A obsessão dos nossos ancestrais com a astronomia

0
590

Por Gordon Gora
Publicado no ListVerse

Nossos ancestrais eram incrivelmente inteligentes, e muitas descobertas ao longo dos anos revelaram evidências do que estudaram e observaram. Um assunto em que eles se focaram especialmente foi a astronomia. Alguns dos feitos mais impressionantes de nossos ancestrais estavam relacionados ao que eles viam nos céus. Confira a seguir 10 deles.

O códice de Dresden

O Dresden Codex é um manuscrito maia que foi entregue à Biblioteca Real de Dresden, na Alemanha, em algum momento da década de 1730. O manuscrito não recebeu nenhuma atenção até o final de 1800, quando Ernst Forstemann, um matemático alemão, concluiu que grande parte do conteúdo do livro estava relacionado ao planeta Vênus, embora ninguém pudesse ler hieróglifos maias na época. Finalmente, na década de 1920, John Teeple, engenheiro químico, disse que o texto era um sistema complexo que acompanhava os movimentos de Vênus.

O manuscrito remonta ao século X e foi escrito por um astrônomo que obedientemente rastreou Vênus por um período de 25 anos. Tudo isso ocorreu 500 anos antes de Copérnico registrar os movimentos dos planetas. O caminho de Vênus foi rastreado e medido porque os maias cronometraram certas cerimônias de larga escala no planeta.

O monólito sazonal

Localizado em uma cordilheira conhecida como Gardom’s Edge, em Manchester, Inglaterra, fica um monólito de 2,1 metros de altura e 4000 anos de idade. O monólito é de forma triangular e o lado norte é plano. Outras descobertas da era neolítica nas proximidades sugerem que o lugar tinha algum tipo de significado especial.

Embora não saibamos o significado que a área tinha para os povos antigos, sabemos que o monólito teve um uso engenhoso: marcar as estações do ano. Com base em como o monólito era iluminado, as estações podiam ser distinguidas. Durante o inverno, o lado inclinado do monólito lançava uma sombra. Durante o verão, só havia sombras de manhã e de tarde. No meio do verão, a pedra brilhava o dia inteiro.

Geometria Astronômica Babilônica

Acreditava-se que a geometria astronômica (o sistema de cálculo usado para prever os movimentos dos corpos celestes) havia sido desenvolvida por matemáticos medievais da Universidade de Oxford no século 14. No entanto, uma tábua de argila babilônica com marcas quase indistinguíveis desmentiu essa ideia. O artefato decifrado mostra o que acredita-se ser o primeiro sistema de cálculo astronômico e data de pelo menos 1400 anos antes dos estudos em Oxford.

O sistema babilônico foi desenvolvido entre 350 e 50 a.C. e foi usado para rastrear os movimentos de Júpiter (a “estrela branca”, como eles se referiam). A tábua não pôde ser lida até 2015, quando uma espécie de pedra de Rosetta da Babilônia foi descoberta. Todos os artefatos eram conjuntos complexos de cálculos que foram abreviados de outra tabela mais completa de formulações geométricas.

O Mecanismo de Antikythera

O Mecanismo de Antikythera, nomeado em homenagem à ilha grega aonde foi descoberto, foi encontrado em 1901 nos destroços de um navio que remonta ao primeiro século a.C. Ao longo dos anos, os historiadores ficaram intrigados com o uso do artefato, e logo se descobriu que era um dispositivo mecânico que servia como um calendário para medir as posições do Sol, da Lua, das estrelas e dos planetas. No entanto, apenas recentemente descobrimos para quem o dispositivo era destinado – filósofos e estudantes.

De acordo com um fragmento de 3500 caracteres (apenas um quarto do texto original) encontrado dentro do dispositivo, ele não era para ser usado como uma ferramenta de pesquisa ou para cálculos, mas para ensinar aos estudantes de filosofia sobre o cosmos e o lugar do homem no universo. Era uma espécie de livro didático que ensinava o que os antigos sabiam sobre astronomia e suas implicações para suas vidas.

Os túmulos das estrelas

Em Portugal, túmulos de 6000 anos de idade, feitos de lajes de pedra, foram descobertos em 2016. Os túmulos podem ter tido um uso significativo: observar Aldebaran, a estrela vermelha que é a mais brilhante na constelação de Touro. Como um telescópio sem lente, muitos dos túneis têm como objetivo fornecer uma visão desobstruída de Aldebaran que é aprimorada pelas estruturas.

A estrela foi muito importante para os pastores, que levavam seus rebanhos para as pastagens de verão nas montanhas. Observar Aldebaran pode ter sido um evento importante que coincidiria com a aparição do verão no crepúsculo da manhã. Os túmulos não eram apenas para enterro; também serviam para ritos de passagem. Muitas dessas cerimônias envolviam confiar um segredo astronômico para ”iniciar”, neste caso, Aldebaran.

