Após o maior evento de extinção da Terra, esses animais foram os primeiros a se recuperar

0
86
(Créditos: Henrik Rusi/EyeEm/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

O evento de extinção do Permiano-Triássico, que aconteceu cerca de 252 milhões de anos atrás, é coloquialmente conhecido como a Grande Morte por causa da maneira como destruiu a vida na Terra – quase acabando com ela completamente. É o evento de extinção mais grave da história.

A vida se recuperou no entanto, e novas pesquisas identificam que os comedores de restos depositados como vermes e camarões – animais que se alimentam de matéria orgânica assentada no fundo do oceano – foram os primeiros a se recuperar em termos de números populacionais e biodiversidade.

Os comedores de matéria orgânica suspensa suspensa na água surgiram muito mais tarde, de acordo com uma datação detalhada de rastros e tocas no fundo do mar do sul da China. Esta análise revelou uma riqueza de icnofósseis – fósseis que não são restos de animais reais, mas restos de atividade animal.

Como os oceanos podem ter se parecido antes (A) e depois (B-F) da extinção. (Créditos: X.Feng/Z.-Q.Chen/MJ Benton/Y. Jiang)

“Conseguimos observar vestígios fósseis de 26 seções ao longo de toda a série de eventos, representando 7 milhões de anos cruciais”, disse o paleontólogo Michael Benton, da Universidade de Bristol, no Reino Unido.

“Mostrando detalhes em 400 pontos de amostragem, finalmente reconstruímos os estágios de recuperação de todos os animais, incluindo bentos, nektons, bem como esses animais escavadores de corpo mole no oceano”.

Como os animais de corpo mole não têm esqueletos para deixar para trás, os fósseis de seus rastros são vitais para descobrir como essas criaturas viviam. A equipe de pesquisa também conseguiu incorporar fósseis de corpos em seu estudo para observar como outras espécies começaram a se recuperar assim que os comedores de restos depoistados se estabeleceram.

“Nossos dados de traços fósseis revelam a resiliência dos animais de corpo mole ao alto CO2 e ao aquecimento. Esses engenheiros do ecossistema podem ter desempenhado um papel na recuperação do ecossistema bentônico após severas extinções em massa, potencialmente, por exemplo, desencadeando as inovações evolutivas e ramificações no início do Triássico.”

A equipe analisou quatro métricas diferentes ao medir a recuperação: diversidade (os diferentes tipos de um animal), disparidade (quão variados eram esses diferentes tipos), como o espaço foi usado (utilização do ecoespaço) e como os habitats foram modificados pelo animal (engenharia ecossistêmica).

A vida começou a retornar primeiro nas águas mais profundas. Uma vez que os comedores de restos depositados se recuperaram em grande parte, os comedores de alimentos suspensos, como braquiópodes, briozoários e bivalves – em grande parte sedentários e muitas vezes enraizados no fundo do oceano – seguiram, mas muito mais tarde.

Ainda mais tarde, os corais começaram a voltar. Demorou cerca de 3 milhões de anos para os habitantes de sedimentos de corpo mole voltarem aos níveis pré-extinção.

“Talvez os comedores de restos depositados estivessem fazendo a farra no fundo do mar onde a água estava poluída com lama. A lama agitada significava que os comedores de restos suspensos não podiam se estabelecer adequadamente no fundo do mar, ou a água lamacenta produzida por esses comedores de restos depositados apenas entupiu as estruturas de filtragem de comedores de restos suspensos e os proibiu de se alimentar de forma eficiente”, disse a estudante de pós-graduação em geobiologia Alison Cribb, da Universidade do Sul da Califórnia (EUA).

O evento de extinção do Permiano-Triássico matou cerca de 80 a 90 por cento da vida marinha na Terra, então não é surpresa que a recuperação tenha demorado muito. Ao adicionar registros de vestígios fósseis aos dados ao lado de fósseis de corpos, os cientistas podem obter uma imagem mais completa do que aconteceu a seguir.

Acredita-se que as mudanças climáticas, o aquecimento global, uma queda no oxigênio e o aumento da acidificação dos oceanos sejam os principais fatores por trás da extinção em massa – e é claro que isso significa que as descobertas aqui podem nos ensinar mais sobre o que está acontecendo na era moderna.

Ao entender como certos animais sobreviveram e se recuperaram após a Grande Morte, somos mais capazes de descobrir como essas criaturas podem sobreviver ao atual período de aquecimento pelo qual estamos passando e quais espécies podem ser as mais resistentes.

A pesquisa foi publicada na Science Advances.