‘Fat Man‘ em Nagasaki.

Essas foram as primeiras e únicas bombas nucleares já usadas na guerra, ceifando até 200.000 vidas – e se as coisas tivessem acontecido de forma um pouco diferente, um terceiro ataque mortal teria finalizado essa sequência infernal.

Mas a história tinha outros planos.

Depois que Nagasaki provou que Hiroshima não era um ataque isolado, o Japão se rendeu prontamente em 15 de agosto, com a rádio japonesa transmitindo um discurso gravado do imperador Hirohito cedendo às exigências dos Aliados.

Recriação do acidente de 1945. (Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

Acontece que esta foi a primeira vez que o público japonês em geral ouviu a voz de um de seus imperadores, mas para os cientistas do Laboratório de Los Alamos no Novo México – também conhecido como Projeto Y – o evento teve um significado mais angustiante.

Isso significava que o núcleo funcional da terceira bomba atômica em que eles estavam trabalhando – uma esfera de 6,2 quilos de plutônio e gálio refinados – não seria necessário para o esforço de guerra, afinal.

Se o conflito ainda estivesse ocorrendo, como aconteceu por quase cinco anos consecutivos, esse núcleo de plutônio teria sido encaixado em uma segunda montagem do Fat Man e detonado acima de outra cidade japonesa desavisada apenas quatro dias depois.

Felizmente, o destino poupou essas almas, e o dispositivo de Los Alamos – que tinha o codinome ‘Rufus‘ naquele momento – seria retido na instalação para mais testes.

Foi durante esses testes que o material nuclear, que no final das contas ficou conhecido como Núcleo do Demônio, ganhou esse nome.

A mão queimada e com bolhas de Daghlian. (Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

O primeiro acidente aconteceu menos de uma semana após a rendição do Japão e apenas dois dias após a data do cancelamento do bombardeio do Núcleo do Demônio.

Essa missão pode nunca ter sido iniciada, mas o Núcleo do Demônio, guardado em Los Alamos, ainda encontrou uma oportunidade para matar.

Os cientistas de Los Alamos sabiam bem dos riscos do que estavam fazendo quando realizaram experimentos de criticidade com ele – um meio de medir o limite no qual o plutônio se tornaria supercrítico, o ponto em que uma reação em cadeia nuclear desencadearia uma explosão de radiação mortal.

O experimento executado pelos cientistas do Projeto Manhattan – do qual o Laboratório de Los Alamos fazia parte – foi descobrir o quão longe você poderia ir antes que aquela reação perigosa fosse desencadeada.

Eles até tinham um apelido informal para os experimentos de alto risco. Eles chamaram isso de “fazer cócegas na cauda do dragão“, sabendo que se eles tivessem a infelicidade de despertar a fera furiosa, eles seriam queimados.

Louis Slotin, à esquerda, com a primeira montagem de bomba nuclear, denominada Gadget (Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

E foi exatamente isso que aconteceu com o físico de Los Alamos, Harry Daghlian.

Na noite de 21 de agosto de 1945, Daghlian voltou ao laboratório após o jantar, para fazer cócegas na cauda do dragão sozinho – sem outros cientistas (apenas um guarda de segurança) por perto, o que era uma violação dos protocolos de segurança.

Enquanto Daghlian trabalhava, ele cercou a esfera de plutônio com tijolos feitos de carboneto de tungstênio, que refletiam nêutrons liberados pelo núcleo de volta para ela, aproximando-a da criticidade.

Tijolo por tijolo, Daghlian construiu essas paredes reflexivas em torno do núcleo, até que seu equipamento de monitoramento de nêutrons indicou que o plutônio estava prestes a se tornar supercrítico se ele colocasse mais.

Ele se moveu para puxar um dos tijolos, mas ao fazer isso acidentalmente o deixou cair diretamente no topo da esfera, induzindo a supercriticalidade e gerando um brilho de luz azul e uma onda de calor.

Recriação do acidente de 1946. (Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

Daghlian estendeu a mão imediatamente e removeu o tijolo, notando uma sensação de formigamento em sua mão ao fazer isso.

Infelizmente, já era tarde demais.

Naquele breve instante, ele recebeu uma dose letal de radiação. Sua mão queimada e irradiada empolou e ele finalmente entrou em coma após semanas de náusea e dor.

Ele morreu apenas 25 dias após o acidente. O segurança de plantão também recebeu uma dose não letal de radiação.

Mas o Núcleo do Demônio ainda não havia terminado.

Apesar de uma revisão dos procedimentos de segurança após a morte de Daghlian, quaisquer alterações feitas não foram suficientes para evitar que um acidente semelhante ocorresse no ano seguinte.

