Aves possuem características surpreendentemente parecidas com a de dinossauros antes de eclodirem de seus ovos

0
70
Feto de um periquito. (Créditos: Christopher T. Griffin, Daniel Smith-Paredes, e Bhart-Anjan S. Bhullar)

Traduzido por Julio Batista
Original de Mike McRae para o ScienceAlert

Apesar de sua reputação como dinossauros vivos, os pássaros percorreram um longo caminho desde os dias do T. rex e seus amigos.

Foi-se o rostro cheio de dentes, sendo substituído pelo bico mais familiar a nós. Seus esqueletos se adaptaram ao voo, assim como seus membros anteriores. Até sua pélvis é torcida em uma forma que seus ancestrais mais antigos mal reconheceriam.

Essas mudanças não foram desenvolvimentos espontâneos, nem são absolutas. Por um breve período no início de seu desenvolvimento, de fato, pássaros de todas as variedades desenvolvem uma pélvis que não pareceria deslocada como parte do esqueleto de um dinossauro fossilizado.

Como parte de uma investigação em andamento sobre a maneira como ancestrais comuns de répteis, pássaros e dinossauros evoluíram suas características ao longo das eras, pesquisadores de todos os EUA mapearam o desenvolvimento fetal de esqueletos de crocodilos e aves.

Eles descobriram que a pélvis é um exemplo do que é conhecido como adição terminal – uma característica que começa notavelmente conservada, assemelhando-se a uma estrutura associada a seus ancestrais, antes de se transformar em uma nova forma mais tarde no desenvolvimento de um indivíduo.

“Foi inesperado descobrir que esses estágios iniciais do desenvolvimento das aves se parecem tanto com os quadris de um dinossauro primitivo”, disse Christopher Griffin, biólogo evolutivo da Universidade Yale (EUA) com interesse particular na história dos vertebrados.

“Durante apenas dois dias, o embrião em desenvolvimento muda de uma maneira que reflete como eles mudaram na evolução, passando de um dinossauro primitivo para um pássaro moderno”.

Enterradas no fundo do abdômen, as pélvis de répteis, pássaros e dinossauros não são a primeira coisa que se destaca como quintessencialmente diferente entre esses três ramos da árvore vertebrada.

Ossos pélvicos de répteis, dinossauros e pássaros. (Créditos: Griffin et al., Nature, 2022)

Considerando a distinção de seus métodos de locomoção – do lagarto com os membros espalhados sobre uma rocha, ao passo majestoso de um terópode caçador, ao passo de Mick Jagger de uma galinha – não é difícil imaginar os tipos de mudanças exigidas de seus ossos e músculos.

Os fêmures das aves são mais horizontais do que os de qualquer dinossauro, por exemplo, permitindo que suas pernas carreguem seu movimento.

Para acomodar mudanças em seu estilo de movimento, seu ílio (nossos ossos do quadril) se estende mais em direção ao peito e traseiro, carregando o volume do corpo; seu osso púbico se inclina para trás em vez de para a frente, com os ossos do púbis bem abertos.

Além de todas essas mudanças esqueléticas, ligamentos, músculos e tendões também tiveram que passar por reformulações significativas sem comprometer os movimentos do animal.

Observar a maneira como um organismo em crescimento constrói seu corpo a partir do zero pode fornecer novas perspectivas sobre como a evolução pode redesenhar a estrutura de um ancestral para inovar.

Então, Griffin e sua equipe usaram anticorpos fluorescentes para destacar o desenvolvimento esquelético nos embriões de várias espécies de aves, incluindo galinhas domésticas e periquitos, além de jacarés.

Usando tomografias computadorizadas para construir modelos 3D dos ossos, músculos, nervos e tecidos conjuntivos em crescimento, os pesquisadores mapearam as mudanças na morfologia desde o início do desenvolvimento até a eclosão.

As adaptações de aves do sistema esquelético e muscular pélvico, descobriram eles, apareceram muito mais tarde no desenvolvimento do que o esperado, emergindo de características que pareciam mais em casa no corpo de um dinossauro.

“Cada ave, em seu início de vida, possui essa forma de dinossauro”, disse o paleontólogo de vertebrados de Yale Bhart-Anjan S. Bhullar.

“Então, no último minuto, é como se lembrasse que é um pássaro e precisa da pélvis de um pássaro.”

Encontrar um exemplo de uma adição terminal representativa de toda uma classe de organismos é uma grande descoberta, que anteriormente só havia sido debatida como possível.

Dado o fato de que todos os músculos e ossos dos quadris precisavam evoluir juntos para realizar seu trabalho com eficácia, pode não ser surpreendente descobrir que eles se desenvolvem dessa maneira.

Os pesquisadores acham que pode haver facilmente outros casos de adição terminal que valem a pena procurar em grandes grupos de organismos e podem até ser comuns em grandes transições evolutivas.

Para os entusiastas de dinossauros, é fascinante saber que Jurassic Park está tão perto de nós em um ovo de galinha fecundado.

Esta pesquisa foi publicada na Nature.