Finalmente saberemos as origens enigmáticas das antigas múmias descobertas na China

0
54
Mulher naturalmente mumificada do cemitério de Xiaohe. Créditos: Wenying Li / Instituto de Relíquias Culturais e Arqueologia de Xinjiang.

Por Tessa Koumondouros
Publicado na ScienceAlert

Há uma terra deserta no coração da Eurásia, seca o suficiente para mumificar naturalmente restos humanos. Uma descoberta da Idade do Bronze agora revelou as origens secretas das pessoas que antigamente chamavam esta região da China de lar.

A economia do povo Xiaohe, voltada para o gado, e suas aparências distintas há muito tempo colocam questões sobre suas origens. Isso levou à especulação de que eles podem ter sido ancestrais de migrantes.

Os pesquisadores propuseram que eles se originaram dos primeiros fazendeiros que produziam laticínios do sul da Rússia (Afanasievo) ou fazendeiros de oásis da Ásia Central com ligações com o planalto iraniano.

Um fragmento de Tocariano B de um reino budista na borda da Bacia do Tarim.

Mas um novo estudo genômico que incluiu a análise dos primeiros restos humanos descobertos na região, descobriu que o povo Xiaohe se originou de uma antiga população do Pleistoceno de humanos caçadores-coletores que havia desaparecido em grande parte no final da última era glacial.

“Os arqueogeneticistas há anos pesquisam as populações do norte da antiga Eurásia do Holoceno para entender melhor a história genética do interior da Eurásia. Encontramos uma no lugar mais inesperado”, disse o geneticista populacional da Universidade Nacional de Seul, Choongwon Jeong.

bacia do Tarim, onde hoje é a região chinesa de Xinjiang, é um mar seco interior com pequenos oásis e corredores ribeirinhos, alimentada pelo escoamento das altas montanhas isoladas que a cercam. A atividade humana aqui pode ser datada de pelo menos 40.000 anos atrás, e há muito tempo é uma interseção entre o Oriente e o Ocidente – como um ponto ao longo da famosa Rota da Seda.

Centenas de restos mortais humanos, naturalmente mumificados por solos áridos, frios e salgados, foram descobertos nesta bacia desde a década de 1990. Essas pessoas de cabelos castanhos e nariz alongado foram enterradas dentro de caixões únicos, como barcos de cabeça para baixo, em cemitérios.

Vista aérea do cemitério de Xiaohe. Créditos: Wenying Li / Instituto de Relíquias Culturais e Arqueologia de Xinjiang.

Elas estavam acompanhadas por roupas de lã feltrada e tecida, artefatos de bronze, gado, ovelhas, cabras, trigo, cevada, painço e até queijo.

Suas técnicas de cultivo e irrigação sugeriram uma ligação do povo do deserto com o povo do planalto iraniano. Outros suspeitaram que eles vieram da Rússia pela estepe da Eurásia, como seus vizinhos do norte da Bacia da Zungária.

Eles até foram associados ao movimento a leste do grupo indo-europeu de línguas (do qual o inglês eventualmente emergiu), já que os textos budistas da Bacia do Tarim mantêm registros de tocariano, um linhagem agora extinta desta família de línguas.

No entanto, depois de analisar os genomas de 13 indivíduos da Bacia do Tarim (de 2100 a 1700 a.C.) junto com cinco indivíduos dzungaros (de 3.000 a 2800 a.C.), o geneticista Fan Zhang e a equipe da Universidade de Jilin descobriram que nenhuma dessas origens propostas estava correta.

As múmias do Tarim pertencem a um fundo genético isolado de antigas origens asiáticas que podem ser rastreadas desde o início do Holoceno, 9.000 anos atrás, bem antes do surgimento das comunidades agrícolas da Idade do Bronze. Este grupo que antes eram caçadores-coletores provavelmente teve uma distribuição muito mais ampla anteriormente, já que seus traços genéticos são encontrados na Sibéria.

“Apesar de estarem geneticamente isolados, os povos da Idade do Bronze da Bacia do Tarim eram notavelmente cosmopolitas”, explicou a antropóloga Christina Warinner, da Universidade de Harvard. “Eles construíram sua culinária em torno do trigo e laticínios da Ásia Ocidental, milho do Leste Asiático e plantas medicinais como Ephedra da Ásia Central”.

O povo Xiaohe parece ser o ancestral mais direto das populações asiáticas pré-agrícola que conhecemos, disseram os pesquisadores. Seus vizinhos do norte da Bacia da Zungária também parecem ser uma mistura dessa população antiga e também dos migrantes siberianos.

“As chamadas características físicas ocidentais das múmias do Tarim são provavelmente devido à sua conexão com o fundo genético da norte da antiga Eurásia do Pleistoceno”, escreveram os pesquisadores em seu estudo, explicando que o isolamento genético extremo os mantinha diferentes dos grupos vizinhos. Isso aponta “para um papel dos ambientes extremos como uma barreira à migração humana”.

Esta pesquisa foi publicada na Nature.