Fóssil mais antigo do Homo sapiens pode reescrever a história de nossa espécie

Restos no Marrocos datados de 315.000 anos atrás remetem as origens da nossa espécie por 100.000 anos e sugere que não evoluímos apenas na África Oriental.

0
1447

Por Ewen Callaway
Publicado na
Nature

Os pesquisadores dizem que encontraram os mais antigo Homo sapiens em um lugar improvável: Marrocos. Em um local arqueológico perto da costa atlântica, foram achados crânio, face e maxilares identificados como sendo dos membros iniciais de nossa espécie datada de cerca de 315,000 anos atrás. Isso indica que H. Sapiens apareceu a mais de 100 mil anos antes do que pensávamos: a maioria dos pesquisadores colocava a origens de nossa espécie na África Oriental há cerca de 200 mil anos.

As descobertas, que foram publicadas em 7 de junho na Nature[1,2], não significam que H. sapiens tenha se originado no norte da África. Em vez disso, eles sugerem que os primeiros membros da espécie evoluíram em todo o continente.

“Até agora, o conhecimento era que nossa espécie provavelmente tinha surgido, de forma bastante rapidamente, em algum lugar do” Jardim do Éden “que se localizava provavelmente na África subsaariana”, diz Jean-Jacques Hublin, autor do estudo e diretor em O Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, Alemanha. Agora, “eu diria que o Jardim do Éden na África é provavelmente a África – e é um grande, grande jardim”. Hublin foi um dos líderes da escavação de dezenas de anos no site marroquino, chamado Jebel Irhoud.

Dentes e ferramentas

Hublin ficou familiarizado com Jebel Irhoud no início da década de 1980, quando foi mostrado um espécime desconcertante de uma mandíbula inferior de uma criança do sítio. Os mineiros descobriram um crânio humano quase completo lá em 1961; As escavações posteriores também encontraram uma caixa craniana, além de ferramentas de pedra sofisticadas e outros sinais de presença humana.

Os ossos “pareciam muito primitivos para ser compreensível, então as pessoas surgiram com ideias estranhas”, diz Hublin. Os pesquisadores acharam que tinham 40 mil anos de idade e propuseram que os neandertais tenham vivido no norte da África.

Mais recentemente, os pesquisadores sugeriram que os seres humanos de Jebel Irhoud eram uma espécie “arcaica” que sobreviveu no norte da África até que os H. sapiens do sul do Sahara os substituísse. A África Oriental é onde a maioria dos cientistas coloca as origens da nossa espécie : Dois dos mais antigos fósseis conhecidos de H. sapiens, 196.000 e 160.000 anos atrás[3,4], provêm da Etiópia, e os estudos de DNA das populações em todo o mundo apontam para uma origem africana há cerca de 200.000 anos[5]

Décadas de longas escavações

Hublin visitou pela primeira vez Jebel Irhoud na década de 1990, apenas para encontrar o sítio enterrado. Ele não teve tempo nem dinheiro para escavar até 2004, depois de ter se juntado à Max Planck Society. Sua equipe alugou um trator e uma escavadeira para remover cerca de 200 metros cúbicos de rocha que bloqueavam o acesso.

Seu objetivo inicial era re-datar do sítio usando métodos mais recentes, mas no final dos anos 2000, a equipe descobriu mais de 20 novos ossos humanos relacionados a pelo menos cinco indivíduos, incluindo um maxilar notavelmente completo, fragmentos de crânio e ferramentas de pedra. Uma equipe liderada pelo cientista arqueológico Daniel Richter e o arqueólogo Shannon McPherron, também do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, dataram do sítio e todos os restos humanos encontraram entre 280.000 e 350.000 anos usando dois métodos diferentes.

A redatação e o tranche de novos ossos humanos convenceram Hublin de que o antigo H. sapiens já morou em Jebel Irhoud. “É um rosto que você poderia cruzar na rua hoje”, diz ele. Os dentes, embora grandes em comparação com os seres humanos de hoje, são melhores para H. sapiens do que para Neanderthals ou outros humanos arcaicos. E os crânios de Jebel Irhoud, alongados em comparação com os H. sapiens anteriores, sugerem que os cérebros desses indivíduos foram organizados de forma diferente.

Uma reconstrução facial de fragmentos de um crânio inicial de Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud, Marrocos.

