Abelhas são vistas usando ferramentas na natureza pela primeira vez

0
181
(Créditos: Lessy Sebastian/EyeEm/GettyImages)

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

A abelha asiática (Apis cerana) não está apenas à procura de flores. Em algumas áreas, ela também está em busca de cocô.

Quando ameaçadas por uma espécie de vespa gigante (Vespa soror) – intimamente relacionada à vespa assassina – as abelhas-operárias voam para coletar fezes frescas de animais para espalhar cuidadosamente ao redor da entrada de seu ninho, de acordo com um estudo sobre colmeias no Vietnã.

Ainda não está claro como esse esterco realmente protege a colônia, mas no lugar, parece impedir que as vespas gigantes mastiguem o ninho, impossibilitando o abate em massa.

“Argumentamos que A. cerana forrageia o ninho com fezes de animais porque tem propriedades que repelem este predador mortal da entrada do ninho, fornecendo o primeiro relato de uso de ferramenta por abelhas melíferas e a primeira evidência de que elas procuram sólidos que não são derivados de plantas,” escrevem os pesquisadores.

Os cientistas sabem há vários anos que as abelhas podem aprender a usar ferramentas no laboratório, mas essas habilidades nunca foram observadas em um ambiente natural com matéria não vegetal.

Embora seja verdade que as abelhas coletam materiais de plantas para construir seus ninhos, incluindo néctar, pólen e resina vegetal, isso não é tecnicamente considerado uso de ferramenta (embora alguns cientistas discordem dessa distinção arbitrária).

Tradicionalmente, a definição de uma ferramenta requer que um objeto seja encontrado externamente, antes de ser alterado de alguma forma para lhe dar uma finalidade. Ao pegar esse material recém-arranjado, o animal deve orientar o objeto para torná-lo mais eficaz.

‘Manchas fecais’, ou a mancha de esterco nos ninhos, preenche todas essas quatro categorias e é o primeiro exemplo claro de abelhas usando uma ferramenta na natureza.

Para as abelhas asiáticas, os autores dizem que é uma arma notável em um “portfólio já sofisticado de métodos de defesa” contra um inimigo formidável.

A espécie de vespa gigante, V. soror, é uma das mais comuns no sul da Ásia e uma das principais matadoras de abelhas nativas. Por conta própria, algumas espécies de vespas gigantes podem capturar e matar milhares de abelhas em apenas algumas horas. Em um enxame, às vezes eles podem assumir o controle de um ninho inteiro.

Infelizmente, as vespas gigantes na Ásia não podem ser afugentadas com uma simples ferroada venenosa. Frequentemente, esses predadores são tão grandes e bem protegidos que uma cutucada venenosa de uma abelha-operária não adiantaria muito.

Nós já sabemos que as abelhas têm evoluído um sistema de alarme único contra vespas – onde uma abelha-operária irá retirar-se para seu ninho e avisar os outros com feromônios ao avistar uma vespa.

Isso aciona centenas de membros da colônia para invadir a entrada e cercar o invasor, vibrando o suficiente para se aquecerem para a luta e, por fim, matar a ameaça.

Parece que o uso de cocô na entrada pode ser outra técnica eficaz.

Quando os pesquisadores introduziram vespas gigantes ou seus produtos químicos para marcar o ninho no campo, as abelhas começaram a decorar ou ‘manchar’ a entrada de seu ninho em esterco e outras imundícies. Isso inclui fezes de pássaros e mamíferos, que são cuidadosamente aplicadas ao redor da entrada do ninho, seja como montes ou como pilhas de esterco.

Mesmo depois que os ataques pararam, as abelhas continuaram assim por mais alguns dias.

Além do mais, as abelhas realizavam danças de “emergência” fora da entrada da colmeia quando ameaçadas por uma vespa, e essas danças parecem recrutar outras abelhas para manchar a entrada com quaisquer meios de defesas que possam encontrar na natureza.

Curiosamente, no entanto, isso só acontece se a colônia for atacada pela vespa V. soror, ou se a colônia for apresentada aos produtos químicos relacionados ao ninho daquele predador em particular.

Quando atacada por outro tipo de vespa gigante (V. velutina), menos mortal e menor – que raramente ataca em enxames e geralmente captura abelhas individuais fora do ninho – nenhuma mancha fecal foi observada no ninho de abelha.

Pesquisas futuras precisarão descobrir exatamente como essas manchas de esterco realmente detêm vespas famintas. Essa porquice pode, por exemplo, conter compostos nocivos que repelem os predadores dos ninhos, ou eles podem mascarar os marcadores químicos das vespas gigantes. O que está claro é que o cocô parece funcionar.

Sem procurar esterco fresco e outras imundices, o estudo sugere que as colônias de abelhas asiáticas seriam muito mais suscetíveis a ataques de vespas gigantes no Vietnã.

“Uma colônia com manchas moderadas ou grandes em sua colmeia tinha uma probabilidade reduzida de vespas visitantes pousarem e roerem sua entrada, que era o único ponto de entrada acessível para um ataque”, escrevem os autores.

“Se as vespas pousaram em uma colmeia, manchas moderadas a grandes reduziram significativamente o tempo que as vespas gastavam tentando invadir o ninho, seja pousando perto da entrada ou mastigando-a.”

O estudo foi publicado na PLOS One.