A Revolução Científica Chinesa

A forma que a China - país que mais cresce no mundo - vem lidando com ciência e tecnologia.

0
1751
Créditos: Agência Espacial Chinesa.

A China está super-expandindo sua ciência.

De construção dos maiores experimentos que o mundo já viu até os mais recentes avanços na medicina em escala massiva, e empurrando as fronteiras da exploração dos oceanos profundos para o espaço sideral – as ambições da China são imensas.

Algumas décadas atrás, a China mal se destacou no ranking científico mundial. Agora, em termos de investimentos em pesquisas e artigos científicos publicados, estão apenas atrás dos Estados Unidos – por enquanto.

Mas apesar desse rápido progresso, a China enfrenta uma série de desafios.

Aqui mostramos cinco projetos-chave científicos que ilustram bem sua enorme força, bem como algumas de suas fraquezas, que entretanto podem ajudar a questão de saber se a China pode se tornar a líder global em pesquisas.

26_05_2016_03_32_18

  • Maior Rádio-Telescópio do Mundo

Aninhado em uma vasta cratera natural, o gigante da China está prestes a “nascer”.

Colossal, íngreme e curvado “prato” refletido na luz solar, cercado de montanhas irregulares que cortam os céus. Os trabalhadores dessa magnífica construção estão ocupados dando o retoque final em sua estrutura, parecem tão pequenos comparado à esse enorme pano de fundo. Esse é o maior radio-telescópio já construído pelo homem, medindo 500 metros de diâmetro, apelidado de Fast.

700-8x9a5207-mr_4llovop

“Na China, em astronomia, nós estamos muito atrás do mundo” diz o professor Peng Bo, Vice-Diretor do projeto do telescópio. “Estamos habituados a ir para o exterior, para usar telescópios fora da China, eu acho que é hora de criar algo aqui.”

fastSituado na província de Guizhou, no Sudoeste do país, Fast supera os outros radio-telescópios. O ex- recordista foi o Observatório Aricebo , em Porto Rico, com um diâmetro de 305 metros.

O telescópio Lovell em Jodrell Bank, no norte da Inglaterra mede 76 metros de diâmetro.

Isso não é simplesmente uma demonstração de superioridade – maior é realmente melhor quando se trata de radioastronomia.

Enquanto alguns telescópios, como o Telescópio Espacial Hubble, usam a luz para ver o Universo observável, um telescópio de rádio é mais como uma orelha gigante “ouvindo” ondas de rádio emitidas por objetos no espaço profundo .

Como a luz, ondas de rádio são uma forma de radiação eletromagnética – mas que têm comprimentos de onda extremamente longos, variando de cerca de um milímetro a mais de 100km de comprimento .

E justamente porque estes sinais cósmicos viajaram grandes distâncias no espaço, eles também são incrivelmente fracos.

É por isso que os radio-telescópios precisam ser grande – quanto maior for o disco, mais sinais ele pode coletar .

trab. rtO novo telescópio da China é tão grande que a equipe espera ele vai captar as ondas de rádio dos “confins” do universo.

O telescópio vai procurar por sinais antigos de hidrogênio – um dos blocos de construção do início do Universo – para tentar entender como o cosmos evoluiu.

Ele também irá estar à procura de novas estrelas – em particular um tipo que rotaciona rapidamente e é extremamente densa, chamada um pulsar – e ele vai até mesmo juntar-se a busca por vida extraterrestre.

“A busca por vida extraterrestre é um tema muito popular para cada telescópio – e também para o público. Eu acho que o Fast pode fazer uma contribuição”, diz Peng.

26_05_2016_04_26_59Levaram 10 anos de “procrastinação” através de imagens de satélite da zona rural chinesa para encontrar uma depressão natural grande o suficiente para caber o telescópio dentro.

Mas a construção foi realizada em tempo recorde – pouco mais de cinco anos , e está quase completa.

O disco é feito a partir de 4.450 painéis triangulares que foram cuidadosamente postos no lugar.

trabEmbora a estrutura na sua totalidade é grande demais para se mover, cada um dos painéis pode ser ajustado. Isso significa que a superfície do telescópio pode ser re-angular para permitir que os cientistas estudem as partes do céu que eles escolherem.

profO homem que idealizou este projeto ambicioso, Prof Nan Rendong do Observatório Astronômico Nacional da Academia Chinesa de Ciências, diz que o telescópio tem sido o maior desafio de sua carreira.

