Carl Sagan: vida, obra e legado

1
2045

Por Daniela Breitman
Publicado na Human World

9 de novembro de 1934. Em um dia como hoje, há 82 anos, nascia o astrônomo e divulgador da astronomia, o extraordinário Carl Sagan. A maioria de nós estão familiarizados com o astrônomo americano através de seus livros e da série de televisão Cosmos. Sagan também contribuiu grandemente para o campo da ciência planetária e monumentalmente – talvez imortalmente – para o programa espacial americano.

Carl Edward Sagan nasceu em 9 de Novembro de 1934 em Brooklyn, Nova Iorque. Ele estudou física na Universidade de Chicago e obteve seu doutorado em astronomia e astrofísica em 1960.

Na década de 1960, um dos primeiros trabalhos de Sagan em pesquisa astronômica profissional lançam luz sobre as atmosferas dos planetas do nosso sistema solar. As atmosferas de Marte e Vênus, por exemplo, são bem conhecidas agora e se parecem com a da Terra. Mas nos dias de Sagan, os cientistas ainda estavam tentando entender como é que Marte poderia ser tão frio, enquanto Vênus era tão quente. Sagan confirmou com sucesso que Vênus poderia ser uma fornalha de efeito estufa usando dados de tabelas de engenharia.

Em torno deste mesma época, Sagan tornou-se interessado na busca de inteligência extraterrestre (SETI) e contribuiu muito para isso. Ele provou que os blocos de construção da vida poderiam ser facilmente criados através da exposição de produtos químicos simples à luz UV. Em 1966, ele ajudou IS Shklovskii, astrônomo soviético e astrofísico, a rever e expandir seu livro clássico sobre a vida extraterrestre, Vida Inteligente no Universo.

Em 1971, o cargo de Sagan na Universidade de Harvard foi recusado; alguns especularam que era devido a suas opiniões controversas sobre inteligência extraterrestre. Ele passou a se tornar um professor da Universidade de Cornell em Ithaca, Nova York, onde passou o resto de sua carreira profissional.

Sagan contribuiu poderosamente para o programa espacial dos EUA. Entre outras coisas, ele instruiu os astronautas antes de sua viagem à lua, e ele participou das missões espaciais Mariner, Viking, Galileu e Voyager. Nas missões Viking, por exemplo – duas sondas enviadas para explorar Marte em 1970 – ele indicou as escolhas dos locais de pouso ideais.

Carl Sagan posa com um modelo da sonda Viking em Death Valley, Califórnia. Imagem via NASA.

Mas – além de seus livros e da série de televisão Cosmos – é devido as mensagens de Sagan para o cosmos – colocadas a bordo da primeira nave espacial projetada para deixar o nosso sistema solar, sobre as missões Pioneer e Voyager – que ele é mais lembrado.

A ideia original para as placas da Pionner – um par de chapas de alumínio folheadas a ouro com mensagens da humanidade, colocadas a bordo da nave espacial Pionner 10 de 1972 e Pioneer 11, de 1973 – veio originalmente do jornalista e consultor Eric Burgess. Ele se sugeriu que Sagan fosse o autor das mensagens e a NASA concordou com ele e deu a Sagan três semanas para preparar uma mensagem. Juntamente com o astrônomo Frank Drake, que formulou a famosa equação de Drake (uma forma de estimar o número de civilizações inteligentes em nossa galáxia Via Láctea), Sagan projetou a placa, com obras de arte preparadas por sua esposa na época, Linda Salzman Sagan.

Agora a Pionner e as placas estão viajando a milhares de milhões de milhas da Terra (mas ainda dentro de influência do nosso Sol). Mas, eventualmente, elas vão estar fora da influência do Sol, no reino entre as estrelas.

Pionner
Uma placa Pioneer, que Carl Sagan ajudou a projetar e colocar a bordo das naves 1 e 2 que estão cada vez mais deixando a Terra e seguindo para o espaço interestelar, via Wikimedia Commons.

Mais tarde na mesma década, no final de 1970, Sagan e sua futura segunda esposa, Ann Druyan, contribuíram para a concepção de mais outra mensagem da humanidade para o espaço exterior. As sondas Voyager foram lançadas em 1977, e ambas carregam o que é conhecido como um registro dourado do explorador. Cada Disco de Ouro contém 116 imagens que retratam obras históricas científicas e humanos exercendo atividades rotineiras, além de músicas de artistas como Bach, Mozart, e Chuck Berry bem como um registro de uma hora de duração das ondas cerebrais de Ann Druyan, e saudações em 55 línguas.

Clique aqui para obter uma lista de todo o material sobre os discos de ouro.

Ouça toda a seleção musical dos discos de ouro.

As Voyagers foram lançadas mais tarde, porém viajaram mais rápido do que as sonda Pionner. A Voyager 1 agora está no espaço interestelar. É o objeto mais distante da Terra que é feito pelo homem. Voyager 2 está um pouco mais próxima e ainda está em uma região externa da influência de nosso Sol, conhecida como heliosfera.

Clique aqui para ver onde as sondas Voyager estão, em tempo real.

Durante os anos 1980, Sagan incentivou o desarmamento nuclear e foi um dos cinco autores do conceito de inverno nuclear, que descreve as consequências de uma guerra nuclear. O trabalho mostrou uma vez por todas que, de uma guerra nuclear, ninguém iria ganhar. É difícil estimar a importância deste trabalho para a consciência global, mas é talvez por acaso que a guerra fria não terminou muito tempo depois. Entre outras causas, Carl Sagan apoiou as iniciativas de combate as mudanças climáticas nos anos 80 e 90.

Carl Sagan manteve-se em Cornell até sua morte em 20 de dezembro de 1996 aos 62 anos de pneumonia.

Ao longo de sua vida, Carl Sagan escreveu mais de 600 trabalhos de pesquisa astronômicas profissionais e 20 livros. Ele foi uma inspiração para muitos. Ele inspirou e continua a inspirar muitos jovens cientistas a entrar no caminho da astronomia e comunicação e divulgação astronômica. Ele encorajou a responsabilidade científica, promovendo o desarmamento nuclear. Seu trabalho na extensão universitária encorajou a alfabetização científica, não só entre os americanos, mas entre toda a raça humana. Ele foi muito citável e disse, entre muitas outras coisas maravilhosas:

“Em algum lugar, algo incrível está esperando para ser descoberto”.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorO efeito visão geral
Próximo artigoAborto e a arquitetura da realidade
Felipe Sérvulo
Graduado em Física pela UEPB. Mestre em física com ênfase em Cosmologia pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, etnoastronomia, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico. Artista plástico. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229