Alguns animais farão distanciamento social extremo se isso significar manter o grupo seguro

0
80
Créditos: NiseriN / iStock / Getty Images.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

O distanciamento social para impedir a disseminação da COVID-19 pode parecer pouco natural para nós, humanos, mas outros animais intuitivamente fazem algo semelhante, sem a necessidade de regras ou regulamentos para mantê-los sob controle.

Ficar longe dos outros quando está doente é uma consequência natural das doenças nos animais. Mesmo quando os humanos se sentem doentes, os efeitos físicos podem nos confinar às nossas camas e, indiretamente, impedir-nos de encontrar outras pessoas que possamos infectar.

Infelizmente, nossa espécie pode muitas vezes suprimir esse instinto por causa da pressão para trabalhar, estudar ou socializar, colocando nossas comunidades em risco. Infecções assintomáticas do vírus SARS-CoV-2 também pode tornar muito mais difícil de entender quando estamos colocando os outros em perigo.

Uma nova revisão na Science examina como seis animais sociais, incluindo formigas, morcegos, lagostas e abelhas, ativamente evitam ou excluem uns aos outros para impedir que o contágio se espalhe em um grupo – às vezes com grande risco para o indivíduo.

“Olhar para animais não humanos pode nos dizer algo sobre o que temos que fazer como sociedade para que os indivíduos, quando estão doentes, se comportem de uma forma que protejam a si mesmos e à sociedade como um todo”, explicou a bióloga Dana Hawley, da Virginia Tech.

Formigas e cupins são exemplos intrigantes porque às vezes podem enviar sinais de alerta a outros membros em sua comunidade antes mesmo de terem sido infectados de maneira efetiva, cerca de 15 minutos após a exposição a um patógeno.

Quando confrontados com esporos de fungos, por exemplo, algumas espécies de cupins começam a vibrar imediatamente para que seus companheiros de ninho saibam que o lugar precisa ser evitado ou desencadeiam uma limpeza em massa. A última opção, é claro, pode expor outros indivíduos ao seu redor, mas também ajuda a combater a infecção antes que cause muitos danos.

Uma formiga infectada por fungo, por outro lado, pode isolar-se completamente do ninho horas depois de ser exposta. Isso é denominado autoisolamento ativo porque a formiga está mudando seu comportamento diretamente em resposta à sua doença em potencial.

Isso pode parecer altruísta no início, mas como os insetos eussociais como abelhas, formigas e cupins estão intimamente relacionados em suas colônias, seus genes “egoístas” continuam a passar para outros indivíduos se forem bem-sucedidos em sua defesa contra doenças, um conceito conhecido como “imunidade social”.

Os morcegos-vampiros fazem algo semelhante, embora de uma forma mais passiva. Quando os cientistas injetam em morcegos um pequeno pedaço de bactéria gram-negativa, a substância inofensiva desencadeia uma resposta imunológica que faz com que o indivíduo participe de muito menos situações comunitárias, mesmo que ainda receba comida de outros colegas na forma de sangue e mantenha alguns contatos sociais.

“O distanciamento social passivo em morcegos-vampiros é um ‘subproduto’ do comportamento do doente”, disse o biólogo Sebastian Stockmaier, da Universidade do Texas, em Austin (EUA).

“Por exemplo, morcegos-vampiros doentes podem ficar mais letárgicos para que possam desviar energia para uma resposta imunológica pesada. Vimos que essa letargia reduz o contato com os outros indivíduos e que morcegos-vampiros doentes cuidam menos uns dos outros”.

Em outros casos, é o grupo que abandona o doente. Quando um humano está doente, por exemplo, eles tendem a ter um cheiro e uma aparência diferentes, o que pode fazer com que outras pessoas saibam que devem ficar longe.

“Se você está sentado em um avião e alguém próximo a você está tossindo, é menos provável que você queira falar com essa pessoa ou que se aproxime dela no assento”, explica Hawley.

“Há tantas maneiras de alterarmos nosso comportamento para minimizar o risco de doenças e fazemos isso o tempo todo sem pensar, porque está evolutivamente arraigado em nós”.

As lagostas espinhosas do Caribe seguem sinais semelhantes de sua comunidade. Lagostas saudáveis, por exemplo, podem sair proativamente de sua toca se outros indivíduos estiverem mostrando sinais de doença. Esta é uma decisão perigosa e não deve ser tomada levianamente, uma vez que expõe os indivíduos a predadores e à perda da proteção do grupo. Se o vírus for letal o suficiente, entretanto, pode valer a pena.

As abelhas são muito mais brutais em sua resposta a infecções em potencial. Quando o bem maior da colmeia é tudo o que importa, as abelhas saudáveis ​​são conhecidas por forçarem os doentes a se isolarem, às vezes arrastando agressivamente seus colegas para fora do ninho.

“A exclusão forçada não foi demonstrada experimentalmente em mamíferos, embora existam evidências observacionais [em alguns primatas], e a quarentena forçada ocorreu ao longo da história humana e continua sendo uma importante medida de saúde pública contra patógenos como o Ebola e a síndrome respiratória aguda grave (SARS)”, escrevem os autores.

Em surtos históricos de doenças em humanos, é difícil dizer o quanto o autoisolamento é voluntário ou imposto por regras governamentais. Com toda a probabilidade, é provavelmente um pouco dos dois.

Olhando para o reino animal como um todo, no entanto, parece que o autoisolamento, a evitação, a exclusão e o distanciamento social de todo o grupo podem impactar profundamente o grau em que o contágio se espalha.

Sempre haverá desvantagens, os autores admitem, como a perda da toca da lagosta ou do contato com entes queridos, mas as respostas humanas podem pesar os custos e benefícios para decidir a melhor forma de proteger nossa espécie no futuro.

Responder cedo e rapidamente às infecções é fundamental, especialmente para impedir a mutação do patógeno. No entanto, uma vez que esses dias duram cada vez mais, o distanciamento social ainda pode ser importante para salvar vidas no futuro.

Como os autores concluem, “os humanos não estão de forma alguma sozinhos” em seu isolamento social quando se trata de controlar a propagação de doenças.

A revisão foi publicada na Science.