Belíssima arte egípcia de 4.600 anos revela um ganso extinto

0
331
Gansos do Meidum. Créditos: Romilio, Journal of Archaeological Science: Reports, 2021.

Por Mike McRae
Publicado na ScienceAlert

Foi descoberto que obras de arte que adornavam as paredes da tumba de um príncipe egípcio por mais de quatro milênios contêm imagens de um pássaro completamente desconhecido para a ciência moderna – até agora.

Embora os arqueólogos estejam observando as representações das aves aquáticas locais desde a descoberta do afresco no sítio de escavação de Meidum em 1871, foi necessária uma investigação taxonômica inteligente de um biólogo evolutivo para ver as aves como realmente eram.

No ano passado, Anthony Romilio, da Universidade de Queensland, na Austrália, olhou mais de perto os seis pássaros representados em uma famosa peça conhecida como Gansos de Meidum, uma pintura de 4.600 anos que os historiadores descrevem como “uma das grandes obras-primas do gênero de animais egípcios”.

Apesar de séculos de análises e do fato de ocupar um lugar na história como o registro mais antigo de pássaros com detalhes suficientes para identificar uma espécie, a identidade precisa da maioria dessas espécies nunca veio à tona.

Agora parece que pode ser porque uma delas não pôde ser encontrada em nenhum livro de ornitologia.

“Aparentemente, ninguém percebeu que retratava uma espécie desconhecida”, disse Romilio.

“A licença artística pode explicar as diferenças com os gansos modernos, mas as obras de arte deste sítio têm representações extremamente realistas de outros pássaros e mamíferos”.

Esses mamíferos incluem representações de cães, bovinos, leopardos e um antílope branco conhecido como adax, todos preservados em detalhes impressionantes dentro das câmaras mortuárias do príncipe Nefermaat I da quarta dinastia e sua esposa, Itet.

Embora muitas das obras de arte tenham sido saqueadas décadas após sua descoberta, o afresco com os gansos foi realocado pelo egiptólogo italiano Luigi Vassalli, garantindo sua conservação.

Agora, no Museu de Antiguidades Egípcias do Cairo, os gansos continuam sendo objeto de intenso debate.

A maioria concorda que dois dos três pássaros voltados para a esquerda são grandes gansos-de-fronte-branca (Anser albifrons), um ganso de tamanho médio ainda encontrado amplamente no hemisfério norte.

Mas a identidade do primeiro e último pássaro da pintura está um pouco debatida, com os zoólogos incapazes de decidir se é um exemplo de um ganso-bravo (A. anser) – o ancestral da maioria dos gansos domésticos – ou um ganso-campestre (A. fabalis).

Depois, há os dois pássaros cinza e vermelhos ligeiramente menores voltados para a direita. Eles têm uma semelhança com gansos-do-pescoço-vermelho (Branta ruficollis), um ganso raro encontrado em toda a Europa Ocidental, mas as opiniões variam sobre se é um caso encerrado ou se a correspondência é aproximada, na melhor das hipóteses.

Tradução da imagem: os gansos do Meidum (Meidum Geese ou Goose, no singular) — ganso-bravo [greylag goose (A. anser)], ganso-campestre [bean goose (A. fabalis)], white-fronted geese (gansos-de-fronte-branca [Anser albifrons]), gansos-do-pescoço-vermelho (red-breasted goose [Branta ruficollis]). Créditos: Romilio, Journal of Archaeological Science: Reports, 2021.

Sem que nenhum vestígio dessa espécie tenha sido descoberto em qualquer sítio de escavação do antigo Egito, a classificação é duvidosa.

Em vez de simplesmente improvisar, entretanto, Romilio usou uma estrutura mais objetiva para comparar treze características visíveis em cada animal de acordo com uma escala de dissimilaridade conhecida como ‘critérios de Tobias’.

“Este é um método altamente eficaz na identificação de espécies – usando medições quantitativas das características marcantes das aves – e fortalece muito o valor da informação para a ciência zoológica e ecológica”, disse Romilio.

De acordo com sua avaliação, a dupla de pássaros contestada é muito diferente dos gansos-de-pescoço-vermelho para ser considerado uma representação próxima o suficiente, mesmo levando em consideração a possibilidade de interpretação artística.

Quanto ao pássaro que as pinturas podem representar, suas plumas grandes do flanco são distintas o suficiente para fazê-las se destacar como relativamente únicas, indicando que é mais do que provável que simplesmente não vemos mais essa espécie por aí.

“Do ponto de vista zoológico, as obras de arte egípcias são a única documentação desse ganso com padrões distintos, que agora parece estar extinto globalmente”, disse Romilio.

O que aconteceu com este ganso em particular é outro mistério que falta resolver.

Encontrar pistas sobre animais extintos e vivos em obras de arte antigas, incluindo pinturas em cavernas com dezenas de milhares de anos, é uma maneira pela qual os biólogos podem rastrear as mudanças na distribuição da vida selvagem e pela qual os ecologistas podem monitorar as mudanças no clima.

Milhares de anos atrás, as partes do norte da África eram muito mais verdes do que são hoje, com sinais de que mesmo a paisagem inóspita do Saara já foi um paraíso para a agricultura.

Os segredos da história dinâmica do Egito ainda podem estar escondidos em meio à sua coleção diversificada de obras de arte, apenas esperando os olhos certos observarem de perto o suficiente.

Esta pesquisa foi publicada no Journal of Archaeological Science: Reports.