“Guizhou é uma província em desenvolvimento e nosso local é remoto, em uma área pobre da zona rural”, explica ele.

O professor também afirmou: “Todas as peças pesadas da estrutura, tivemos que transportar de uma área industrial, milhares de quilômetros de distância, em todos eles, [quilômetros] terríveis estradas sinuosas”.

Às vezes, os problemas pareciam insuperáveis, diz ele, e, às vezes, ele queria desistir. “No final, porém, encontramos um caminho.”

Nos tempos antigos, a China foi um líder mundial em ciência, famosa por quatro grandes invenções – a bússola, fabricação de papel, impressão e pólvora. Mas ao longo dos séculos, dinastias colocaram mais foco sobre as artes, o progresso estagnou.

E na década de 1960, na “confusão” da Revolução Cultural, as coisas ficaram ainda pior. Muitos intelectuais e acadêmicos foram forçados a se mudar para o campo,e a maioria das pesquisas científicas chegaram a um impasse.

Mas projetos como o telescópio FAST, são símbolos poderosos de um renascimento científico. Em 2013, os gastos com pesquisa e desenvolvimento da China ultrapassou a Europa e está definido para superar os EUA em 2020.

Uma avaliação recente da revista Nature revelou que, em termos de número de artigos [científicos] que estão sendo publicadas, a China agora ocupa o segundo lugar do mundo, atrás apenas dos EUA.

charlotte liu

“Eu acho que na China, parece haver um senso de urgência. Há uma sensação de que nos últimos 100 anos, perdemos várias oportunidades, porque não estávamos fazendo pesquisas”, diz Charlotte Liu, diretora-gerente na China ao editor de ciência, Springer Nature.

“E agora há esta oportunidade de ouro em termos de financiamento, em termos de reconhecimento da sociedade, e do papel que pode ser desempenhado pela ciência.”

Mas para aqueles que vivem na “sombra” do Fast, o telescópio está trazendo mudanças indesejáveis.

26_05_2016_11_30_56Aldeias localizadas dentro de 5 km do telescópio estarão sujeitas a uma zona quieta de rádio, isto é, sem poder sintonizar a qualquer outra coisa. Alguns relatórios sugeriram que milhares de pessoas podem ser afetadas.

Qualquer coisa que possa interferir com o telescópio, como telefones celulares ou redes Wi-fi, será banida, e, embora o governo tenha oferecido uma compensação para aqueles que querem sair do local, alguns estão infelizes com a situação.

Uma mulher disse que vai ser muito difícil viver aqui, então ela vai estar se mudando em breve.

Um homem diz que ao mesmo tempo que ele apoia o projeto, ele está descontente com a compensação a ser oferecida. Não é dinheiro suficiente para ir para a cidade, ele diz, então ele decidiu ficar pelo local, por enquanto.

26_05_2016_11_39_41Os cientistas dizem que percebem que as pessoas estão tendo que fazer sacrifícios, mas eles esperam que o telescópio vai ajudar a área.

“Isso vai atrair um grande número de cientistas e turistas, e é também um modelo muito bom para a educação, para as próximas gerações, e para a indústria chinesa”, diz Nan Rendong.

O projeto está atualmente no prazo, pronto para a conclusão em setembro.

Uma vez o telescópio ligado, veremos se ele pode ajudar a China a recuperar sua coroa na ciência.

Córneas de porco

  • Transplante de Córneas Suínas

Dentro de um cavernoso e iluminado abrigo, fileiras e fileiras de suínos fungando e se embaralhando em torno de seus currais. Carne de porco é um grande negócio na China, e esta fazenda na província de Guangdong, no sul do país tem 2.000 porcos.

Estes animais são criados pela sua carne – mas agora há um novo uso para as partes de suínos, que não são destinadas à mesa de jantar.

Uma vez que os porcos estão mortos, as suas córneas – as finas películas transparentes, que cobrem a parte frontal do olho – são removidos de alguns deles e postas de lado, para ser transplantadas em seres humanos.

Há poucas horas de distância dessa província, há o mais antigo, e maior, hospital de olhos – o Centro Oftalmológico de Zhongshan. A China é responsável por um quinto das pessoas cegas do mundo: cerca de oito milhões de pessoas, mas isso devido a sua população ser enorme, com aproximadamente 1,4 bilhão.
Como o Dr. Yuan Jin sabe o que se passa redor da ala de enfermaria, ele diz que a doença da córnea é responsável por entre 3,5 e 5 milhões desses casos de cegueira, aproximadamente a metade de todos os casos existentes na China.

