ALMA detecta ingredientes para a vida em torno de estrelas jovens do tipo solar

Créditos: ESO.

Duas equipes de astrônomos utilizaram o poder do ALMA (Atacama Large Millimeter Array), no Chile, para detectar isocianato de metila – uma molécula orgânica complexa pré-biótica – no sistema estelar múltiplo IRAS 16293-2422. A equipe é liderada por Rafael Martín-Doménech, do Centro de Astrobiologia, em Madrid, na Espanha, e Víctor M. Rivilla, do INAF-Observatório Astrofísico de Arcetri, em Florença, na Itália; e o outro por Niels Ligterink, do Observatório de Leiden, nos Países Baixos, e Audrey Coutens, da University College London, no Reino Unido.

“Esse sistema segue nos surpreendendo! Após a descoberta dos açúcares, agora, encontramos isocianato de metila. Essa família de moléculas orgânicas está envolvida na síntese de peptídeos e aminoácidos, que, em forma de proteínas, é a base biológica para a vida como a conhecemos”, explicam Niels Ligterink e Audrey Coutens”.

A capacidade do ALMA permitiu que ambas equipes observassem a molécula em vários comprimentos de onda diferentes e definidas ao longo de todo o espectro de ondas de rádio. Eles encontraram distintas impressões químicas em densas e quentes regiões de gás e poeira em torno de estrelas jovens que estão em seus primeiros estágios de evolução. Cada equipe identificou e isolou assinaturas de isocianato de metila. Em seguida, desenvolveram a pesquisa a partir de modelos químicos computacionais e experimentos laboratoriais para refinar a compreensão da origem da molécula.

IRAS 16293-2422 é um sistema de múltiplas estrelas jovens localizadas a uns 400 anos-luz de distância, em uma grande região de formação estelar chamada Ro Ofiuco, na constelação de Ofiuco (o portador da serpente). Os novos resultados do ALMA mostram que o gás de isocianato de metila fica em torno dessas estrelas jovens.

A Terra e os outros planetas do Sistema Solar, formaram-se a partir do material que sobrou da formação do Sol. Portanto, estudar protoestrelas do tipo solar, pode ajuda os astrônomos a compreender o passado, permitindo-lhes observar condições similares as que conduziram a formação do Sistema Solar há 4,5 bilhões de anos.

O artigo original foi publicado na ESO.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorFóssil mais antigo do Homo sapiens pode reescrever a história de nossa espécie
Próximo artigoO núcleo mais raro reluta em decair
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Fundador do projeto de divulgação científica e filosófica Universo Racionalista. Pós-graduação lato sensu em Ethical Hacking e Cybersecurity do Centro de Inovação VincIT (UNICIV) pela Faculdade Eficaz. Pós-graduação lato sensu em andamento em Data Science pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Especialização em Epidemiology in Public Health Practice pela Johns Hopkins University (Coursera Specialization). Especialização em Fundamentals of Computing Network Security pela University of Colorado System (Coursera Specialization). Especialização em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University (Coursera Specialization). Especialização em andamento em Computational Social Science pela University of California, Davis (Coursera Specialization). Graduação em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca (UNIFRAN). Graduação em andamento em Tecnologia em Radiologia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Editor-chefe do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade. Colaborador da revista cética argentina Pensar, uma publicação da organização internacional Center for Inquiry. Endereço do Currículo Lattes e do Catarse (Doações).