Astrônomos podem ter acabado de detectar um novo magnetar!

0
220
Impressão artística de um magnetar. Crédito: ESA.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

Uma nova descoberta pode em breve aumentar o número total de magnetares confirmados para 25.

Em 3 de junho, uma breve rajada de raios-X perto do plano galáctico chamou a atenção do Burst Alert Telescope (BAT) do Observatório Neil Gehrels Swift. A observação e análise de acompanhamento parecem confirmar que foi emitido por um magnetar até então desconhecido, agora denominado Swift J1555.2-5402.

Dada a quantidade de magnetares que identificamos na Via Láctea, qualquer nova adição tem o potencial de aumentar enormemente nossa compreensão desses objetos misteriosos.

Os magnetares têm sido uma espécie de celebridade cósmica ultimamente. Eles são um tipo muito raro de estrela de nêutrons, que são os núcleos colapsados ​​de estrelas que começaram com massas entre 8 e 30 vezes a do sol.

Quando essas estrelas se transformam em supernovas e explodem seu material externo, seus núcleos colapsam em alguns dos objetos mais densos do Universo – até cerca de duas vezes a massa do Sol, compactados em uma esfera de apenas 20 quilômetros de diâmetro.

Magnetares são tudo isso e muito mais. Como o nome sugere, eles têm um campo magnético insanamente poderoso – cerca de 1.000 vezes mais poderoso do que o de uma estrela de nêutrons normal e um quatrilhão de vezes mais poderoso do que o da Terra.

Essas estrelas são difíceis de detectar, o que as torna difíceis de entender. Apenas 24 magnetares foram confirmados até o momento, com outros seis candidatos pendentes. Isso significa que há muito que não sabemos sobre eles, por exemplo, como eles desenvolveram tais campos magnéticos.

Uma descoberta recente levou magnetares para o centro das atenções: uma dessas estrelas misteriosas foi pega cuspindo um tipo de sinal de rádio poderoso chamado de rajada rápida de rádio que antes só tinha sido detectado em fontes fora da Via Láctea, e cuja proveniência era desconhecida.

Faz sentido – magnetares são feras turbulentas. Enquanto a gravidade tenta manter a estrela unida – uma força interna – o campo magnético é tão poderoso que exerce uma força externa, distorcendo a forma da estrela. Isso leva a uma tensão contínua entre as duas forças, que ocasionalmente produz abalos sísmicos gigantescos e erupções colossais de magnetares.

O Swift J1555.2-5402 revelou sua presença com uma rajada de raios-X. As observações de acompanhamento foram então conduzidas usando o telescópio Neutron star Interior Composition Explorer (NICER) da NASA e o Telescópio de Raios-X Swift, ambos instrumentos espaciais na órbita da Terra.

O Swift identificou uma nova fonte de raios-X nas coordenadas da rajada, e o NICER detectou pulsações coerentes características de um magnetar – “o que confirma que a curta rajada foi de fato emitida por um novo magnetar”, de acordo com uma postagem acompanhada no Astronomers Telegram.

Uma análise completa está, é claro, pendente, e estaremos ansiosos para aprender mais sobre esse objeto recém-descoberto e se ele pode nos dizer algo novo sobre magnetares em geral.