Antigos ‘dragões’ foram os primeiros répteis planadores da Terra

Eles usaram suas asas para voar de copa a copa de árvore.

0
164
O antigo réptil "semelhante a um dragão" usava suas asas para planar de árvore em árvore para evitar possíveis predadores. (Créditos: Ilustração de Charlène Letenneur)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Enquanto a maioria dos répteis antigos rastejavam, corriam e saltavam por seus habitats pré-históricos, uma criatura furtiva optou por uma técnica aérea: planar.

O minúsculo Coelurosauravus elivensis usava um par de patagiais – membranas finas que se estendiam do torso aos membros anteriores, formando uma estrutura de asa para viajar de copa a copa de árvore, de acordo com um novo estudo publicado on-line sexta-feira (9 de setembro) no Journal of Vertebrate Paleontology.

Pesquisadores do Museu Nacional de História Natural da França, em Paris, estão chamando o bicho de “o primeiro réptil planador do mundo”, de acordo com um comunicado. Desde que os primeiros fósseis do animal foram descobertos em 1907, os paleontólogos se debruçaram sobre como essa espécie – que mede cerca de 10 centímetros de comprimento, aproximadamente do tamanho de uma mão humana – evoluiu para planar por seu habitat florestal durante o final do Período Permiano (entre 260 milhões e 252 milhões de anos atrás). Mas agora os pesquisadores acham que resolveram o mistério, usando pistas sobre a copa das árvores no antigo ecossistema desse réptil único.

“A imagem resultante é a de uma floresta onde as árvores estão suficientemente espaçadas para que as copas das árvores se sobreponham”, disse o principal autor do estudo, Valentin Buffa, paleontólogo do Centro de Pesquisa em Paleontologia e do Museu Nacional Francês de História Natural. “Isso permitiu que os animais se movessem nas árvores sem precisar descer ao chão onde estão os predadores”, e com o tempo isso poderia ter impulsionado a evolução das adaptações de planadores, disse Buffa à Live Science por e-mail.

C. elivensis era provavelmente um grande alpinista, capaz de subir e descer troncos de árvores com facilidade, e tinha a capacidade de pular e deslizar entre galhos e árvores, evitando que tivesse que descer ainda mais ao chão”, acrescentou.

Os autores do estudo deduziram como o réptil planador se movia reconstruindo seu esqueleto, usando fósseis de três indivíduos que foram coletados ao longo dos anos em vários locais. O mais completo deles, um esqueleto de Madagascar, foi “suficiente para reconstruir quase todo o esqueleto (cerca de 90%) desta espécie”, disse Buffa.

Antes dessa reconstrução, os pesquisadores não tinham certeza sobre a posição exata dos patagiais no corpo do animal. No novo estudo, os autores propuseram que as estruturas semelhantes a asas provavelmente estavam localizadas na parte inferior do tronco, estendendo-se da gastrália – ossos dérmicos localizados entre o esterno e a pelve – ou da musculatura do tronco. Os cientistas determinaram isso com base na posição dos ossos, já que os tecidos moles dos patagiais não foram preservados em nenhum dos espécimes.

Os pesquisadores também compararam a localização proposta dos patagiais de C. elivensis com os de Draco, um gênero de lagartos planadores modernos. Muitas vezes chamados de “dragões voadores”, os lagartos Draco vivem predominantemente nas florestas tropicais do Sudeste Asiático. Os cientistas relataram que o “aparelho planador do C. elivensis ficava mais baixo no abdômen do que em lagartos planadores modernos”, de acordo com o comunicado, e que os patagiais de Draco são apoiados por suas costelas longas e flexíveis.

Os lagartos Draco modernos não estão intimamente relacionados com o antigo C. elivensis, mas os dois provavelmente evoluíram para ter tipos de corpo semelhantes através da evolução convergente, ou quando animais em ambientes semelhantes desenvolvem independentemente traços semelhantes.

Por exemplo, como Draco, C. elivensis ostentava “garras curvas e afiadas” que lhe permitiam agarrar galhos e troncos de árvores durante suas viagens de árvore em árvore – e provavelmente também o tornava um planador mais proficiente.

“Com base no comportamento conhecido de Draco, sugerimos que C. elivensis foi capaz de flexionar seus pulsos para trás e entrelaçar as garras dos dedos entre as escamas no topo de sua asa”, explicou Buffa. “Isso provavelmente permitiu estender a asa e mantê-la aberta mesmo em velocidades mais altas, além de fornecer algum grau de flexibilidade ao mover levemente os braços”.

Além disso, “o comprimento e a curvatura dos patagiais permitem a reconstrução de uma asa muito larga em C. elivensis“, acrescentou. “Isso teria gerado muita sustentação enquanto estivesse no ar, o que provavelmente permitiu que ele deslizasse uma distância significativa”.