Lesão ou infecção da córnea, se não tratada, pode levar à perda de visão – e para muitos, a única esperança é um transplante. Mas a lista de espera é extremamente longa.

Uma vez que a principal fonte de órgãos na China foi de prisioneiros executados. Mas no ano passado, o governo parou esta prática controversa, e em vez disso começou a encorajar as pessoas a se inscrever para doar suas córneas após a morte.

Dr yuang jinPoucos, no entanto, estão dispostas a fazê-lo. Yuan explica: “Na China, as pessoas têm opiniões tradicionais. Eles não gostam da ideia de doar suas córneas. Esta é a principal razão pela qual podemos realizar apenas 5.000 transplantes de córnea por ano”.

Mas hoje ele está examinando os olhos dos pacientes que receberam córneas de suínos.

O governo chinês deu o sinal verde para este procedimento experimental no ano passado, e cerca de 200 operações já foram realizadas.

salvoCinquenta e oito anos de idade, Wu Pinggui é um dos mais recentes receptores.

Uma de suas córneas foram infectadas após um inseto voar em seu olho. “Eu não cuidei da lesão e ela piorou”, ele disse. “Meus olhos ficaram vermelhos, inchados e dolorosos.”

Eventualmente, ele perdeu a visão nesse olho – e, posteriormente, perdeu o emprego como guarda de segurança. Agora, 24 horas após a cirurgia, sua visão está retornando.

Pergunto-lhe se ele estava surpreso a ser oferecido córnea de um animal. “Eu não estava muito surpreso, eu confiava a decisão do médico”, diz ele.

Apenas há 35 anos atrás, a cidade de Shenzhen era uma vila de pescadores. Hoje ela foi transformada em um HUB para a inovação, e da Medicina Regenerativa Internacional da China (CRMI), a empresa que desenvolveu o novo procedimento de córnea, tem o seu laboratório aqui.
1920-8x9a4702-mr_5yf3mnc“Nós tentamos muitos animais – cabras, cães, porcos e vacas,” diz o Dr. Shao Zhengkang, executivo-chefe da empresa, explicando que foram necessários 10 anos de pesquisa. Finalmente encontramos a estrutura de córneas de suínos é muito semelhante a um ser humano “.

Dentro do laboratório existem frascos cheios com córneas que foram removidos a partir dos porcos. Eles são branco leitoso e glutinosos – e precisa se submeter a um processo chamado descelularização: essencialmente as células de suíno são retiradas, removendo o DNA do animal, suas proteínas e lípidos.

Tudo o que poderia causar o corpo do paciente à rejeição do tecido, tem de ser removido. Todos os vírus e as bactérias também são inativadas, para evitar quaisquer doenças que atravessam a partir dos animais em seres humanos.

Apenas a forma básica, o “andaime” de colágeno da córnea é deixado para trás. Uma vez transplantadas, é então “repovoada” com células humanas do paciente. Shao mostra o produto final: a córnea se parece com uma lente de contato.

CRMI investou cerca de 1 Bilhão de Renminbi, Moeda Chinesa (Cerca de R$ 540 Milhões) desenvolvendo o método, mas Shao admite: o tratamento ainda está em um estágio inicial.

córneas

“É muito diferente do tratamento tradicional. É um método totalmente novo. Então, é preciso tempo para apresentar aos hospitais, doentes e para a sociedade “, diz ele.

A empresa diz que a taxa de sucesso para as operações é acima de 90% – aproximadamente a mesma taxa alcançada com transplantes humanos. Mas alguns acreditam que a China está se movendo muito rapidamente, sem avaliar os riscos – ou a ética.

Transplante de animais para humanos é apenas uma área onde a China está se indo para o pesquisas controversas. Os trabalhos sobre células-tronco, clonagem e edição de genes de embriões, também estão fazendo “barulhos” na comunidade científica internacional.
CRMI“Eu acho que algumas pessoas têm a visão de que a China está em uma fronteira na ciência, e, portanto, há um monte de ambição e apetite para explorar a tecnologia mais recente”, diz Charlotte Liu para Springer Nature.

