Cientistas criaram máquina de leitura da mente capaz de visualizar pensamentos

4
1535
Crédito da Imagem: Stokkete.

Publicado na Science Alert

Se você acha que sua mente é o único local seguro onde você pode guardar seus segredos, pense novamente, porque cientistas estão dando passos reais rumo à leitura do pensamento e à exposição deles em uma tela para que todos o vejam. Um time da Universidade de Oregon construiu um sistema que pode ler o pensamento das pessoas via escaneamento cerebral e, assim, reconstruir as faces que estão sendo construídas em suas cabeças. Os resultados foram tão maravilhosos quanto assustadores.

“Nós podemos pegar a memória de alguém – que é tipicamente algo interno e privado – e ‘colocá-la para fora’ de seus cérebros”, diz um dos pesquisadores, o neurocientista Brice Kuhl, a Brian Resnick, da rede Vox.

Os pesquisadores selecionaram 23 voluntários e fizeram a compilação de um conjunto de 1.000 fotos de rostos de pessoas aleatórios. Os voluntários foram expostos a tais imagens enquanto estiveram ligados a uma máquina de fMRI, que detecta mudanças súbitas no fluxo sanguíneo ao cérebro e, por intermédio disso, mede sua atividade neurológica.

Além disso, também ligaram, à máquina de fMRI, uma programa de inteligência artificial (IA) que lê a atividade cerebral dos participantes enquanto faz uma descrição matemática de cada rosto para o qual o voluntário estava exposto, tudo em tempo real. Os pesquisadores atribuíram 300 números a certas características das faces para ajudar a leitura como um código pela IA.

Quando a IA formou códigos o suficiente, a equipe começou a segunda fase do experimento. Dessa vez, a IA foi ligada apenas a uma máquina de fMRI e teve de adivinhar a fisionomia de um rosto apenas baseando-se na atividade cerebral do participante. Todos rostos mostrados para os participantes, nessa etapa, foram completamente diferentes da rodada anterior.

A máquina conseguiu reconstruir cada face baseada na atividade de duas regiões separadas do cérebro: o giro angular (ANG), que é envolvido em um número de processos relatados a linguagem, processamento numérico, reconhecimento espacial e memórias vívidas, e o córtex occipitotemporal (OTC), que processa estímulos visuais.

O resultado das imagens foi o seguinte:

face-compile

O estudo foi publicado no The Journal of Neuroscience.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorUm diálogo sobre o preconceito de gênero no meio acadêmico
Próximo artigoPor que a exploração espacial representa o melhor para a humanidade
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 18 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para o presente site, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, gosto de publicar no âmbito de minha área (saúde), mas também arrisco em postar textos que contradigam o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me faz ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e/ou universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.