Afinal, o cérebro humano pode não estar encolhendo

0
52
(Créditos: Urs Flueeler/EyeEm/Getty Images) HUMANOS

Traduzido por Julio Batista
Original de Carly Cassella para o ScienceAlert

Os humanos têm muito orgulho de seus cérebros. Gostamos de pensar que somos uma espécie inteligente e, embora o tamanho não seja tudo, nossas caixolas são algumas das maiores que a natureza tem a oferecer.

A ideia de que nossos cérebros estão encolhendo não é algo que gostamos de considerar. Por mais de quatro décadas, os especialistas ignoraram a hipótese apresentada repetidas vezes por um grupo unido de paleontólogos.

Agora, a hipótese do encolhimento do cérebro está sendo testada mais uma vez, com uma equipe da Universidade de Nevada, Las Vegas (UNLV), EUA, dizendo que ela não resiste a uma análise profunda.

O debate realmente começou no ano passado quando um paper do paleoantropólogo Jeremy DeSilva e seus colegas, baseado em uma comparação de fósseis humanos com padrões evolutivos em colônias de formigas, popularizou a ideia de que o cérebro humano havia encolhido em volume em cerca de quatro bolas de pingue-pongue.

Além do mais, eles alegaram que isso aconteceu apenas 3.000 anos atrás.

Isso é realmente recente em comparação com outras teorias. Alguns cientistas disseram que os cérebros humanos começaram a encolher em algum momento após a última era glacial, que terminou há cerca de 11.700 anos.

O paper de DeSilva posicionou a perda no tamanho do cérebro exatamente na época em que surgiram as sociedades humanas complexas.

Como tal, foi sugerido um cérebro menor desenvolvido porque a informação agora pode ser armazenada por escrito ou distribuída entre outras pessoas em uma comunidade.

Nossos cérebros, em outras palavras, não ficaram mais burros; tornaram-se mais eficientes.

A teoria atraente ganhou atenção mundial, mas nem todos estavam convencidos. E a equipe da UNLV agora afirma ter desmontado toda a ideia.

“Reexaminamos o conjunto de dados de DeSilva et al. e descobrimos que o tamanho do cérebro humano não mudou em 30.000 anos, e provavelmente não em 300.000 anos”, disse o antropólogo da UNLV Brian Villmoare.

“Na verdade, com base neste conjunto de dados, não podemos identificar redução no tamanho do cérebro em humanos modernos em qualquer período de tempo desde as origens de nossa espécie”.

As descobertas são baseadas em uma nova análise de crânios fossilizados, elaborada por Villmoare e seus colegas, que difere do paper de DeSilva em vários aspectos importantes.

De todos os 987 crânios analisados ​​por DeSilva e colegas, apenas 23 realmente vêm do período de tempo crítico para sua hipótese de encolhimento do cérebro. O conjunto de dados no novo estudo é muito mais restrito para evitar distorcer os resultados. Ele se concentra apenas em humanos modernos dos últimos 300.000 anos.

Isso porque os pesquisadores da UNLV não estão convencidos de que todos os quase 10 milhões de anos da história humana primitiva sejam relevantes para um evento que supostamente ocorreu há 3.000 anos.

Mesmo nos últimos 300.000 anos, a maioria dos fósseis humanos incluídos na análise do UNLV foi datada nos últimos 10% da série temporal. Fósseis mais antigos são simplesmente mais difíceis de encontrar.

Para compensar essa comparação desequilibrada, os pesquisadores se concentraram em fósseis de crânio humano dos últimos 30.000 anos especificamente, o que criou uma distribuição mais normal.

Usando os mesmos métodos de DeSilva no conjunto de dados recém-aprimorado, os pesquisadores não encontraram nenhum ponto de mudança significativo no tamanho do crânio humano em ou próximo a 3.000 anos atrás.

“No geral, nossa conclusão é que, dado um conjunto de dados mais apropriado para a questão da pesquisa, o tamanho do cérebro humano tem se mantido notavelmente estável nos últimos 300 mil anos”, escreveram Villmoare e colegas.

“Assim, hipóteses de mudanças recentes não são apoiadas pelas evidências.”

DeSilva e colegas ainda não responderam às críticas recentes, mas há poucas dúvidas de que terão algo a dizer. Em 2021, os autores disseram esperar que outros testassem suas hipóteses.

Eles certamente conseguiram o que desejavam.

O novo estudo foi publicado na Frontiers in Ecology and Evolution.