As civilizações extraterrestres são tecnologicamente avançadas?

6
164
A representação do artista do objeto interestelar `Oumuamua, cuja forma incomum levantou dúvidas se o objeto poderia ser artificial. Crédito: ESO / M. Kornmesser

Por Abraham Loeb
Publicado na Scientific American

A resposta pode depender da sociologia exoplanetária.

À medida que descobrimos numerosos planetas habitáveis ​​em torno de outras estrelas na Via Láctea, incluindo a estrela mais próxima, Proxima Centauri, não podemos deixar de nos perguntar por que ainda não detectamos evidências para uma civilização alienígena. Como o físico Enrico Fermi perguntou: “Onde está todo mundo?” O primeiro objeto interestelar descoberto no sistema solar, ‘Oumuamua, teve uma forma invulgarmente alongada como seria de esperar de uma sonda alienígena, mas ele não pareceu manobrável e era silencioso demais.

É verdade que um sinal de uma civilização alienígena pode ser sutil ou sofisticado, mas o silêncio decepcionante do céu também pode indicar que as civilizações extraestelares duradouras não usam tecnologias que as tornariam visíveis aos nossos telescópios.

Com base em nossa própria experiência, esperamos que as civilizações muito mais antigas do que as nossas sejam cientificamente experientes e, portanto, tecnologicamente avançadas. Mas também é possível que um estilo de vida mais simples, em vez de prosperidade científica, tenha dominado a paisagem política em outros planetas, levando a antigas civilizações que, no entanto, são tecnicamente primitivas.

A política exoplanetária poderia explicar o paradoxo de Fermi?

A história humana nos permite imaginar a possibilidade de que, sob um cenário político diferente, nosso planeta poderia ter permanecido dominado pelas mentalidades anti-científicas da Idade Média. Tal cenário é imaginável ao longo dos prazos de milhares de anos, embora a probabilidade de prevalecer sobre milhões ou bilhões de anos não seja  clara. Talvez a Terra tenha a sorte de ver a tecnologia surgir (no espírito do romance “Origem” de Dan Brown). Desastres ambientais ou políticos poderiam ter reajustado facilmente o relógio evolutivo.

Ou talvez a vida útil final da civilização na Terra se torne mais curta do que teria sido se os humanos permanecessem tecnologicamente primitivos. A tecnologia traz riscos a longo prazo para nosso futuro sob a forma de mudanças climáticas e guerras não convencionais (nucleares, biológicas ou químicas). Neste caso, as superfícies de outros planetas mostrarão relíquias de civilizações tecnologicamente avançadas que se destruíram em catástrofes auto-infligidas ou civilizações vivas tecnológicas primitivas.

Poderíamos procurar os restos das civilizações tecnológicas de longe. Mas se não detectamos nada através de nossos telescópios, a única maneira de descobrir se as civilizações de longa duração são tecnologicamente primitivas é visitar seus planetas. A astrosociologia pode se tornar uma fronteira de exploração particularmente emocionante à medida que nos aventuramos no espaço.

Os astrônomos tradicionais argumentariam que é muito menos caro observar remotamente planetas distantes do que lançar uma sonda que os visitará. Mas a observação remota só pode detectar civilizações que transmitem sinais eletromagnéticos, alterem a atmosfera do planeta através de poluição industrial ou deixam artefatos na superfície do planeta, como células fotovoltaicas, infra-estrutura industrial, aquecimento artificial ou iluminação artificial. Se os alienígenas não modificam dramaticamente seu habitat natural ou transmitem sinais artificiais, seremos forçados a visitar seus planetas de casa para descobrir sua existência.

As civilizações em outros mundos podem se enquadrar perfeitamente com seu ambiente natural por uma variedade de razões. No mínimo, a camuflagem é uma tática de sobrevivência natural, então as civilizações alienígenas podem preferir parecer indistinguíveis de outras formas de vida, como a vegetação. Pode-se também imaginar uma civilização tão inteligente que mantém deliberadamente um perfil tecnológico discreto para sustentar sua biosfera, mantendo um estilo de vida reminiscente de Henry Thoreau em Walden Pond. A única maneira de encontrar esses extraterrestres seria enviar sondas que visitam seus planetas e reportá-los.

