Cassini confirma a presença de um oceano global na lua Encélado de Saturno

Esta representação artistíca mostra um oceano atravessando o subsolo completo de Encélado, de acordo com os novos dados da missão Cassini da NASA.Créditos da Imagem: NASA/JPL-Caltech.

Por Lee Billings
Publicado na Scientific American

Os últimos dados da Cassini forneceram uma melhor evidência até agora de que Encélado tem um oceano global estável, não um pequeno mar de curta duração. Em vez de fazer mais estudos sobre o campo gravitacional de Encélado, os pesquisadores utilizaram imagens tiradas durante sete anos da superfície de Encélado para medir sua libração (como a lua oscila a medida que orbita e gira em torno de Saturno). Apesar de leve, o movimento da lua ainda é suficientemente grande para descartar uma crosta congelada sólida sobre um núcleo rochoso. Os resultados foram publicados na revista Icarus.

A melhor estimativa dos pesquisadores é que a oscilação procede do respingo de um oceano global entre 26 e 31 quilômetros de profundidade; um vasto abismo que oferece oportunidades abundantes para o aparecimento e a evolução da vida tal como a conhecemos. Em comparação, os oceanos da Terra têm uma profundidade média de 3,7 quilômetros – embora nosso oceano seja maior, uma vez que ele se estende por uma área maior.

Com a existência de um oceano global atravessando Encélado confirmada, os cientistas planetários estão investigando a procedência exata de todo o calor necessário para manter o oceano dentro da pequena lua. Uma ideia tentadora é que a atração gravitacional de Saturno está gerando muito mais aquecimento nas marés dentro de Encélado do que se pensava; uma possibilidade que poderia implicar nas revisões sobre nossos modelos do interior de Encélado e Saturno. Mediante o estudo sobre as profundezas desta lua gelada, também podemos aumentar os conhecimentos sobre o funcionamento interno do planeta dos anéis.

Além disso, permanece a grande questão de saber se existe algo nadando nas profundezas de Encélado. Cassini está programada para fazer um sobrevoo final pela lua em outubro, recolhendo as colunas de vapor para obter mais pistas a menos de 50 quilômetros da superfície. A missão terminará em 2017 com a queda controlada da nave na atmosfera de Saturno; uma medida cautelosa para evitar qualquer possibilidade de contaminação em Encélado com qualquer micróbio proveniente da Terra.

No momento não há mais visitas planejadas e financiadas para Saturno. Pode demorar algumas décadas até que outra nave espacial viaje de novo ao sistema. Ainda assim, devido a lua ter um oceano estável, em vez de um mar temporário, podemos estar seguros de que, caso optemos em voltar, qualquer tipo de vida oculta em Encélado ainda estará lá, esperando.

CONTINUAR LENDO