Adorável caranguejo de 100 milhões de anos é o mais antigo já encontrado em âmbar

0
93
Crédito: Lida Xing.

Por Tessa Koumoundouros
Publicado na ScienceAlert

Um minúsculo caranguejo andava por uma floresta, na época dos dinossauros, cuidando de sua própria vida, quando uma gota de gosma de uma árvore escorreu sobre ele. Apesar de resistir bastante – num processo que pode ter amputado sua própria perna em uma tentativa fútil de fuga – a resina pegajosa da árvore endureceu ao redor dele, sepultando-o por quase 100 milhões de anos.

“Quando eu vi pela primeira vez eu não podia acreditar nos meus olhos”, disse o paleontólogo de Harvard Javier Luque. “Este caranguejo espetacular parece tão moderno, como algo que você pode encontrar [na Colúmbia Britânica] andando sobre pedras, mas na verdade é bem antigo e diferente de tudo o que foi visto antes, seja fóssil ou uma espécie viva”.

A micro-TC revelou que o âmbar preservou o caranguejo de 5 milímetros a um nível excepcional – até mesmo protegendo as cerdas delicadas do caranguejo (os ‘pêlos’ dos invertebrados) ao redor de suas peças bucais ligeiramente abertas.

As guelras frágeis e os olhos compostos e complexos ainda estavam intactos para os pesquisadores examinarem, e os vestígios claros de ecdise indicava que o caranguejo ainda estava vivo quando se afogou na resina da árvore. Uma de suas pernas está separada de seu corpo, possivelmente devido à autotomia do membro.

Cretapsara athanata é o fóssil de caranguejo mais completo já descoberto”, disse Luque. Ele e seus colegas deram o nome do caranguejo do Cretáceo se baseando no “espírito imortal das nuvens e águas” da mitologia do sul da Ásia.

“O âmbar é como uma cápsula do tempo que preserva os organismos congelando-os no tempo. Embora a maioria dos fósseis em âmbar sejam animais terrestres – principalmente insetos -, organismos aquáticos como os caranguejos são extremamente raros!” Créditos: Javier Luque (texto) / Lida Xing (foto).

O fóssil foi encontrado em uma província Kachin de Mianmar, uma região agora tristemente envolvida em um conflito sociopolítico. Em reconhecimento e para aumentar a conscientização sobre o papel lamentável que o comércio de fósseis está desempenhando no financiamento do conflito devastador, Luque e colegas declararam que só explorarão fósseis antes de 2017, quando o conflito atual for retomado.

Este âmbar foi legalmente comprado pelo Museu de Âmbar Longyin em 2015. Tecidos de plantas e fezes de inseto dentro dele sugerem o âmbar foi formado no solo ou próximo ao solo da floresta, uma suposição apoiada pela falta de areia e camadas que indicariam que o âmbar encontrou água em algum ponto.

No entanto, a anatomia das guelras incrivelmente preservada do fóssil de caranguejo não mostrou nenhum sinal de adaptação à terra, como o tecido pulmonar que vemos em caranguejos terrestres hoje, então o caranguejo provavelmente era anfíbio, concluiu a equipe. Ele possivelmente viveu em lagos de água doce na floresta, estuários ou migrou do mar como os caranguejos vermelhos da Ilha do Natal.

“Uma das surpresas mais marcantes da nova descoberta de fósseis é a preservação de minúsculas brânquias em 3D, reveladas por meio de varredura de microtomografia computadorizada. Surpreendente! O que podemos aprender com a preservação excepcional deste caranguejo em âmbar?” Crédito: Javier Luque.

Os fósseis de caranguejos remontam a mais de 200 milhões de anos atrás, exibindo uma incrível diversidade de formas desde então. Esta nova descoberta do Cretáceo Inferior (± 99 milhões de anos atrás) tem uma mistura de características evolutivas anteriores e posteriores que indicam que os caranguejos já estavam estabelecidos em ambientes não marinhos naquela época.

“Este caranguejo está nos contando uma história muito interessante sobre a árvore da vida dos caranguejos”, disse Luque. “Há muito entusiasmo sobre a evolução do caranguejo porque a evolução produziu formas semelhantes às do caranguejo, conhecidas como carcinização, muitas vezes de forma independente”.

Impressão artística de Cretapsara athanata. Crédito: Franz.

C. athanata é um dos mais antigos e completos achados pertencentes ao grupo dos caranguejos verdadeiros Brachyura (em oposição aos ‘falsos caranguejos’ como os caranguejos-eremitas) – o mesmo grupo dos caranguejos que ainda vivem hoje. Mas houve um enorme intervalo de 50 milhões de anos entre o momento em que as evidências moleculares e fósseis indicaram que ocorreu a divisão entre os caranguejos marinhos e terrestres/de água doce.

“Cretapsara preenche a lacuna entre a divisão do DNA molecular dos caranguejos não marinhos de seus parentes marinhos (± 130 milhões de anos atrás) e seus fósseis mais antigos conhecidos (± 75-50 milhões de anos atrás)”, explicou Luque no Twitter. Também “nos diz que os caranguejos conquistaram terra e água doce mais de 12 vezes de forma independente”.

A evolução adora brincar com caranguejos.

Esta pesquisa foi publicada na Science Advances.