O calendário da ”Estrela Demônio”

O Calendário de Cairo, também conhecido como Calendário da “Estrela Demônio”, data entre 1237 e 1163 a.C. A “estrela demoníaca” é uma estrela cintilante conhecida como Algol, que é um dos focos do calendário. O calendário de Cairo informa que dias deveriam ter “sorte” ou “azar”, e os astrônomos começaram a notar um padrão no calendário. Esse padrão foi detectado a cada 2,85 dias, o que corresponde ao escurecimento regular de Algol.

“Algol” vem da frase em árabe ra’s al-ghul, que significa “a cabeça do demônio”, mas os egípcios o chamavam de “O Olho de Hórus”. Para os egípcios, quando o Olho de Hórus estava brilhante, isso significava que Hórus estava furioso e furioso, mas quando estava fechado, significava que ele estava pacificado.

A importância para nós, no entanto, dos egípcios rastrearem Algol vem do fato de ser a primeira pesquisa registrada de observações de uma estrela variável. Antes da descoberta do calendário de Cairo, a primeira pesquisa de alguém rastreando uma estrela variável não ocorreu até 3000 anos depois.

O copo de vinho da constelação grega

Por muitos anos, os historiadores pensaram que um antigo copo de vinho grego, agora no Museu Arqueológico de Lamia, na Grécia, era decorado com nada mais do que representações inócuas de animais. No entanto, após um exame mais minucioso, descobriu-se que o copo ilustrava imagens de constelações de estrelas.

O artefato data de 625 a.C. e não recebeu nenhuma atenção quando descoberto pela primeira vez. Enquanto muitos objetos gregos eram decorados com cenas de caça, este copo de vinho era diferente: várias espécies de animais estavam fora de lugar. Por exemplo, os golfinhos são retratados ao lado de animais terrestres, enquanto os escorpiões são destacados em um momento em que raramente são mostrados ao lado de outros animais.

Por que os gregos criariam um artefato tão peculiar? Para servir como um calendário. O copo era uma simples exibição das posições das constelações ao longo das estações, um assunto que os gregos antigos levavam a sério e estudavam respeitosamente. Colocar essas imagens no copo era uma maneira de inspirar as constelações em quem as usasse.

Os grandes círculos em Orkney

“Os Grandes Círculos” é o nome dado a um extenso local da era neolítica que é o grupo mais antigo de pedras na Grã-Bretanha, com mais de 5.000 anos. Por muitos anos, acreditava-se que os Grandes Círculos correspondiam de alguma forma ao Sol e à Lua; o que não sabíamos é o quão intrincados são os círculos. Usando modelos de construção 2D e 3D de ponta, os pesquisadores conseguiram ver a relação precisa entre os Grandes Círculos e os céus. Parece que os Grandes Círculos não estavam apenas alinhados com vários arranjos diferentes do Sol e da Lua, mas também com a paisagem e o horizonte e os movimentos do sol e da lua nessa área.

O calendário maia mais antigo

Em 2012, uma escavação das ruínas de Xultun, no século IX, na Guatemala, descobriu um muro em ruínas com um mural. Quando o mural foi examinado, descobriu-se que uma sala, parcialmente exposta por saqueadores, exibia numerais, pinturas figurativas e, o mais importante, glifos lunares. A presença de glifos lunares sugeria que as paredes estavam relacionadas à astronomia de alguma forma.

Os maias eram conhecidos por registrar meticulosamente informações astronômicas, então os pesquisadores começaram a investigar a teoria. Depois de decodificar os glifos e os números, as paredes foram encontradas com o mais antigo calendário maia já descoberto. As tabelas numéricas de Xultun mostram quão extenso era o conhecimento maia de astronomia: eles criaram seu próprio sistema de medição de tempo com base nos movimentos lunares, e alguns gráficos sugerem que eles observaram e estudaram movimentos planetários, como os ciclos lunares de Júpiter.

Petra celestial

Petra foi a capital da civilização dos nabateus, que existia desde o século III a.C. até o primeiro século d.C. Petra era, entre muitas coisas, um movimentado centro comercial, um ponto de encontro religioso e uma cidade construída especificamente para divindades celestes. Os nabateus adoravam o Sol, e a maioria das estruturas construídas em Petra corresponde especificamente a ele. De fato, em certas épocas do ano, como o solstício de inverno, muitos dos edifícios importantes eram brilhantemente iluminados pelos raios do sol.

O solstício de inverno teve grande importância para os nabateus, pois eles acreditavam que ele marcou o nascimento de seu deus principal, Dushara. Em seu mosteiro, Ad Deir, o pódio sagrado tem o efeito de criar uma espécie de show de luzes e sombras durante o solstício de inverno. A extrema dedicação que os nabateus tiveram para construir sua cidade em completa harmonia com os corpos celestes faz dela uma das proezas mais impressionantes do homem na Terra.

CONTINUAR LENDO