Ciborgues e humanos ‘verdadeiros’: o mundo se nossa espécie sobreviver por um milhão de anos

0
317
O Homo Sapiens poderá sobreviver? (Créditos: Julius Kielaitis)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a The Conversation

A maioria das espécies são transitórias. Elas se extinguem, se ramificam em novas espécies ou mudam com o tempo devido a mutações aleatórias e mudanças ambientais. Pode-se esperar que uma espécie típica de mamífero exista por um milhão de anos. Os humanos modernos, Homo sapiens, existem há cerca de 300.000 anos. Então, o que acontecerá se chegarmos a um milhão de anos?

O autor de ficção científica HG Wells foi o primeiro a perceber que os humanos poderiam evoluir para algo muito estranho. Em sua obra de 1883, O Homem Daqui Um Milhão de Anos, ele imaginou o que agora se tornou um clichê: criaturas com cérebros grandes e corpos minúsculos. Mais tarde, ele especulou que os humanos também poderiam se dividir em duas ou mais novas espécies.

Embora os modelos evolutivos de Wells não tenham resistido ao teste do tempo, as três opções básicas que ele considerou ainda são verdadeiras. Poderíamos ser extintos, nos transformar em várias espécies ou mudar drasticamente.

Um ingrediente adicional é que temos biotecnologia que poderia aumentar muito a probabilidade de cada uma delas. Tecnologias futuras previsíveis, como aprimoramento humano (tornando-nos mais inteligentes, mais fortes ou de outras maneiras melhores usando drogas, microchips, genética ou outra tecnologia), emulação cerebral (carregando nossos cérebros em computadores) ou inteligência artificial (IA) podem produzir formas tecnológicas de novas espécies não vistas em biologia.

Inteligência de software e IA

É impossível prever o futuro perfeitamente. Depende de fatores fundamentalmente aleatórios: ideias e ações, bem como limites tecnológicos e biológicos atualmente desconhecidos. Mas é meu trabalho explorar as possibilidades, e acho que o caso mais provável é a vasta “especiação” – quando uma espécie se divide em várias outras.

Há muitos entre nós que desejam melhorar a condição humana – retardar e abolir o envelhecimento, melhorar a inteligência e o humor e mudar nossos corpos – levando potencialmente a novas espécies.

Essas visões, no entanto, deixam muitos indiferentes. É plausível que, mesmo que essas tecnologias se tornem tão baratas e onipresentes quanto os smartphones, algumas pessoas as recusarão por princípio e construirão sua autoimagem de seres humanos “normais”. A longo prazo, devemos esperar que as pessoas mais aprimoradas, geração após geração (ou atualização após atualização), se tornem uma ou mais espécies “pós-humanas” fundamentalmente diferentes – e uma espécie de pessoas que se declaram os “verdadeiros humanos”.

Por meio da emulação cerebral, uma tecnologia especulativa em que se escaneia um cérebro em nível celular e depois se reconstrói uma rede neural equivalente em um computador para criar uma “inteligência de software”, poderíamos ir ainda mais longe. Isso não é mera especiação, é sair do reino animal para o reino mineral, ou melhor, software.

Há muitas razões pelas quais alguns podem querer fazer isso, como aumentar as chances de imortalidade (criando cópias e backups) ou viagens fáceis pela Internet ou rádio no espaço.

A inteligência de software também tem outras vantagens. Pode ser muito eficiente em termos de recursos – um ser virtual só precisa de energia da luz solar e algum material rochoso para fazer microchips. Ele também pode pensar e mudar nas escalas de tempo definidas pela computação, provavelmente milhões de vezes mais rápido que as mentes biológicas. Ele pode evoluir de novas maneiras – só precisa de uma atualização de software.

No entanto, é improvável que a humanidade continue sendo a única espécie inteligente do planeta. A inteligência artificial está avançando rapidamente agora. Embora existam profundas incertezas e discordâncias sobre quando ou se ela se tornará consciente, a inteligência artificial geral (o que significa que ela pode entender ou aprender qualquer problema intelectual como um ser humano, em vez de se especializar em tarefas de nicho) está a caminho e uma fração considerável de especialistas pensa que é possível que ela venha no próximo século ou antes.

