Cloroquina e hidroxicloroquina na COVID-19

O uso desses medicamentos é prematuro e potencialmente prejudicial.

Crédito: Rawpixel.

Por Robin E Ferner
Publicado na The BMJ

O BMJ, em 1925, endossou cautelosamente o tratamento de ouro de Moellgaard para tuberculose¹, embora tenha achado seu raciocínio farmacológico “interessante e instrutivo”². Deveríamos ser igualmente cautelosos quanto aos tratamentos propostos para pessoas infectadas com SARS-CoV-2, o vírus causador da COVID-19. Muitas propostas são baseadas em investigações in vitro, estudos experimentais em animais ou experimentos com intervenções em infecções por outros vírus, sejam semelhantes ao SARS-CoV-2 (por exemplo, SARS-CoV-1) ou não (HIV).

Isso tudo se aplica à cloroquina e à hidroxicloroquina, ambas as 4-aminoquinolinas, que foram sugeridas como possíveis tratamentos para a COVID-19. Atualmente, pelo menos 80 ensaios de cloroquina, hidroxicloroquina ou ambos, às vezes em combinação com outros medicamentos, são registrados em todo o mundo.

A possível atividade das 4-aminoquinolinas na mononucleose infecciosa foi proposta, pela primeira vez, em 1960, antes que sua causa viral fosse conhecida³. Vários ensaios clínicos insatisfatórios se seguiram, alguns com resultados positivos e outros negativos. Em 1967, os autores de um pequeno, mas bem conduzido estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, com cloroquina concluíram que “exceto por medidas de suporte, a mononucleose infecciosa é essencialmente intratável”⁴.

Desde então, muitos estudos mostraram que as 4-aminoquinolinas são ativas in vitro contra uma variedade de vírus. Sua eficácia foi atribuída a diferentes mecanismos. Por exemplo, são bases fracas e aumentam o pH endossômico nas organelas intracelulares do hospedeiro, inibindo a fusão autofagossomo-lisossomo e enzimas inativadoras que os vírus exigem para replicação⁵. Eles também podem afetar a glicosilação da enzima conversora de angiotensina-2, o receptor que SARS-CoV- 2 usa para entrar nas células⁶.

Estudos laboratoriais

Em culturas de células e estudos com animais, os efeitos das 4-aminoquinolinas nos vírus da influenza aviária (H5N1)⁷ ao Zika⁸ foram variáveis. Em células infectadas pelo vírus Epstein-Barr, por exemplo, a cloroquina aumentou a replicação viral⁹. Em um estudo, a cloroquina reduziu a transmissão do vírus Zika para a prole de cinco camundongos infectados¹⁰. A cloroquina inibiu a replicação do vírus Ebola in vitro, mas causou um rápido agravamento da infecção por Ebola em porquinhos-da-índia¹¹ e não fez diferença na mortalidade em camundongos e hamsters¹². Na infecção pelo vírus chikungunya, a cloroquina foi ativa em estudos laboratoriais, mas piorou o curso clínico da infecção em chimpanzés¹³.

A tradução do laboratório à clínica também levou a grandes decepções. Por exemplo, a cloroquina inibiu o vírus da dengue em algumas culturas de células¹⁴, mas falhou em reduzir a doença em um estudo randomizado de 37 pacientes¹⁵. E, embora estudos de laboratório sugerissem atividade contra o vírus da influenza, a cloroquina não preveniu a infecção em um grande estudo randomizado¹⁶. A disparidade entre experimentos laboratoriais e clínicos pode ser em parte devido à farmacocinética complexa das 4-aminoquinolinas¹⁷, dificultando a extrapolação das concentrações nos meios de cultura para as doses em humanos¹⁸.

Métodos e relatórios ruins

A hidroxicloroquina e a cloroquina inibem o SARS-CoV-2 in vitro, e um comentário chinês, mencionando 15 ensaios, relatou que: “Até agora, os resultados com mais de 100 pacientes demonstraram que o fosfato de cloroquina é superior ao tratamento controle na inibição da exacerbação de pneumonia”¹⁹, sem fornecer mais detalhes. Uma conta preliminar de um desses estudos, um estudo randomizado controlado por placebo com duas doses diferentes de hidroxicloroquina em 62 pacientes diagnosticados com pneumonia em exames radiológicos, mas sem hipóxia grave, relatou pequenas melhorias na temperatura corporal e tosse no grupo de tratamento com doses mais altas²⁰. No entanto, os parâmetros especificados no protocolo publicado diferiram dos relatados, os resultados no grupo que recebeu doses mais baixas não foram descritos e o estudo parece ter sido interrompido prematuramente²¹.

