Cientistas estão elaborando planos para interceptar um objeto interestelar

0
145
Concepção artística de 'Oumuamua. (Créditos: M. Kornmesser/OES/NASA)

Traduzido por Julio Batista
Original de Andy Tomaswick para o Universe Today

Finalmente temos os meios tecnológicos para detectar objetos interestelares. Detectamos dois nos últimos anos, ‘Oumuamua2I/Borisov, e sem dúvida há mais por aí.

Como tal, tem havido muito interesse em desenvolver uma missão que possa visitar um assim que o detectarmos. Mas como seria essa missão?

Agora, um rascunho de um paper de uma equipe de cientistas tentou responder a essa pergunta e nos aproximou um passo do lançamento de tal missão.

Parte do que torna uma missão de visitar um objeto interestelar interessante é que os visitantes interestelares são muito estranhos. Borisov se comportou como um cometa típico quando entrou no Sistema Solar, mas ‘Oumuamua era um monstrengo completamente diferente.

Ele nunca desenvolveu uma cauda cometária, como muitos cientistas esperavam. Também exibiu aceleração que não parecia ser explicada por meios radiativos ou outros, levando alguns a afirmar que poderia até ser uma sonda alienígena.

A melhor maneira de combater essas alegações fantasiosas é examiná-las de perto. E para isso, temos que ter uma missão que possa interceptá-lo. Mas primeiro teríamos que observá-lo, e os astrônomos já estão trabalhando nisso.

O Levantamento Legacy do Espaço e do Tempo do Observatório Vera C Rubin (LSST) será capaz de detectar algo entre 1-10 objetos interestelares com aproximadamente o mesmo tamanho de ‘Oumuamua todos os anos, de acordo com os cálculos dos autores.

Isso é muita oportunidade para encontrar o candidato certo. Mas quais critérios esse candidato deve atender?

O mais importante seria: “De onde está vindo?” Embora não haja um “melhor” ângulo para um objeto interestelar (OIS) se aproximar, isso faz diferença com base em onde armazenaremos o “interceptador interestelar” (ISI).

De acordo com o paper, o melhor lugar para isso é provavelmente o ponto de Lagrange Terra-Sol L2. Ele tem mais de uma vantagem – primeiro, há muito pouco combustível necessário para permanecer na estação, e qualquer ISI pode precisar ficar esperando no modo de armazenamento por anos.

Uma vez acionado, ele precisa reagir rapidamente, e outro objeto de L2 poderia ajudá-lo a fazer isso.

O Observatório Espectroscópico no Domínio do Tempo (TSO, na sigla em inglês) da NASA é um telescópio de 1,5 m planejado para se localizar no ponto de Lagrange L2, juntamente com telescópios mais famosos como o Telescópio Espacial James Webb (JWST).

Apesar de toda a sua incrível capacidade de capturar imagens espetaculares, o JWST tem uma fraqueza significativa – é lento. Pode levar de 2 a 5 dias para focar em um objeto específico, tornando-o inútil para rastrear OIS. O TSO, por outro lado, leva apenas alguns minutos.

Poderia ser complementado por outro telescópio, o planejado Inspetor de Objetos Próximos à Terra, destinado a residir no ponto de Lagrange L2 do sistema Terra-Lua.

Quando combinados com o TSO, esses dois telescópios de reação rápida devem ser capazes de capturar imagens de qualquer OIS que entre no Sistema Solar interno que não esteja diretamente em uma trajetória ao longo da linha de base L1-L2.

Uma vez detectado, chegar ao OIS é a próxima tarefa. Alguns, infelizmente, estarão fora do alcance do ponto de vista da mecânica orbital.

Mas os autores calculam que há uma chance de 85% de que um ISI armazenado em L2 seja capaz de encontrar um objeto de interesse do tamanho de ‘Oumuamua dentro de 10 anos.

Então, em essência, uma vez que somos capazes de detectar OIS, é apenas uma questão de esperar pacientemente pela oportunidade certa.

Uma vez que o ISI atinge o OIS, ele pode começar a observação de perto, incluindo um mapa espectroscópico completo de materiais naturais e artificiais, o que pode ajudar a resolver o debate sobre se esses objetos são sondas feitas por alienígenas.

Também poderia monitorar qualquer liberação de gases que pudesse explicar as forças misteriosas que atuam em ‘Oumuamua.

Sem dúvida, há muitas coisas mais interessantes que os cientistas gostariam de entender sobre o primeiro objeto interestelar que iremos visitar.

Mas a partir dos cálculos deste paper, haverá muitas oportunidades para fazer isso e muitos dados para coletar quando o fizermos. Hora de passar para as etapas de planejamento, então!