Estas lesmas-do-mar que se autodecapitam podem fazer crescer um novo corpo na velha cabeça

0
88
Crédito: Sayaka Mitoh.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

A regeneração é uma habilidade bastante difundida no reino animal – para aumentar as chances de sobrevivência a longo prazo, você simplesmente não pode ir além da opção de regenerar membros ou órgãos inteiros. Mas essas duas espécies de lesmas-do-mar sacoglossas levam isso ao extremo.

Eles podem se decapitar e, em seguida, regenerar todo um novo corpo do pescoço para baixo, com órgãos funcionais e tudo. Não é nem mesmo uma tática reprodutiva – o corpo descartado eventualmente morre, enquanto a lesma sobrevive com seu novo.

Não está muito claro por que os dois animais – Elysia cf. marginata e E. atroviridis – desenvolveram esse superpoder, mas os biólogos Sayaka Mitoh e Yoichi Yusa, da Universidade Feminina de Nara, no Japão, acreditam que isso pode ajudar a livrar as lesmas de parasitas incômodos que impedem sua reprodução.

Se for esse o caso, seria oficialmente a técnica de controle de parasitas mais dramática e hardcore de que já ouvimos falar.

A descoberta, relatam os pesquisadores, foi acidental. Em seu laboratório, Yusa e seus alunos estudam lesmas-do-mar durante todo o seu ciclo de vida. Mitoh estava trabalhando com os animais um dia quando viu um que havia se autotomizado; isto é, deixou cair parte de seu corpo, como um lagarto deixando cair sua cauda.

Exceto, não era apenas uma cauda. O corpo inteiro havia caído – e a cabeça estava se movendo sozinha.

“Ficamos surpresos ao ver a cabeça se movendo logo após a autotomia”, disse ela. “Pensamos que ela morreria em breve sem um coração e outros órgãos importantes, mas ficamos surpresos novamente ao descobrir que ela regenerou todo o corpo”.

Os pesquisadores começaram a estudar o que estava acontecendo e descobriram um processo surpreendente.

Poucas horas depois da autotomia, as cabeças das jovens lesmas começaram a se alimentar. A ferida no pescoço sarou em poucos dias. O coração começou a se regenerar em uma semana – e em apenas três semanas, a lesma do mar tinha um corpo totalmente novo e intacto. Um indivíduo até fez isso duas vezes.

Da esquerda para a direita: Dia 0, dia 7, dia 14 e dia 22. Créditos: Mitoh & Yusa, Curr. Biol., 2021.

Lesmas mais velhas não pareciam ter a mesma resiliência. Uma vez que seus corpos caíram, eles continuaram a se mover, mas não se alimentaram, morrendo após cerca de 10 dias. Todos os corpos, entretanto, continuaram a se mover sem regenerar uma nova cabeça por um período de alguns meses; seus corações continuaram a bater até começarem a se decompor.

Embora o gatilho para a autotomia das lesmas-do-mar seja desconhecido, existem algumas pistas que sugerem por que elas podem querer crescer novamente seu corpo inteiro.

Em primeiro lugar, todas as lesmas-do-mar que se decapitaram estavam infestadas de parasitas. Quando elas voltaram a crescer seus corpos, as lesmas estavam livres de parasitas. Além disso, nenhuma lesma-do-mar que se autotomizou estava livre de parasitas para começar.

Alguns indivíduos de E. atroviridis capturados na natureza tinham parasitas apenas em partes de seus corpos; nesses casos, as lesmas-do-mar parecem ter se autodigerido e regenerado apenas aquelas partes de seus corpos, liberando assim os parasitas. (Sim, você leu certo.)

Finalmente, a equipe imitou os ataques de predadores para descobrir se – como lagartos, por exemplo – as lesmas-do-mar podem deixar cair uma parte de seu corpo como método de fuga. Não funcionou e as lesmas-do-mar permaneceram intactas.

Como outras espécies podem autotomizar partes de seu corpo como meio de remoção de parasitas, neste estágio a interpretação dos pesquisadores parece a mais provável.

Enquanto isso, a equipe ainda está um pouco confusa sobre como as cabeças das lesmas-do-mar podem permanecer vivas separadas dos corpos que contêm corações e outros órgãos importantes. Eles acham que pode ter algo a ver com a forma como essas lesmas produzem energia.

As lesmas-do-mar sacoglossas comem algas, mas não apenas as digerem e pronto. Seus corpos incorporam os cloroplastos das algas, permitindo que as criaturas façam a fotossíntese – um fenômeno fascinante conhecido como cleptoplastia.

Este roubo é apenas temporário – as lesmas-do-mar têm que repor os cloroplastos comendo mais algas – mas os pesquisadores acham que ser capaz de fotossintetizar por um curto período de tempo pode manter as cabeças vivas por tempo suficiente para regenerar um corpo. Isso também explicaria como os corpos são capazes de se manter em movimento por tanto tempo sem cabeças para alimentá-los.

A estranha autotomia de corpo inteiro do E. cf marginata e do E. atroviridis, portanto, representa uma excelente oportunidade de pesquisa, disseram os pesquisadores.

“Como o corpo separado fica frequentemente ativo por meses, podemos estudar o mecanismo e as funções da cleptoplastia usando órgãos, tecidos ou até células vivas”, disse Mitoh.

“Esses estudos são quase totalmente inexistentes, já que a maioria dos estudos sobre cleptoplastia em sacoglossas é feita em nível genético ou individual”.

A pesquisa foi publicada na Current Biology.