Se isso pode acontecer, provavelmente acontecerá. Em algum momento, é provável que tenhamos um planeta onde os humanos foram amplamente substituídos por inteligência de software ou IA – ou alguma combinação dos dois.

Utopia ou distopia?

Eventualmente, parece plausível que a maioria das mentes se torne software. Pesquisas sugerem que os computadores logo se tornarão muito mais eficientes energeticamente do que são agora. As mentes de software também não precisarão comer ou beber, que são formas ineficientes de obter energia, e podem economizar energia executando partes em segundo plano. Isso significa que seremos capazes de obter muito mais mentes artificiais por quilograma de matéria e watts de energia solar do que mentes humanas no futuro distante. E como elas podem evoluir rapidamente, devemos esperar que elas mudem tremendamente ao longo do tempo em relação ao nosso atual estilo de mente.

Os seres físicos têm uma desvantagem distinta em comparação com os softwares, movendo-se no mundo lento e singular da matéria. Ainda assim, eles são autocontidos, ao contrário do software em nuvem que irá evaporar se seu centro de dados for interrompido.

Fazenda Amish. (Créditos: Wikipedia, CC BY-SA)

Humanos “naturais” podem permanecer em sociedades tradicionais muito diferentes daquelas de pessoas de software. Isso não é diferente do povo Amish hoje, cujo estilo de vida humilde ainda é possível (e protegido) pelos Estados Unidos circundantes. Não é certo que as sociedades vizinhas tenham que esmagar sociedades pequenas e primitivas: estabelecemos direitos humanos e proteções legais e algo semelhante pode continuar para humanos “normais”.

Este é um bom futuro? Muito depende de seus valores. Uma vida boa pode envolver ter relações significativas com outras pessoas e viver em um ambiente pacífico e próspero de forma sustentável. Dessa perspectiva, pós-humanos estranhos não são necessários; só precisamos garantir que a pequena vila tranquila possa funcionar (talvez protegida por automação invisível).

Alguns podem valorizar o “projeto humano”, uma cadeia ininterrupta de nossos ancestrais paleolíticos aos nossos eus futuros, mas estar abertos ao progresso. Essas pessoas provavelmente considerariam as pessoas de software e a IA indo longe demais, mas ficariam bem com os humanos evoluindo para novas formas estranhas.

Outros argumentariam que o que importa é a liberdade de auto-expressão e seguir seus objetivos de vida. Eles podem pensar que devemos explorar amplamente o mundo pós-humano e ver o que ele tem a oferecer.

Outros podem valorizar a felicidade, o pensamento ou outras qualidades que diferentes entidades possuem e desejam futuros que os maximizem. Alguns podem estar incertos, argumentando que devemos ter cuidado seguindo todos os caminhos até certo ponto.

Esfera de Dyson?

Aqui está uma previsão para o ano um milhão. Alguns humanos se parecem mais ou menos conosco – mas são menos numerosos do que são agora. Grande parte da superfície é selvagem, tendo se transformado em uma zona de reflorestamento, pois há muito menos necessidade de agricultura e cidades.

O futuro pode ser selvagem. (Créditos: Teo Tarras/Shutterstock)

Aqui e ali surgiriam culturas locais com ecossistemas muito diferentes, cuidadosamente preservados por robôs por razões históricas ou estéticas.

Sob as copas de silício no Saara, trilhões de mentes artificiais fervilham. Os vastos e quentes centros de dados que alimentam essas mentes já ameaçaram superaquecer o planeta. Agora, a maioria orbita o Sol, formando uma estrutura crescente – uma esfera de Dyson – onde cada watt de energia alimenta o pensamento, a consciência, a complexidade e outras coisas estranhas para as quais ainda não temos palavras.

Se os humanos biológicos forem extintos, o motivo mais provável (além das ameaças óbvias e imediatas no momento) é a falta de respeito, tolerância e contratos vinculativos com outras espécies pós-humanas. Talvez uma razão para começarmos a tratar melhor nossas próprias minorias.