A lua de gelo de Júpiter, Europa, provavelmente tem neve subaquática invertida

0
61
Gelo Frazil sob a plataforma de gelo da Antártida. Esta "neve subaquática" fofa e pura pode compor grande parte da camada de gelo da lua de Júpiter, Europa. (© Helen Glazer 2015, do projeto "Caminhando na Antártica")

Traduzido por Julio Batista
Original de Stephanie Pappas para a Live Science

A camada da famosa lua de gelo de Júpiter pode ser formada, em parte, por pura neve subaquática que flutua em vez de cair.

Um novo estudo, publicado na edição de agosto da revista Astrobiology, descobriu que a crosta gelada de Europa pode ser constituída parcialmente por “gelo frazil”, uma acumulação macia de cristais de gelo que também se acumula sob as camadas de gelo da Terra. Este gelo frazil contém uma fração do sal encontrado no gelo que cresce na própria plataforma de gelo, sugerindo que as camadas de gelo de Europa podem ser menos salgadas do que se acreditava anteriormente.

“Quando estamos explorando Europa, estamos interessados ​​na salinidade e composição do oceano, porque essa é uma das coisas que definirão sua habitabilidade potencial ou mesmo o tipo de vida que pode viver lá”, disse a principal autora do estudo, Natalie Wolfenbarger, uma estudante de pós-graduação pesquisador do Instituto de Geofísica da Universidade do Texas (eEUA), disse em um comunicado.

Para os astrobiólogos, Europa é um dos objetos mais intrigantes do Sistema Solar. A lua é coberta por um oceano de 60 a 150 quilômetros de profundidade, coberto por uma crosta de gelo de 15 a 25 km de espessura, de acordo com a NASA. Europa tem um quarto do tamanho da Terra, mas seu oceano em toda a superfície pode conter cerca de duas vezes a água de todos os oceanos da Terra, de acordo com a agência espacial, tornando a lua um lugar intrigante para procurar vida extraterrestre.

Um novo orbitador da NASA, Europa Clipper, está programado para ser lançado em outubro de 2024 para voar pela lua de gelo para ver se pode ser um habitat adequado para a vida. Cientistas da Universidade do Texas em Austin (EUA) estão liderando o desenvolvimento do instrumento de radar de penetração no gelo da Europa Clipper, que examinará a camada de gelo e o oceano logo abaixo dela.

Como parte desse esforço, os pesquisadores queriam entender como a camada de gelo poderia ser estruturada.

Eles se voltaram para a Terra como um análogo, examinando as duas principais maneiras pelas quais o gelo se forma sob as camadas de gelo da Antártida. Uma forma, o gelo congelado, cresce na superfície da plataforma de gelo.

O outro, o gelo frazil, forma-se na água fria do mar e sobe como flocos como uma neve reversa, acabando por ficar preso sob a camada de gelo.

Europa, como a Antártida, provavelmente tem um gradiente de temperatura baixo, o que significa que a temperatura muda pouco com a profundidade.

Nessas condições, descobriu Wolfenbarger, o gelo frazil é bastante comum, particularmente em locais onde o gelo se afina em fendas ou fraturas. Se o gelo frazil também é comum na Europa, pode fazer uma grande diferença na composição da camada de gelo da lua.

Enquanto o gelo congelado pode conter 10% do sal da água do mar circundante, o gelo frazil é muito mais puro, contendo apenas 0,1% do sal na água do mar a partir da qual se forma.

Este gelo com baixo teor de sal não só pode afetar a estrutura e a força da crosta de gelo de Europa, como também pode afetar a capacidade do radar do Clipper penetrar no gelo

“Este paper está abrindo um novo conjunto de possibilidades para pensar sobre os mundos oceânicos e como eles funcionam”, disse Steve Vance, cientista pesquisador do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA que não esteve envolvido no estudo, no comunicado.

“Isso prepara o terreno para como podemos nos preparar para a análise do gelo do Europa Clipper.”