A Marinha dos EUA colocou câmeras em golfinhos e os resultados são incríveis

0
77
Golfinhos nariz-de-garrafa comuns como nunca os vimos antes. (Créditos: Ridgway et al., PLOS ONE, 2022)

Traduzido por Julio Batista
Original de Tessa Koumoundouros para o ScienceAlert

Um zumbido de cliques e gritos de vitória alegres compõem a trilha sonora em nossa primeira filmagem da perspectiva de golfinhos caçando livremente na costa da América do Norte.

A Marinha dos EUA amarrou câmeras em seus golfinhos, que são treinados para ajudar a identificar minas submarinas e proteger parte do estoque nuclear dos Estados Unidos, e então lhes deu liberdade para caçar na baía de San Diego.

Os inteligentes mamíferos marinhos não decepcionaram, oferecendo perseguições emocionantes e até mesmo atacando cobras marinhas venenosas para a surpresa dos pesquisadores.

Para animais tão populares e conhecidos, ainda há muitas coisas básicas que ainda não sabemos sobre esses cetáceos altamente sociaismuitas vezes vulgares, como exatamente como eles normalmente se alimentam.

Os pesquisadores conhecem amplamente pelo menos duas técnicas: sugar a presa como macarrão de uma tigela e devorá-la como um cachorro-quente entre os passeios em uma feira popular.

Mas a filmagem revelou muito mais.

As câmeras, amarradas a seis golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) da Fundação Nacional de Mamíferos Marinhos dos EUA (NMMF), gravaram seis meses de imagens e áudio – fornecendo-nos novas perspectivas sobre as estratégias de caça e comunicações desses mamíferos.

O equipamento de gravação foi colocado de costas ou laterais, exibindo ângulos perturbadoramente estranhos de seus olhos e bocas.

Embora esses golfinhos não sejam selvagens, eles têm oportunidades regulares de caçar em mar aberto, complementando sua dieta habitual de peixes congelados. Portanto, é provável que esses animais usem métodos semelhantes aos de seus irmãos selvagens, explicam o veterinário de mamíferos marinhos do NMMF Sam Ridgway e colegas.

“Enquanto os golfinhos caçavam, eles clicavam quase constantemente em intervalos de 20 a 50 milissegundos”, escreveram eles. “Ao se aproximar da presa, os intervalos dos cliques encurtam para um zumbido terminal e depois um guincho. Em contato com o peixe, o zumbido e o guincho eram quase constantes até que o peixe fosse engolido.”

Os golfinhos amarrados com câmeras capturaram mais de 200 peixes, incluindo robalos, corvinas, alabote, peixes-rei e peixes-cachimbo. O focinho muitas vezes se lançava no ar em tentativas desesperadas de escapar dos predadores habilidosos.

Mas os golfinhos acompanharam todos os seus movimentos, nadando de cabeça para baixo para dar uma visão clara de seus olhos giratórios – uma técnica também observada anteriormente em golfinhos selvagens.

“Esses golfinhos pareciam usar tanto a visão quanto o som para encontrar presas”, escreveram Ridgway e colegas. “À distância, os golfinhos sempre usavam a ecolocalização para encontrar peixes. De perto, a visão e a ecolocalização pareciam ser usadas juntas.”

As câmeras também gravaram o som dos corações dos animais enquanto eles bombeavam com força para acompanhar as atividades extenuantes e revelaram que, em vez de apanhar e mastigar suas vítimas, os golfinhos usavam sucção para ajudar a engolir suas presas ainda lutando contra os músculos de suas gargantas impressionantemente fortes.

Os golfinhos sugavam principalmente os peixes pelos lados de suas bocas abertas, os músculos da garganta se expandiam e a língua era retirada do caminho. O espaço interno expandido da boca ajuda a criar pressão negativa que seus músculos de sucção aumentam.

A configuração da câmera e os golfinhos em ação. (Créditos: Ridgway et al., PLOS ONE, 2022)

Enquanto golfinhos já foram pegos brincando com cobras antes, incluindo botos brincando co  uma anaconda absurdamente grande, as imagens confirmaram pela primeira vez que eles também podem comer esses répteis.

Um golfinho consumiu oito cobras-do-mar-pelágio altamente venenosas (Hydrophis platurus).

“Nosso golfinho não apresentou sinais de doença depois de consumir as pequenas cobras”, escreveram os pesquisadores, mas reconhecem que isso também pode ser um comportamento incomum, já que os golfinhos são animais em cativeiro.

“Talvez a falta de experiência do golfinho em se alimentar com grupos de golfinhos na natureza tenha levado ao consumo dessa presa atípica”.

O principal autor do estudo, Sam Ridgway, faleceu recentemente aos 86 anos, deixando para trás um rico legado de pesquisa.

“Sua abordagem criativa de parceria com golfinhos da Marinha para entender melhor o comportamento, anatomia, saúde, sonar e comunicação da espécie continuará a educar e inspirar futuros cientistas por gerações”, disse a etóloga do NMMF Brittany Jones ao The Guardian.

Quanto aos golfinhos treinados pela marinha, eles “trabalham em águas abertas quase todos os dias”, explica o NMMF em seu site. “Eles podem nadar para longe se quiserem, e ao longo dos anos alguns poucos o fizeram. Mas quase todos ficam.”

Esta pesquisa foi publicada no PLOS ONE.