O primeiro projeto financiado significativamente para visitar outro sistema planetário, Breakthrough Starshot, foi inaugurado em 2016. Starshot pretende alcançar as estrelas mais próximas dentro de algumas décadas. Uma vez que mesmo Proxima Centauri eseja a 4.24 anos-luz de distância, isso requer uma tecnologia capaz de acelerar uma espaçonave em pelo menos um quinto da velocidade da luz. O único conceito adequado envolve uma vela leve (à qual a carga útil está presa), empurrada por um poderoso feixe de luz. A desvantagem de atingir uma velocidade tão elevada com este design é que a frenagem perto do planeta-alvo não é viável sem um projetor de luz semelhante lá.

Visitar a superfície de outro planeta, portanto, exige velocidades mais lentas e tempos de viagem mais longos. Por exemplo, foguetes convencionais nos levariam para as estrelas mais próximas dentro de centenas de milhares de anos. Isso ainda pode ser atraente de uma perspectiva teórica, uma vez que esta escala de tempo é dezenas de milhares de vezes menor do que a idade do Universo. Ao longo dos bilhões de anos disponíveis para nossa civilização tecnológica explorar a Via Láctea, poderíamos compilar um censo sociológico de bilhões de exoplanetas. E mesmo que não encontremos tecnologias avançadas que acelerariam nosso próprio desenvolvimento tecnológico, e encontrarmos, por exemplo, civilizações que desenvolvessem uma religião ou política própria, por exemplo, seria fascinante explorar a diversidade cultural e estudar toda a história das sociedades inteligentes da galáxia.

CONTINUAR LENDO

Deixe um comentário

6 Comentários em "As civilizações extraterrestres são tecnologicamente avançadas?"

avatar
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Emanuel Hericlys
Visitante

Um bom artigo, Felipe. Eu só acrescentaria uma palavra no início do texto: possivelmente. Visto que até agora apenas planetas possivelmente habitáveis foram descobertos.

Junior
Visitante

Dahora, só nos resta torcer para não termos nosso primeiro encontro com os Grox, ou com algum fanatico seguidor de Spode.

Laucinélio Gomes de Resende
Visitante

Não seria melhor desenvolver a inteligência terrestre ao invés de gastar uma quantidade exorbitante de dinheiro na procura por inteligências extraterrestres, cujo projeto já tem 58 anos de existência e ainda não há evidência física, como afirmou o biólogo evolucionista Ernst Mayr, 1904/2005 no seu livro “Biologia, Ciência Única”.2009, no capítulo 12. Estamos sozinhos neste vasto universo? Parece-me, com certeza, que a espécie humana está caminhando, a passos largos, para a extinção das espécies. Seria melhor desenvolver a inteligência terrestre para dar continuidade da vida da espécie humana no planeta Terra.

Abel de Carvalho Filho
Visitante

Se eu fosse autor deste texto, me sentiria recompensado pelo comentário de Louis C. Morelli. Mas, colocaria uma apenas duas questões. 1. Se a Terra não tivesse sido atingida pelo asteroide que teria extinto os dinos (um acidente de percurso), como estaria a sua hierarquia orgânica (natural) hoje? 2. Se a Humanidade tratasse as drogas lucidamente, sem preconceitos e sem a repressão sustentada sabidamente pelos “predadores de réplica abstrata nos grandes caninos em suas psiques”, tivesse feito uma investigação científica dos alucinógenos e outros “expansores de consciência”, como seria a realidade hoje?

Louis C. Morelli
Visitante
Felipe, estou impressionado com seu conhecimento e articulação do tema. Fico com a impressão que antes de ser mais um elemento do mindset acadêmico moderno, você e’ antes um buscador sincero da Verdade, mesmo que isto agrida as convicções deste mindset. Se eu estivesse correto nesta analise, voce não perderia a oportunidade de entabular um debate aqui, um desafio a uma diferente e alienada visão de mundo mas que fornece mais “food for thought”. A cada frase sua eu senti uma agressão `a minha visão de mundo, mas antes de reclamar eu apreciei a oportunidade de testar fria e calculadamente… Read more »