Anquilossauros lutavam entre si tanto quanto lutavam contra o T. rex

0
145
Zuul crurivastator em batalha. (Créditos: Henry Sharpe)

Traduzido por Julio Batista
Original do Museu Real de Ontário

Cientistas do Museu Real de Ontário (ROM), do Museu Real da Colúmbia Britânica, ambos no Canadá, e do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte, EUA, encontraram novas evidências de como os dinossauros blindados usavam suas icônicas maças nas caudas.

O fóssil excepcional do anquilossauro Zuul crurivastator tem pontas ao longo de seus lados que foram quebradas e reabilitadas enquanto o dinossauro estava vivo – lesões que os cientistas acreditam ter sido causadas por um golpe de uma enorme maça da cauda de outro Zuul. Isso sugere que os anquilossauros tinham um comportamento complexo, possivelmente lutando pelo domínio social e territorial ou até mesmo se envolvendo em uma temporada de “cio” para parceiros. A pesquisa foi publicada na revista Biology Letters.

O dinossauro herbívoro de 76 milhões de anos, parte da coleção de fósseis de vertebrados do Museu Real de Ontário, recebeu o nome do monstro fictício “Zuul” do filme “Caça-Fantasmas” de 1984. Inicialmente, o crânio e a cauda foram liberados da rocha ao redor, mas o corpo ainda estava envolto em 15.900 kgs de arenito. Depois de anos de trabalho, foi revelado que o corpo preservou a maior parte da pele e da armadura óssea em todas as costas e laterais, dando uma visão notável de como era o dinossauro em vida.

O corpo de Zuul estava coberto por placas ósseas de diferentes formas e tamanhos, e as laterais eram particularmente grandes e pontiagudas. Curiosamente, os cientistas notaram que uma série de pontas perto dos quadris em ambos os lados do corpo estavam ausentes, e o osso e a bainha córnea haviam curado muito pouco. O padrão desses ferimentos era mais consistente com o resultado de alguma forma de combate ritualizado, ou duelo com suas maças, e provavelmente não foi causado pelo ataque de um predador como um tiranossauro por conta de onde eles estavam localizados no corpo.

“Estive interessado em como os anquilossauros usaram suas maças nas caudas por anos e esta é uma nova peça realmente emocionante do quebra-cabeça”, disse a principal autora, Dra. Victoria Arbour, curadora de paleontologia no Museu Real da Colúmbia Britânica e ex-bolsista de pós-doutorado do NSERC no Museu Real de Ontário.

“Sabemos que os anquilossauros podiam usar suas maças para desferir golpes muito fortes em um oponente, mas a maioria das pessoas pensava que eles estavam usando suas maças para lutar contra predadores. Em vez disso, anquilossauros como Zuul podem estar lutando entre si.”

Foto dos fósseis de Zuul crurivastator e ilustração com os ferimentos marcados em vermelho. (Créditos: Danielle Dufault, © Museu Real de Ontário)

A cauda de Zuul tinha cerca de três metros de comprimento, com pontas afiadas percorrendo suas laterais. A metade de trás da cauda era rígida e as pontas cercavam enormes bolotas ósseas, criando uma formidável arma parecida com uma maça.

Crânio de Zuul crurivastator. (Créditos: © Museu Real de Ontário)

Zuul crurivastator significa “Zuul, o destruidor de canelas”, uma referência à ideia de que as maças nas caudas eram usadas para esmagar as pernas de tiranossauros bípedes. A nova pesquisa não refuta a ideia de que as maças nas caudas poderiam ser usados ​​em autodefesa contra predadores, mas mostra que as maças nas caudas também teriam funcionado para combate intraespecífico – um fator que provavelmente impulsionou sua evolução. Hoje, armas de animais especializadas, como chifres de veado ou chifres de antílopes, evoluíram para serem usadas principalmente para lutar contra membros da mesma espécie durante batalhas por companheiros ou território.

Ponta afiada ferida e cicatrizada na lateral esquerda de um Zuul. (Créditos: © Museu Real de Ontário)

Anos atrás, Arbor apresentou a ideia de que os anquilossauros poderiam ter batido uns nas laterais dos outros, e que costelas quebradas e curadas poderiam fornecer evidências para apoiar essa ideia. Mas os esqueletos de anquilossauros são extremamente raros, tornando difícil testar essa hipótese. As costas e a cauda completamente preservadas de Zuul, incluindo a pele, permitiram um vislumbre incomum da vida desses incríveis dinossauros blindados.

Ponta afiada ferida e cicatrizada na lateral direita de um Zuul. (Créditos: © Museu Real de Ontário)

“O fato da pele e a armadura estarem preservadas no lugar é como um registro de como Zuul era quando estava vivo. E os ferimentos sofridos por Zuul durante sua vida nos contam como ele pode ter se comportado e interagido com outros animais em seu antigo ambiente”, disse o Dr. David Evans, presidente da Temerty e curador de paleontologia de vertebrados no Museu Real de Ontário.

Ponta afiada intacta na lateral de um Zuul. (Créditos: © Museu Real de Ontário)

O notável esqueleto de Zuul foi encontrado na formação do rio Judith, no norte de Montana, EUA.