“E, portanto, nesse contexto, o tempo e o esforço necessário para debater, discutir e compreender plenamente as consequências antes de embarcar em algo que provavelmente não está totalmente lá.”

Mas ela diz – crescentemente analisada por outros pesquisadores ao redor do mundo – parecer estar mudando isso.

pos operação“A ciência moderna ainda é relativamente jovem na China”, ela argumenta. “E a cultura de fazer ciência e ética só precisa de tempo para desenvolver e crescer.”

Pós-operatório: No hospital, check-up de Wu Pinggui tem corrido bem. Seu olho ainda está um pouco vermelho, mas o processo de cura começou.

Ele diz que isso fará uma grande diferença para a sua vida – e ele espera que, quando ele estiver bem melhor, ele vai ser capaz de encontrar um novo emprego.

1920-the-experiment-hall-in-mr

  • A Caça de Partículas

“Debruçado em um carrinho elétrico, desço no subsolo. eu acelero ao longo de um túnel que foi escavado sob uma rocha, indo cada vez mais fundo debaixo de uma montanha. A rocha é de granito – é muito difícil. Há 300m disso acima de nós, e que nos protege dos raios cósmicos “, explica o físico Prof Cao Jun.

Cao JunNeste experimento subterrâneo, em Daya Bay, no sul da China, os cientistas estão estudando algumas das partículas mais estranhas no cosmos – neutrinos.

Neutrinos são gerados por reações nucleares -desde fusão de estrelas, até centrais nucleares aqui na Terra – e são uma das partículas mais abundantes no Universo.

Trilhões de neutrinos passam por nós a cada segundo, mas não podemos senti-los ou vê-los – eles não têm carga e quase não têm massa. Eles foram descritos como sendo o mais perto de “nada” que podemos chegar.

Mas mais estranho do que tudo isso é a maneira neutrinos estão mudando constantemente. Como eles viajam através do universo, eles alternam entre três formas diferentes – ou “sabores”, como os cientistas costumam falar.

É como atirar uma banana através do ar, e vê-lo transformar-se em uma laranja, depois em uma maçã e, em seguida, em uma banana novamente. Nenhuma outra partícula faz isso, não que conhecemos.

26_05_2016_13_07_18Mas o experimento Daya Bay é um dos poucos em todo o mundo que podem ajudar os cientistas a entender este comportamento estranho. É olhando para um fluxo constante e estável de neutrinos gerados por uma usina nuclear nas proximidades.

Subterrânea, na extremidade do túnel, se alcançar o coração do experimento.

Uma série de detectores de partículas enormes foi instalado aqui, e eles podem detectar as ocasiões muito raras que os neutrinos chocar partículas regulares.

Os detectores estão localizados em posições diferentes, alguns, a vários quilômetros de distância, por isso, vendo como essas colisões de neutrinos diferem de um detector para o outro mais próximo, os cientistas podem mapear como as partículas mudar à medida que eles viajam.

“Todos os dias estamos detectando milhares de neutrinos. São tempos de ouro – é muito emocionante para a física de neutrinos”, diz Cao Jun

Em particular, a equipe foi capaz de calcular com maior precisão do que nunca a probabilidade de um neutrino se “transformar” de uma forma para outra. Seus resultados têm mesmo sugerido que pode haver um quarto tipo de  neutrino misterioso – embora isso ainda tem que ser confirmado.

O trabalho aqui tem sido tão bem sucedido, que no ano passado ele ganhou um Prêmio Breakthrough – um prêmio internacional de alto valor. “Não é nada mal, considerando que a China só começou realmente a investir neste campo na década de 1980”, Disse ele.

Núcleo detector particulas“Agora nós estamos começando a ver os resultados”, diz o professor Wang Yifang, que, como o diretor do Instituto de Física de Altas Energias da Academia Chinesa de Ciências, supervisiona esta pesquisa.

Como muitos cientistas da China, Wang passou um tempo trabalhando no exterior, na Itália e nos EUA. Ele costumou ser um dos raros casos que os cientistas que deixaram o país, voltaram, mas agora essa fuga de cérebros está sendo revertida.

“Eu acho que com mais e mais investimentos do governo e mais e mais oportunidades, eu acho que haverão mais pessoas voltando”, diz Wang.

