Células-tronco produzidas no Brasil podem ajudar no avanço em pesquisas de transtornos mentais

Publicado na EurekAlert!

Liderados pelos Drs. Stevens Rehen, Paulo Mattos e Leonardo Fontenelle, pesquisadores do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e de instituições parceiras desenvolveram novas células-tronco para avançar nos estudos de transtornos mentais como Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e Esquizofrenia. O método, conhecido como reprogramação celular, utiliza células epiteliais colhidas da pele ou urina de pacientes para criar as chamadas células-tronco pluripotentes induzidas (iPS), que por sua capacidade de diferenciação, pode gerar diversos tipos de tecidos do corpo humano, inclusive o cérebro. As células colhidas da urina ainda representam um método mais espontâneo e simples de coleta de células epiteliais de crianças e idosos.

A manipulação direta de neurônios humanos é muito limitada e o desenvolvimento de estratégias alternativas favorece um melhor entendimento de transtornos mentais em nível celular. O procedimento – que colheu células epiteliais obtidas da pele de pacientes com diagnóstico clínico para Esquizofrenia e da urina para os pacientes diagnosticados com TOC e TDAH – dá mais autonomia a pesquisadores, otimizando estudos e novas descobertas.

O próximo passo é, a partir destas células-tronco, criar minicérebros, que permitirão o aprofundamento de estudos das conexões cerebrais durante seu desenvolvimento e, futuramente, a investigação da eficácia de novos medicamentos.

O estudo contou com apoio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro – FAPERJ. As instituições e pesquisadores interessados nas células podem entrar em contato com os pesquisadores para mais informações.

Artigo anteriorPor que os humanos perderam o osso do pênis?
Próximo artigoQuatro novos elementos adicionados à Tabela Periódica
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Fundador do projeto de divulgação científica e filosófica Universo Racionalista. Pós-graduação em Ethical Hacking e Cybersecurity do Centro de Inovação VincIT (UNICIV) pela Faculdade Eficaz. Pós-graduação em andamento em Filosofia pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Especialização em Epidemiology in Public Health Practice pela Johns Hopkins University (Coursera Specialization). Especialização em Fundamentals of Computing Network Security pela University of Colorado System (Coursera Specialization). Especialização em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University (Coursera Specialization). Especialização em andamento em Computational Social Science pela University of California, Davis (Coursera Specialization). Graduação em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca (UNIFRAN). Graduação em andamento em Tecnologia em Radiologia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Editor-chefe do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade. Colaborador da revista cética argentina Pensar, uma publicação da organização internacional Center for Inquiry. Endereço do Currículo Lattes e do Catarse.