Um estudo aberto e não randomizado de hidroxicloroquina, publicado em pré-impressão, supostamente apoiou a eficácia em 20 pacientes, mas o desenho do estudo foi ruim e os resultados não foram confiáveis: seis pacientes abandonaram o tratamento (dois por causa da internação em uma unidade de terapia intensiva e um porque ele morreu); a medida de eficácia foi a carga viral, e não um desfecho clínico; e as avaliações foram feitas no dia 6 após o início do tratamento²².

Advogados, incluindo Donald Trump, argumentaram que a hidroxicloroquina é amplamente usada e segura. Agora, seu uso é permitido pela Food and Drug Administration dos EUA²³ e preconizado pelo Conselho Indiano de Pesquisa Médica²⁴. Mas nenhum medicamento é garantido como seguro, e o amplo uso de hidroxicloroquina expõe alguns pacientes a danos raros, mas potencialmente fatais, incluindo graves reações adversas cutâneas²⁵, insuficiência hepática fulminante²⁶, e arritmias ventriculares (principalmente quando prescritas com azitromicina)²⁷; overdose é perigosa e difícil de tratar²⁸.

Precisamos muito de um tratamento eficaz para a COVID-19, mas a prevenção por uma vacina ou tratamento com medicamentos direcionados a estruturas específicas do vírus têm maior probabilidade de sucesso do que medicamentos antigos que podem funcionar em laboratório, mas não possuem dados que apoiam o uso clínico. Nenhuma intervenção deve ser considerada eficaz. Mesmo medicamentos inicialmente apoiados por evidências de eficácia podem mais tarde provar serem mais prejudiciais do que benéficos. Muitos medicamentos foram retirados de circulação devido a reações adversas após a promessa clínica²⁹. Precisamos de melhores ensaios controlados, devidamente alimentados e randomizados, de cloroquina ou hidroxicloroquina. Por enquanto, exceto por medidas de apoio, a infecção pelo SARS-CoV-2 é “essencialmente intratável”.