E os cientistas que retornam estão ajudando a criar laços com outros países. Wang diz que se a ciência chinesa  progredir, eles precisa trabalhar em colaboração.

particles“Acho que para todas as pesquisas, a colaboração internacional é sempre muito importante”, diz ele. “Se eles são menos abertos a uma comunidade internacional, eu acho que eles têm menos chance de ser o líder.”

Charlotte Liu da Springer Nature faz questão de relacionar sobre os benefícios da abertura científica. Uma pesquisa realizada pela revista Nature (uma das estável de publicações da Springer Nature) sugere que alguns cientistas chineses estão relutantes em compartilhar seus resultados com a ampla comunidade científica, mas essa abordagem é anti-produtiva, ela argumenta.

“Nós defendemos a abertura na ciência e na partilha de dados”, diz Liu.” E, na verdade, por ser aberto, a eficácia da investigação para chegar a soluções, ou terapias, ou novos produtos poderia ser muito, muito maior.”

A pesquisa da Nature também descobriu que os cientistas chineses estão sob pressão para publicar um número crescente de artigos científicos – e que um fracasso em fazer isso poderia ter um impacto sobre o financiamento. Wang Yifang argumenta que há demasiada ênfase na quantidade de artigos.

“Muitas dessas publicações não são realmente de muita alta qualidade – pelo menos de alta qualidade – por isso, a quantidade realmente não diz que você é o melhor. Então, eu ainda acho que há um longo caminho a percorrer. “

26_05_2016_13_27_42No laboratório de neutrinos subterrâneo, a equipe já está se preparando para ir mais longe. Cao Jun diz-me que o trabalho já começou em uma enorme experiência de seguimento.

“Isso é muito maior. Aqui, em cada detector temos 20 toneladas de material para detectar neutrinos. No novo experimento teremos 20.000 toneladas, um aumento de 1.000 vezes”

E assim como a China construiu o maior telescópio de rádio, seus cientistas estão considerando quebrar outro recorde, desta vez no campo da física de partículas – com uma versão ainda maior do Grande Colisor de Hádrons (LHC) do CERN.

“É um bom momento para os cientistas na China agora”, diz Cao.
1920-8x9a5447-lr

  • Corrida ao Profundo

Em um estaleiro de algumas horas ao sul de Xangai “música está tocando, leões chineses estão dançando e balões gigantes estão chicoteando com o vento.”

Uma multidão se reuniu para assistir novo navio de investigação científica da China entrar na água pela primeira vez. E depois que garrafa de champanhe obrigatória for esmagada, as amarras são cortadas e a embarcação de 100m de comprimento entra na água.

Este navio, equipado com laboratórios à bordo e o mais recente kit científico, acabará por explorar os oceanos do mundo.

Mas também vai ajudar a China a mergulhar sob as ondas: ele servirá como uma rampa de lançamento para submarinos que podem mergulhar para as partes mais profundas do oceano.

1920-8x9a5456-mr_0l2afin“Nós sabemos muito menos sobre os oceanos profundos do que sabemos sobre a superfície da Lua e de Marte. É por isso que queremos desenvolver a facilidade para os cientistas do oceano para chegar aos mares profundos “, diz o professor Cui Weicheng.

Ele [Cui Wincheng] é o decano da ciência do mar profundo na Universidade Oceânica de Shangai, mas ele também criou uma empresa privada chamada Rainbow Fish, que construiu o novo navio de investigação e está ocupado desenvolvendo os submersíveis.

submarinoUm de seus submarinos não tripulados atingiu uma profundidade de 4.000m na sua mais recente tentativa.

Mas o objetivo final da Rainbow Fish é a exploração tripulada e planeja levar os seres humanos até o fundo do oceano – a Fossa das Marianas, no Pacífico, a uma profundidade de 11,000m!

Cui mostra em através de um modelo em tamanho real do submarino que espera fazer o mergulho em 2019. É vermelho brilhante, cerca de 10m de comprimento e tem um design aerodinâmico.

Ele explica que há espaço no interior para uma tripulação de três, que será protegido por uma esfera de metal de alta espessura.

No momento, estamos na fase de concepção, por isso estamos testando vários materiais extrema-alta resistência para ele. “

Ela terá de suportar pressões imensas do peso esmagador de água acima. Se houver quaisquer fraquezas do submarino vai implodir, e tudo vai por água abaixo, literalmente.

26_05_2016_13_58_57O oceano profundo é um lugar poucas pessoas já experimentaram em primeira mão.

