Cientistas reviveram antigos ‘vírus zumbis’ congelados por eras na Sibéria

0
223
À medida que o mundo esquenta, o pergelissolo está sendo exposto. (Créditos: Tatiana Gasich/iStock/Getty Images Plus)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

À medida que o mundo aquece, vastas extensões de pergelissolo estão derretendo, libertando material que esteve preso nas suas garras geladas durante anos. Isso inclui uma série de micróbios que permaneceram adormecidos por centenas de milênios em alguns casos.

Para estudar os micróbios emergentes, cientistas agora reviveram vários desses “vírus zumbis” do pergelissolo siberiano, incluindo um que se acredita ter quase 50.000 anos – uma idade recorde para um vírus congelado voltando a um estado capaz de infectar outros organismos.

A equipe por trás do trabalho, liderada pelo microbiologista Jean-Marie Alempic, do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica, diz que esses vírus reanimados são potencialmente uma ameaça significativa à saúde pública, e mais estudos precisam ser feitos para avaliar o perigo que esses agentes infecciosos poderiam representar enquanto acordam de seu sono gelado.

“Um quarto do Hemisfério Norte é sustentado por solo permanentemente congelado, conhecido como pergelissolo”, escreveram os pesquisadores em seu paper.

“Devido ao aquecimento climático, o descongelamento irreversível do pergelissolo está liberando matéria orgânica congelada por até um milhão de anos, a maioria dos quais se decompõe em dióxido de carbono e metano, aumentando ainda mais o efeito estufa”.

O vírus da ameba de 48.500 anos é na verdade um dos 13 descritos em um novo estudo atualmente em fase de pré-publicação, com nove deles acreditando ter dezenas de milhares de anos. Os pesquisadores estabeleceram que cada um era distinto de todos os outros vírus conhecidos em termos de genoma.

Enquanto o vírus recorde foi encontrado sob um lago, outros locais de extração incluíram lã de mamute e os intestinos de um lobo siberiano – todos enterrados sob o pergelissolo. Usando culturas vivas de amebas unicelulares, a equipe provou que os vírus ainda tinham potencial para serem patógenos infecciosos.

Também estamos vendo um grande número de bactérias liberadas no meio ambiente à medida que o mundo esquenta, mas, considerando os antibióticos à nossa disposição, pode-se argumentar que eles seriam menos ameaçadores. Um novo vírus – como o SARS-CoV-2 – pode ser muito mais problemático para a saúde pública, especialmente à medida que o Ártico se torna mais populoso.

“A situação seria muito mais desastrosa no caso de doenças vegetais, animais ou humanas causadas pelo ressurgimento de um antigo vírus desconhecido”, escreveram os pesquisadores.

“Portanto, é legítimo ponderar sobre o risco de antigas partículas virais permanecerem infecciosas e voltarem à circulação pelo degelo das antigas camadas de pergelissolo.”

Esta equipe tem histórico de desenterrar diligentemente vírus na Sibéria, com um estudo anterior detalhando a descoberta de um vírus de 30.000 anos. Assim como o novo recordista, aquele também era um pandoravírus, um gigante grande o suficiente para ser visível ao microscópio de luz.

O vírus revivido recebeu o nome de Pandoravirus yedoma, que reconhece seu tamanho e o tipo de solo pergelissolo em que foi encontrado. Os pesquisadores acham que há muito mais vírus para encontrar também, além daqueles que visam apenas amebas.

Muitos dos vírus que serão liberados com o degelo serão completamente desconhecidos para nós – embora resta saber o quão infecciosos esses vírus serão quando expostos à luz, calor e oxigênio do ambiente externo. Todas essas são áreas que poderiam ser investigadas em estudos futuros.

O virologista Eric Delwart, da Universidade da Califórnia, em São Francisco (EUA), concorda que esses vírus gigantes são apenas o começo quando se trata de explorar o que está escondido sob o pergelissolo. Embora Delwart não estivesse envolvido no estudo atual, ele tem muita experiência em ressuscitar vírus de plantas antigas.

“Se os autores estão de fato isolando vírus vivos do antigo pergelissolo, é provável que os vírus de mamíferos ainda menores e mais simples também sobrevivam congelados por eras”, disse Delwart à New Scientist.

A pesquisa ainda não foi revisada por pares, mas está disponível no bioRxiv.