Isso oferece pistas sobre a evolução da linhagem de H. sapiens nos humanos anatomicamente modernos de hoje. Hublin sugere que humanos anatômicos modernos podem ter adquirido seus rostos característicos antes que as mudanças na forma do cérebro tenham ocorrido. Além disso, a mistura de características vistas nos restos de Jebel Irhoud e outros fósseis semelhantes H. sapiens de outros países da África apontam para uma gênese diversa para nossa espécie e levanta dúvidas sobre uma origem exclusivamente africana do leste.

“O que pensamos é que há 300.000 anos atrás, houve uma dispersão de nossa espécie, ou pelo menos a versão mais primitiva de nossa espécie, em toda a África”, diz Hublin. Por volta desta época, o Sahara era verde e cheio de lagos e rios. Os animais que percorriam a savana da África Oriental, incluindo gazelas, gnus e leões, também moravam perto de Jebel Irhoud, sugerindo que esses ambientes já estavam ligados.

Evidência genômica

Uma origem anterior para H. sapiens é ainda apoiada por um estudo de DNA antigo,postado no servidor BioRxiv em 5 de junho[6]. Os pesquisadores liderados por Mattias Jakobsson, na Universidade de Uppsala, na Suécia, sequenciaram o genoma de um menino que vivia na África do Sul há cerca de 2.000 anos, apenas o segundo genoma antigo da África subsaariana a ser sequenciado. Eles determinaram que seus antepassados na linhagem de H. sapiens se separaram daqueles de outras populações africanas atuais há mais de 260 mil anos.

Hublin diz que sua equipe tentou e não conseguiu obter DNA dos ossos de Jebel Irhoud. Uma análise genômica poderia ter estabelecido claramente se os restos moram na linhagem que leva a humanos modernos.

O paleontólogo Jeffrey Schwartz, da Universidade de Pittsburgh, Pensilvânia, diz que as novas descobertas são importantes, mas ele não está convencido de que elas sejam consideradas H. sapiens. Muitos fósseis de aparência diferente foram agrupados sob a espécie, complicando os esforços para interpretar novos fósseis e criar cenários sobre como, quando e onde surgiram nossas espécies, ele pensa.

“O homo sapiens, apesar de ser tão conhecido, era uma espécie sem um passado até agora”, diz María Martínon-Torres, paleontóloga do University College de Londres, notando a escassez de fósseis ligados às origens humanas na África. Mas a falta de características, diz ela, que definem nossas espécies, como um queixo e uma testa proeminentes, convença-a de que os restos em Jebel Irhoud não deve ser considerado H. sapiens.

Vanguarda da evolução

Chris Stringer, um paleontropólogo do Museu de História Natural de Londres, que co-autor de um artigo da New & views que acompanha os estudos, diz que ficou confuso com os restos de Jebel Irhoud quando os viu pela primeira vez no início da década de 1970. Ele sabia que eles não eram Neandertais, mas eles pareciam muito jovens e primitivos, para ser H. sapiens. Mas com as datas mais antigas e os novos ossos, Stringer concorda que os ossos de Jebel Irhoud estão firmemente na linhagem H. sapiens. “Eles mudam Marrocos de um suposto remanso na evolução de nossa espécie para uma posição proeminente”, acrescenta.

Para Hublin, que nasceu na vizinha Argélia e fugiu aos oito anos de idade, quando a sua guerra de independência começou, retornar ao norte da África para um sítio que o cativou durante décadas foi uma experiência emocionante. “Sinto que tenho um relacionamento pessoal com este sitio”, diz ele.“Não posso dizer que fechamos um capítulo, mas chegamos a uma conclusão tão surpreendente depois dessa longa jornada. Simplesmente impressionante”.

Referências

[1] Hublin, J. et al,New fossils from Jebel Irhoud, Morocco and the pan-African origin of Homo sapiens.Nature 546, 289–292 (2017).
[2] Richter, D. et al.The age of the hominin fossils from Jebel Irhoud, Morocco, and the origins of the Middle Stone Age.Nature 546, 293–296 (2017)
[3] McDougall, I., Brown, F. H. & Fleagle, J. G.Stratigraphic placement and age of modern humans from Kibish, Ethiopia. Nature 433, 733–736 (2005).
[4] White, T. D. et al. Pleistocene Homo sapiens from Middle Awash, Ethiopia. Nature 423, 742–747 (2003).
[5] Cann, R. L., Stoneking, M. & Wilson, A. C. Mitochondrial DNA and human evolution.Nature 325, 31–36 (1987).
[6] Schlebusch, C. et al. Preprint at Ancient genomes from southern Africa pushes modern human divergence beyond 260,000 years ago. (2017).

CONTINUAR LENDO