O primeiro mergulho para a Fossa das Marianas foi realizado em 1960 pelo tenente da marinha americana Don Walsh, e pelo engenheiro suíço Jacques Piccard. Seu navio, o Bathyscaphe Trieste, rangia na descida, tendo essa duração de quase cinco horas.

A única outra expedição tripulada foi realizada pelo diretor de Hollywood James Cameron, que deu um mergulho solo em um submarino verde brilhante em 2012.

Rainbow Fish quer que o seu submarino seja o próximo. Mas o governo chinês também está explorando o profunda. Seu submarino tripulado Jiaolong – desenhado por Cui antes dele montar a sua nova empresa – já fez mais de 100 mergulhos, atingindo uma profundidade impressionante de 7.062m.

Agora, o governo chinês também está planejando um novo navio que será capaz de explorar as trincheiras mais profundas. Ele reitera que a finalidade é puramente científica.

A China está envolvida em linhas territoriais no Mar da China do Sul, e tem uma crescente presença militar lá. Alguns temem que a tecnologia marinha pode ser usado para fazer avançar o seu controle das águas em disputa.

anemona fossas marianaA equipe Rainbow Fish insiste que seu empreendimento não tem nada a ver com política e que está olhando para colaborar com cientistas americanos, russos e europeus. É, no entanto, uma operação comercial.

A empresa planeja cobrar as pessoas a usar o seu navio de pesquisa e submarinos, e tem como alvo três grupos, diz o diretor Dr. Wu Xin.

“O primeiro é, definitivamente, os cientistas que estão interessados ​​em estudar a ciência de alto mar e tecnologia. O segundo grupo é de empresas “offshore” e empresas de petróleo. O último é turistas e aventureiros, que querem ir para baixo-se a ter um olhar para o que está acontecendo lá “, diz ele.

Este tipo de abordagem empreendedora pode ser um novo modelo para a ciência na China. Cui Weicheng diz estar se afastando de investigação financiada pelo Estado pode fornecer mais liberdade. projetos financiados pelo governo pode ser burocrático e lento, diz ele.

“Eu acho que o nosso governo não encontrou o método certo para gerenciar grandes programas científicos que permitem que pesquisadores chineses possam se concentrar em suas pesquisas. Eles precisam repensar sobre isso quando eles estão tomando decisões sobre a direção da reforma científica”.

Investigação do mar profundo é uma tarefa de difícil atividade, de alto risco – e muito do oceano permanece inexplorado. Mas Cui, que espera ser a primeira pessoa chinesa a alcançar a Fossa das Marianas, acredita que a China poderia ser a nação para abrir verdadeiramente esta fronteira final.

open space

  • Espaço Aberto, e Além!

No museu de ciência e tecnologia de Pequim, crianças estão correndo, escalando dentro de um modelo de uma estação espacial, tendo robôs exploradores em miniatura para um “test drive” e até mesmo têm uma chance com um giroscópio rodando.

“O espaço é divertido e muito legal”, um pequeno menino diz. É lhe perguntado sobre suas ambições, e ele faz uma pausa por um momento antes de decidir que sim, ele gostaria muito de ir para o espaço e se tornar um astronauta chinês – ou taikonaut – quando ele crescer.

O programa espacial chinês tem certamente capturou a imaginação aqui, e há um sentimento de orgulho nacional em realizações do país.

china1970A era espacial da China começou em 24 de abril de 1970. Um satélite pesado, esférico, chamado Dongfanghong 1 – O Oriente é Vermelho – partiu para o espaço, transmitindo uma música exaltando as virtudes de Mao.

Nas décadas que se seguiram, com lançamentos de mais sondas, sondas e taikonauts, o país tem vindo a estabelecer-se rapidamente como uma potência espacial. Mas por muitos anos, seu progresso tem sido mantido em segredo.

Embora muitas das agências espaciais do mundo, como a NASA, ESA e a Roscosmos, são organizações civis, o programa espacial da China é liderado pelos militares. Mas há sinais de que ela está começando a se abrir.

Em seu escritório em Pequim, Prof Wu Weiren gira um grande globo da Lua. Ele é o designer-chefe do programa lunar da China, que em 2013 desembarcou a primeira sonda na Lua por quase 40 anos.

