Pular para o conteúdo

Astronauta dos EUA precisará se acostumar com a Terra após passar 371 dias no espaço

Astronauta dos EUA precisará se acostumar com a Terra após passar 371 dias no espaço

Depois de passar mais de um ano no espaço, Frank Rubio agora precisa se acostumar com aquela coisa incômoda que os terráqueos chamam de gravidade.

Leia também A maior agência de energia do mundo alerta que combustíveis fósseis devem ser cortados imediatamente

“Caminhar dói um pouco nos primeiros dias, nas solas dos pés e na parte inferior das costas”, disse ele em entrevista coletiva na sexta-feira no Johnson Space Center da NASA em Houston, Texas.

“Acho que há um certo nível de dor que surge com o fato de que a parte inferior das costas agora suporta metade do seu peso.”

Rubio regressou à Terra há duas semanas, depois de passar 371 dias no espaço, tendo decolado em setembro do ano passado a bordo de um foguete russo para o que deveria ser uma missão de rotina de seis meses.

A espaçonave Soyuz que deveria trazê-los de volta foi atracada na Estação Espacial Internacional para ser usada como veículo reserva de emergência. Mas então ocorreu um vazamento de refrigerante em dezembro, provavelmente devido a um micrometeoroide.

Assim, por precaução, a agência espacial russa, Roscosmos, devolveu a nave à Terra.

Enviou outro vazio – o que significava que haveria espaço para Rubio e companhia retornarem, mas teriam que cumprir a missão prevista para a tripulação originalmente destinada a estar naquele segundo navio.

“O fato de passar um ano inteiro confinado foi uma espécie de tortura para mim, porque adoro estar ao ar livre”, disse Rubio.

“Mas isso faz parte da missão. Foi necessária uma pequena mudança mental e dizer: ‘Ei, este é o meu mundo pelos próximos 12 meses e tenho que lidar com isso.'”

Mas a desventura permitiu que este filho de imigrantes salvadorenhos batesse o recorde de maior tempo que um americano passou no espaço, quebrando o recorde de 2022 estabelecido por Mark Vande Hei, de 355 dias consecutivos.

O recorde mundial é do cosmonauta russo Valeri Poliakov, com 437 dias.

“Nos primeiros dias (de volta à Terra), você se desvia para a direita ou para a esquerda enquanto tenta andar em linha reta”, diz ele.

“Sua mente está perfeitamente clara, mas seu corpo simplesmente não responde da maneira que você espera.”

Durante sua estada na ISS, Rubio descobriu outro potencial ao cultivar um tomate.

“Acho que foi o primeiro tomate no espaço”, disse ele.

Colocou-o em “uma bolsinha” e prendeu-o com velcro, mas acabou perdendo a noção.

Rubio passou horas procurando sem sucesso. Pode ter secado e sido confundido com lixo.

Mas “algumas pessoas dirão que provavelmente comi”, brinca.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de Phys.Org