Referências

  1. Moellgaard H. The theoretical basis of the sanocrysin treatment of tuberculosis. Br Med J 1925;1:643-47. doi:10.1136/bmj.1.3353.643 pmid:20771993
  2. The gold treatment of tuberculosis. Br Med J 1925;1:668. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2226411/pdf/brmedj05703-0025.pdf pmid:20772016
  3. Gothberg LA. Severe infectious mononucleosis treated with chloroquine phosphate. J Am Med Assoc 1960;173:53-7. doi:10.1001/jama.1960.73020190016012 pmid:13851408
  4. Updike SJ, Eichman PL. Infectious mononucleosis treated with chloroquine. A double-blind study of 40 cases. Am J Med Sci 1967;254:69-70. doi:10.1097/00000441-196707000-00008 pmid:6027689
  5. Salata C, Calistri A, Parolin C, Baritussio A, Palù G. Antiviral activity of cationic amphiphilic drugs. Expert Rev Anti Infect Ther 2017;15:483-92. doi:10.1080/14787210.2017.1305888 pmid:28286997
  6. Vincent MJ, Bergeron E, Benjannet S, et al. Chloroquine is a potent inhibitor of SARS coronavirus infection and spread. Virol J 2005;2:69. doi:10.1186/1743-422X-2-69 pmid:16115318
  7. Yan Y, Zou Z, Sun Y, et al. Anti-malaria drug chloroquine is highly effective in treating avian influenza A H5N1 virus infection in an animal model. Cell Res 2013;23:300-2. doi:10.1038/cr.2012.165 pmid:23208422
  8. Shiryaev SA, Mesci P, Pinto A, et al. Repurposing of the anti-malaria drug chloroquine for Zika Virus treatment and prophylaxis. Sci Rep 2017;7:15771. doi:10.1038/s41598-017-15467-6 pmid:29150641
  9. Li X, Burton EM, Bhaduri-McIntosh S. Chloroquine triggers Epstein-Barr virus replication through phosphorylation of KAP1/TRIM28 in Burkitt lymphoma cells. PLoS Pathog 2017;13:e1006249. doi:10.1371/journal.ppat.1006249 pmid:28249048
  10. Li C, Zhu X, Ji X, et al. Chloroquine, a FDA-approved drug, prevents Zika virus infection and its associated congenital microcephaly in mice. EBioMedicine 2017;24:189-94. doi:10.1016/j.ebiom.2017.09.034 pmid:29033372
  11. Dowall SD, Bosworth A, Watson R, et al . Chloroquine inhibited Ebola virus replication in vitro but failed to protect against infection and disease in the in vivo guinea pig model. J Gen Virol 2015;96:3484-92. doi:10.1099/jgv.0.000309 pmid:26459826
  12. Falzarano D, Safronetz D, Prescott J, Marzi A, Feldmann F, Feldmann H. Lack of protection against ebola virus from chloroquine in mice and hamsters. Emerg Infect Dis 2015;21:1065-7. doi:10.3201/eid2106.150176 pmid:25988934
  13. Roques P, Thiberville SD, Dupuis-Maguiraga L, et al. Paradoxical effect of chloroquine treatment in enhancing chikungunya virus infection. Viruses 2018;10:268. doi:10.3390/v10050268 pmid:29772762
  14. Wang LF, Lin YS, Huang NC, et al. Hydroxychloroquine-inhibited dengue virus is associated with host defense machinery. J Interferon Cytokine Res 2015;35:143-56. doi:10.1089/jir.2014.0038 pmid:25321315
  15. Borges MC, Castro LA, Fonseca BA. Chloroquine use improves dengue-related symptoms. Mem Inst Oswaldo Cruz 2013;108:596-9. doi:10.1590/S0074-02762013000500010 pmid:23903975
  16. Paton NI, Lee L, Xu Y, et al. Chloroquine for influenza prevention: a randomised, double-blind, placebo controlled trial. Lancet Infect Dis 2011;11:677-83. doi:10.1016/S1473-3099(11)70065-2 pmid:21550310
  17. Gustafsson LL, Walker O, Alván G, et al. Disposition of chloroquine in man after single intravenous and oral doses. Br J Clin Pharmacol 1983;15:471-9. doi:10.1111/j.1365-2125.1983.tb01532.x pmid:6849784
  18. Akpovwa H. Chloroquine could be used for the treatment of filoviral infections and other viral infections that emerge or emerged from viruses requiring an acidic pH for infectivity. Cell Biochem Funct 2016;34:191-6. doi:10.1002/cbf.3182 pmid:27001679
  19. Gao J, Tian Z, Yang X. Breakthrough: chloroquine phosphate has shown apparent efficacy in treatment of COVID-19 associated pneumonia in clinical studies. Biosci Trends 2020;14:72-3. doi:10.5582/bst.2020.01047 pmid:32074550
  20. Chen Z, Hu J, Zhang Z, et al. Efficacy of hydroxychloroquine in patients with COVID-19: results of a randomized clinical trial. Version 2. medRxiv 2020.03.22.20040758. [Preprint.] doi:10.1101/2020.03.22.20040758
  21. Yan D, Zhang Z. Therapeutic effect of hydroxychloroquine on novel coronavirus pneumonia (COVID-19). Chinese Clinical Trials Registry. http://www.chictr.org.cn/showproj.aspx?proj=48880
  22. Gautret P, Lagier JC, Parola P, et al. Hydroxychloroquine and azithromycin as a treatment of COVID-19: results of an open-label non-randomized clinical trial. Int J Antimicrob Agents 2020:105949. doi:10.1016/j.ijantimicag.2020.105949 pmid:32205204
  23. Lenzer J. Covid-19: US gives emergency approval to hydroxychloroquine despite lack of evidence. BMJ 2020;369:m1335. doi:10.1136/bmj.m1335 pmid:32238355
  24. Indian Council for Medical Research. Recommendation for empiric use of hydroxychloroquine for prophylaxis of SARS-CoV-2 infection. https://icmr.nic.in/sites/default/files/upload_documents/HCQ_Recommendation_22March_final_MM_V2.pdf. Accessed 3 April 2020.
  25. Murphy M, Carmichael AJ. Fatal toxic epidermal necrolysis associated with hydroxychloroquine. Clin Exp Dermatol 2001;26:457-8. doi:10.1046/j.1365-2230.2001.00857-3.x pmid:11488840
  26. Makin AJ, Wendon J, Fitt S, Portmann BC, Williams R. Fulminant hepatic failure secondary to hydroxychloroquine. Gut 1994;35:569-70. doi:10.1136/gut.35.4.569 pmid:8175002
  27. Chorin E, Dai M, Shulman E, et al. The QT interval in patients with SARS-CoV-2 infection treated with hydroxychloroquine/azithromycin. medRxiv 2020.04.02.20047050. [Preprint] doi:10.1101/2020.04.02.20047050v1
  28. Gunja N, Roberts D, McCoubrie D, et al. Survival after massive hydroxychloroquine overdose. Anaesth Intensive Care 2009;37:130-3. doi:10.1177/0310057X0903700112 pmid:19157361
  29. Onakpoya IJ, Heneghan CJ, Aronson JK. Post-marketing withdrawal of 462 medicinal products because of adverse drug reactions: a systematic review of the world literature. BMC Med 2016;14:10. doi:10.1186/s12916-016-0553-2 pmid:26843061