Ele orgulhosamente aponta para o local onde o robô espacial Yutu foi estabelecido, que é marcado no mundo por uma bandeira chinesa.

“Os chineses são bastante modestos e introvertidos. Antes de realizar algo, nós não falamos sobre isso. E depois, nós não falamos muito também “, diz Wu com um sorriso no rosto.

Mas nesta entrevista – a sua primeira com um jornalista estrangeiro – ele está tomando claramente uma abordagem diferente. Ele diz que seu trabalho é de muito alta pressão.

Yutu“Nossos programas espaciais têm uma ênfase em caso de sucesso”, explica ele.

“Não é como, a pesquisa básica comum, que poderia tolerar falhas. Se falharmos, a influência sobre isso seria negativa. Todos os principais designers e principais diretores estão muito estressados. Essa é uma das razões que faz as publicidades serem tão importantes.

Ele me fala sobre novo programa de exploração da China, que inclui um retorno à Lua.
Existem planos para uma missão de amostra-retorno, onde algumas rochas lunares serão capturadas e trazidas de volta à Terra, e também uma visita para o lado mais distante da Lua, que está prevista para 2018.

“A União Soviética e os EUA desembarcaram várias vezes na Lua, mas ambos desembarcaram na parte da frente (Lado virado para a Terra), não do outro lado”, diz Wu. “Vai ser bastante desafiador para pousar lá.”

A China também tem seus olhos postos em Marte. Em uma recente conferência de imprensa que anunciou que queria lançar uma missão ao planeta vermelho em 2020.

“Vamos orbitar, pousar uma sonda, e implantar um robô espacial em Marte tudo de uma vez”, diz Wu.

Mas para a China, a exploração tripulada é também uma prioridade. Em 2003, Yang Liwei se tornou o primeiro taikonaut do país. Ele passou 21 horas no espaço e retornou à Terra um herói nacional.

Nove outros se seguiram – e este ano, a China está se preparando para colocar outra tripulação em órbita.

Astronauta chinesMas um lugar que os taikonauts atualmente não podem ir é a Estação Espacial Internacional.

Os EUA disseram que não vai trabalhar com a agência espacial chinesa, porque ela é executada pelos militares – e teme que a partilha de tecnologia poderia resultar em uma violação da segurança nacional dos Estados Unidos.

Wu Weiren diz que a China está disposta a colaborar e está a trabalhar com a Europa e os russos em outros projetos. Mas os EUA continuam num impasse.

“Temos incitado eles muitas vezes para se livrar das restrições que poderiam permitir aos cientistas de ambos os países trabalhem em conjunto na exploração”, diz ele.

A solução da China por agora é construir uma estação espacial própria. Um laboratório espacial protótipo, Tiangong-2, que vai ser lançado este ano, e uma versão maior seguirá num futuro não tão distante.

Considerações:

Isso tudo mostra a determinação da China para permitir que nada poderia entrar em seu caminho. E seu rápido progresso no espaço espelha avanços em muitas áreas da ciência.

Em março, quando o governo anunciou o seu plano de cinco anos no Congresso Nacional do Povo, a palavra inovação foi utilizada dezenas de vezes.

Na próxima fase do seu desenvolvimento a China quer ir de ser uma economia baseada na produção para uma baseada no conhecimento.

O rápido crescimento da economia da China está diminuindo, mas o governo está colocando pesquisas no “coração” de seus planos futuros. Em 2020, o governo quer o seu investimento de incríveis 2,5% do PIB Total para a ciência.

Charlotte Liu da Springer Nature diz que isso é encorajador.

“O governo está muito empenhado em continuar a investir em ciência, mas também para dar à ciência um papel muito importante na próxima década.

“E não é apenas sobre a quantidade de produção científica ou mesmo qualidade, eu acho que há uma ênfase ainda mais forte sobre o impacto da ciência, assim como a ciência vai impulsionar a inovação e crescimento econômico, e como a ciência vai resolver os grandes problemas sociais e problemas ambientais que são confrontados nos próximos 20 anos. “

O país está claramente em um momento decisivo.

O dinheiro foi investido, os cientistas estão voltando, e enormes experimentos estão prestes a serem ativados. Mas ainda há desafios a superar em relação à ética, colaboração, abertura e qualidade da pesquisa.

O mundo está acompanhando para ver onde essa revolução irá em seguida – e se a China pode completar sua transformação em potência científica global.

CONTINUAR LENDO