Novo estudo revela efeito devastador em ossos de astronautas por viverem no espaço

0
81
Imagem MEV de uma osteoporose. (Créditos: Science Photo Library - Steve Gschmeissner/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Daniel Lawler e Juliette Collen (AFP) para o ScienceAlert

Os astronautas perdem décadas de massa óssea no espaço que muitos não recuperam mesmo depois de um ano de volta à Terra, disseram pesquisadores na quinta-feira, alertando que isso pode ser uma “grande preocupação” para futuras missões a Marte.

Pesquisas anteriores mostraram que os astronautas perdem entre 1 a 2 por cento da densidade óssea para cada mês passado no espaço, pois a falta de gravidade tira a pressão de suas pernas quando se trata de ficar em pé e andar.

Para descobrir como os astronautas se recuperam quando seus pés estão de volta ao chão, um novo estudo escaneou os pulsos e tornozelos de 17 astronautas antes, durante e depois de uma estadia na Estação Espacial Internacional.

A densidade óssea perdida pelos astronautas foi equivalente a quanto eles perderiam em várias décadas se estivessem de volta à Terra, disse o coautor do estudo Steven Boyd, da Universidade de Calgary, no Canadá, e diretor do Instuto McCaig para Saúde Óssea e das Articulações.

Os pesquisadores descobriram que a densidade da tíbia de nove dos astronautas não havia se recuperado totalmente após um ano na Terra – e ainda faltava cerca de uma década de massa óssea perdida.

Os astronautas que fizeram as missões mais longas, que variaram de quatro a sete meses na EEI, tiveram recuperações ainda mais lenta.

“Quanto mais tempo você passa no espaço, mais ossos você perde”, disse Boyd à AFP.

Boyd disse que é uma “grande preocupação” para futuras missões planejadas a Marte, que podem contar com astronautas passando anos no espaço.

“Vai continuar a piorar com o tempo ou não? Não sabemos”, disse ele.

“É possível que atingimos um estado estável depois de um tempo, ou é possível que continuemos a perder osso. Mas não posso imaginar que continuaríamos a perder osso até que não haja mais nada.”

Um estudo de modelagem de 2020 previu que, em um voo espacial de três anos para Marte, 33% dos astronautas estariam em risco de osteoporose.

Boyd disse que algumas respostas podem vir de pesquisas atualmente sendo realizadas em astronautas que passaram pelo menos um ano a bordo da EEI.

Guillemette Gauquelin-Koch, chefe de pesquisa em medicina da agência espacial francesa CNES, disse que a ausência de gravidade no espaço é “a inatividade física mais drástica que existe”.

“Mesmo com duas horas de esporte por dia, é como se você ficasse de cama nas outras 22 horas”, disse o médico, que não fez parte do estudo.

“Não será fácil para a tripulação pisar em solo marciano quando chegarem – é muito incapacitante”.

‘A doença silenciosa’

O novo estudo, que foi publicado na Scientific Reports, também mostrou como o voo espacial altera a estrutura dos próprios ossos.

Boyd disse que se você pensasse nos ossos de um corpo como a Torre Eiffel, seria como se algumas das hastes de metal que sustentam a estrutura estivessem perdidas.

“E quando voltamos à Terra, engrossamos o que resta, mas na verdade não criamos novas hastes”, disse ele.

Alguns exercícios são melhores para reter a massa óssea do que outros, segundo o estudo.

O levantamento terra, também conhecido como deadlift ou peso morto, provou ser significativamente mais eficaz do que correr ou andar de bicicleta, disse, sugerindo exercícios mais pesados ​​para a parte inferior do corpo no futuro.

Mas os astronautas – que estão em boa forma e na faixa dos 40 anos – não tendem a notar a perda óssea drástica, disse Boyd, apontando que a osteoporose equivalente na Terra é conhecida como “a doença silenciosa”.

O astronauta canadense Robert Thirsk, que passou a maior parte do tempo no espaço, disse que para ele os ossos e os músculos levaram mais tempo para se recuperar após o voo espacial.

“Mas um dia após o pouso, me senti confortável novamente como um terráqueo”, disse ele em um comunicado que acompanha a pesquisa.

© Agence France-Presse