A primeira pessoa a ser curada do HIV faleceu de câncer

0
269
Timothy Ray Brown em 2012. Créditos: TJ Kirkpatrick / Getty Images via Agence France-Presse.

Por Patrick Galey
Publicado na ScienceAlert

A primeira pessoa a ser curada do HIV, Timothy Ray Brown – conhecido como o “Paciente de Berlim” – morreu de câncer, anunciou na quarta-feira a Sociedade Internacional de AIDS (IAS).

Brown fez história na medicina e se tornou um símbolo de esperança para dezenas de milhões de pessoas que conviviam com o vírus que causa a AIDS quando ele foi curado, há mais de uma década.

Ele estava lidando com uma recorrência de leucemia há vários meses e recebeu cuidados paliativos em sua casa em Palm Springs, Califórnia (EUA).

“Em nome de todos os seus membros… a IAS envia suas condolências ao parceiro de Timothy, Tim, e sua família e amigos”, disse o presidente da IAS, Adeeba Kamarulzaman.

“Devemos a Timothy e seu médico, Gero Hutter, uma enorme gratidão por abrir a porta para os cientistas explorarem o conceito de que a cura para o HIV é possível”.

Brown foi diagnosticado com HIV enquanto estudava em Berlim em 1995. Uma década depois, ele foi diagnosticado com leucemia, um câncer que afeta o sangue e a medula óssea.

Para tratar sua leucemia, seu médico da Universidade Livre de Berlim usou um transplante de células-tronco de um doador que tinha uma mutação genética rara que lhe concedeu uma resistência natural ao HIV, na esperança de eliminar ambas as doenças.

Foram necessários dois procedimentos dolorosos e perigosos, mas foi um sucesso: em 2008, Brown foi declarado livre das duas doenças e foi inicialmente apelidado de “o paciente de Berlim” em uma conferência médica para preservar seu anonimato.

Dois anos depois, ele decidiu quebrar o silêncio e se tornar uma figura pública, dando palestras e entrevistas e começando sua própria fundação.

“Sou a prova viva de que pode haver cura para a AIDS”, disse ele à Agence France-Presse em 2012. “É maravilhoso estar curado do HIV”.

‘Campeão’

Dez anos após a cura de Brown, um segundo paciente com HIV – apelidado de “o Paciente de Londres” – revelou estar em remissão 19 meses após passar por um procedimento semelhante.

O paciente, Adam Castillejo, está atualmente livre do HIV. Em agosto, foi relatado que uma mulher da Califórnia não tinha vestígios do HIV, apesar de não usar tratamento antiretroviral.

Acredita-se que ela seja a primeira pessoa a ser curada do HIV sem passar pelo arriscado tratamento da medula óssea.

Sharon Lewin, presidente eleita da IAS e diretora do Instituto Doherty em Melbourne, Austrália, elogiou Brown como um “campeão e defensor” de uma cura para o HIV.

“É a esperança da comunidade científica que um dia possamos honrar seu legado com uma estratégia segura, econômica e amplamente acessível para alcançar a remissão do HIV e a cura usando edição de genes ou técnicas que aumentam o controle imunológico”, disse ela.