Camarões-fada de 100 milhões de anos reproduziam sem sexo, revelam fósseis raros

Fósseis do período cretáceo indicam que a camarão-fada fêmea não precisava de machos.

0
91
Um fóssil de Koonwarrella, a espécie recém-descrita de camarão de água doce que provavelmente se reproduzia assexuadamente. Crédito: Museus de Vitória.

Por Cameron Duke
Publicado na Live Science

Os camarões-fada fêmeas antigos podem ter se dado bem sem os machos. Pesquisadores que estudam fósseis de água doce do período Cretáceo no leito de fósseis de Koonwarra no sul da Austrália descreveram uma nova espécie de camarão de água doce extinto (Koonwarrella peterorum) cujas fêmeas provavelmente se reproduziam sem sexo – um fenômeno conhecido como partenogênese, que é um tipo de reprodução assexuada.

A partenogênese é o desenvolvimento espontâneo de um embrião a partir de um óvulo não fertilizado. Sabe-se que ocorre em plantas e animais, embora seja extremamente raro. Algumas espécies, como lagartos-cauda-de-chicote, se reproduzem exclusivamente por partenogênese, mas algumas espécies que se reproduzem sexualmente também se reproduzem partenogeneticamente, como no caso de dois condores da Califórnia órfãos relatados no Journal of Heredity em 2021.

“Até onde podemos dizer, [a partenogênese] é desconhecida no registro fóssil do camarão-fada”, disse o copesquisador do estudo Thomas Hegna, professor assistente de paleontologia da Universidade Estadual de Nova York (SUNY) em Fredonia, ao Live Science. Embora a partenogênese tenha sido detectada em artêmias modernas, esta é a primeira vez que foi reconhecida em variedades de água doce.

Esta nova espécie foi identificada a partir de 40 fósseis individuais em todo o leito de fósseis de Koonwarra, um sítio paleontológico que data da era Aptiana (125 milhões a 113 milhões de anos atrás) que é rico em fósseis, incluindo penas de dinossauros de linhagem aviária, bem como peixes ósseos e invertebrados como esses camarões de fadas. Os fósseis estão localizados nas coleções paleontológicas do Museu de Melbourne em Vitória, Austrália.

Os fósseis de camarão desenterrados do leito de fósseis de Koonwarra não se parecem muito com o camarão encontrado nos restaurantes de frutos de mar. Em vez disso, eles estão muito mais relacionados ao Artemia salina, que são uma variedade de artêmias. K. peterorum deixou seu legado como marcas escuras de 1 centímetro na rocha sedimentar que sugerem que eles ostentavam corpos alongados com vários conjuntos de pernas, o que faz com que os fósseis se pareçam vagamente com a sombra de uma pequena samambaia ou a cabeça de uma escova de vaso sanitário.

A autora principal do estudo, Emma Van Houte, estudante de graduação da SUNY Fredonia, analisou os fósseis para determinar seu lugar potencial na árvore evolutiva. No entanto, havia um problema: a maioria das espécies de invertebrados é classificada pela morfologia masculina. Isso ocorre porque os machos na maioria dessas espécies têm características muito distintas que são úteis para diferenciá-los de outras espécies.

“Os machos têm essas antenas grandes e aderentes usadas para reprodução sexual, bem como a genitália masculina”, disse Van Houte à Live Science. Nenhum dos 40 espécimes que Van Houte examinou tinha qualquer uma dessas características.

Em vez disso, Van Houte conseguiu identificar claramente bolsas de ovos, o que implica que este era um grupo de camarões exclusivamente feminino que provavelmente se reproduzia assexuadamente. Depois de descartar outras explicações, como o hermafroditismo – quando um indivíduo tem órgãos reprodutores masculinos e femininos – ou a deterioração prematura de características tipicamente masculinas, a única explicação restante era que os camarões eram partenogenéticos.

De acordo com Hegna, uma razão pela qual a produção assexuada é rara é que as espécies que a fazem sempre passam seus genes, sejam eles bons ou ruins, enquanto a reprodução sexual permite que os animais separem genes bons de potencialmente prejudiciais. No entanto, a partenogênese, ele sugere, pode ser vantajosa quando se trata de dispersar para novos locais, como pequenas lagoas isoladas.

Embora o fóssil de camarão-fada no leito de fósseis de Koonwarra possa ser completamente partenogênico, há evidências do camarão-fada moderno de que a reprodução assexuada nesses animais pode existir em um gradiente, observou Hegna.

“Há uma população de camarão-fada na Austrália que pode ser partenogenética”, disse Hegna. Mas a espécie também não é completamente assexuada. “Os machos [nesta espécie] são muito, muito raros. E então pode haver esse gradiente que está ligado à estratégia de dispersão, o que é bem legal”.

Esta pesquisa foi publicada em 28 de março em Alcheringa: An Australasian Journal of Paleontology.