Recriação do acidente de 1946. (Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

Em 21 de maio de 1946, um dos colegas de Daghlian, o físico Louis Slotin, estava demonstrando um experimento de criticidade semelhante, baixando uma cúpula de berílio sobre o núcleo.

Como os tijolos de carboneto de tungstênio, a cúpula de berílio refletiu nêutrons de volta ao núcleo, empurrando-o em direção à criticidade. Slotin teve o cuidado de garantir que a cúpula – chamada de tamper – nunca cobrisse completamente o núcleo, usando uma chave de fenda para manter uma pequena lacuna, agindo como uma válvula crucial para permitir que um número suficiente de nêutrons escapasse.

O método funcionou… até que ocorreu mais um desastre.

A chave de fenda escorregou e a cúpula caiu, por um instante cobrindo totalmente o Núcleo do Demônio em uma bolha de berílio que saltou muitos nêutrons de volta para ele.

Outro cientista na sala, Raemer Schreiber, se virou quando ouviu o som da cúpula caindo, sentindo calor e vendo um flash azul quando o Núcleo do Demônio ficou supercrítico pela segunda vez no espaço de um ano.

Diagrama do acidente de 1946. (Créditos: Laboratório Nacional de Los Alamos)

“O flash azul era claramente visível na sala, embora (a sala) fosse bem iluminada pelas janelas e possivelmente pelas luzes do teto”, escreveu Schreiber posteriormente em um relatório.

“A duração total do flash não teria sido mais do que alguns décimos de segundo. Slotin reagiu muito rapidamente, retirando a peça do adulterador.”

Slotin pode ter sido rápido em retificar seu erro mortal, mas, novamente, o estrago já estava feito.

Ele e sete outros na sala – incluindo um fotógrafo e um guarda de segurança – foram expostos a uma rajada de radiação, embora Slotin tenha sido o único a receber uma dose letal, e maior do que a infligida a Daghlian.

Depois de um ataque inicial de náuseas e vômitos, a princípio ele pareceu se recuperar no hospital, mas em poucos dias estava perdendo peso, sentindo dores abdominais e começou a mostrar sinais de confusão mental.

Operação Crossroads. (Créditos: Departamento de Defesa dos EUA)

Um comunicado de imprensa emitido por Los Alamos na época descreveu sua condição como “queimadura solar tridimensional”.

Nove dias depois que a chave de fenda escorregou, ele se foi.

Os dois acidentes mortais, com apenas alguns meses de diferença, finalmente resultaram em mudanças reais em Los Alamos.

Novos protocolos significaram o fim dos experimentos ‘práticos’ de criticidade, com os cientistas forçados a usar máquinas de controle remoto para manipular núcleos radioativos a uma distância de centenas de metros.

Eles também pararam de chamar o núcleo de plutônio de ‘Rufus’. A partir de então, era conhecido apenas como o ‘Núcleo do Demônio’.

Mas depois de tudo o que tinha acontecido, o Núcleo do Demônio deveria partir para sempre junto com suas vítimas.

Após o acidente de Slotin – e o aumento resultante nos níveis de radiação do núcleo – os planos de usá-lo na Operação Crossroads, as primeiras demonstrações de explosão nuclear do pós-guerra no Atol de Bikini um mês depois foram arquivadas.

Em vez disso, o plutônio foi derretido e reintegrado ao estoque nuclear dos EUA, para ser remodelado em outros núcleos conforme necessário. Pela segunda e última vez, o Núcleo do Demônio teve sua detonação negada.

Embora as mortes de dois cientistas não possam ser comparadas aos horrores incontáveis ​​se o Núcleo do Demônio tivesse sido usado em um terceiro ataque nuclear contra o Japão, também é fácil entender por que os cientistas deram a ele o nome macabro que deram.

Depois, há os detalhes estranhos que preenchem o ar obscuro e pesado da história.

Por exemplo, Daghlian e Slotin não morreram apenas em acidentes semelhantes envolvendo o mesmo núcleo de plutônio: os dois incidentes aconteceram às terças-feiras, no dia 21 do mês, e os homens faleceram no mesmo quarto de hospital.

Claro, essas são apenas coincidências. O Núcleo do Demônio não era realmente demoníaco. Se há uma presença maligna aqui, não é do núcleo, mas do fato de que os humanos se apressaram para fazer essas armas terríveis em primeiro lugar.

E o verdadeiro horror – além dos horríveis efeitos do envenenamento por radiação – é como os cientistas de meados do século 20 espetacularmente falharam em se proteger dos perigos extremos com os quais estavam lidando, apesar de conhecerem plenamente os graves riscos.

De acordo com Schreiber, as primeiras palavras de Slotin imediatamente após o incidente da chave de fenda foram simples.

Ele havia consolado seu amigo Daghlian no leito de morte no hospital e sabia o que viria a seguir.

“Bem”, disse ele, “basta.”