Cobras radioativas podem ajudar cientistas a rastrear as consequências do desastre de Fukushima

0
127
Uma cobra-rateira-japonesa na Zona de Exclusão de Fukushima. Crédito: Hanna Gerke.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

As cobras que vivem na Zona de Exclusão de Fukushima podem ser usadas para rastrear a contaminação radioativa, descobriram cientistas.

Dez anos depois de um dos maiores desastres radioativos antropogênicos da história, um novo estudo descreve como os radionuclídeos acumulados por cobras-rateiras-japonesas (Elaphe climacophora e E. quadrivirgata) estão posicionados de forma única para ajudar a mapear os vários níveis de radioatividade ambiental.

“As cobras são bons indicadores de contaminação ambiental porque passam muito tempo dentro e fora do solo”, disse o ecologista James Beasley, da Universidade da Geórgia, nos EUA. “Elas têm áreas de habitat pequenas e são os principais predadores na maioria dos ecossistemas, e muitas vezes são espécies de vida relativamente longa”.

As cobras têm um alcance curto – viajando, em média, apenas 65 metros por dia. Um estudo anterior da equipe também descobriu que os níveis de radiocésio encontrados em cobras em Fukushima estavam intimamente relacionados com os níveis de contaminação radioativa encontrados em seu ambiente. Isso significa que rastrear e estudar as cobras deve revelar os níveis de radioatividade ambiental.

Os níveis de contaminação ambiental podem variar com base no tipo de terreno e nas características da paisagem, como cobertura do solo. O habitat natural não apenas liga as cobras a um ambiente, como também a exposição à radiação pode ajudar a compreender melhor os efeitos da radiação em ambientes específicos e como isso pode afetar outros animais selvagens.

Liderada pela ecologista Hannah Gerke, da Universidade da Geórgia, a pesquisa da equipe envolveu a captura e sinais por GPS de nove transmissores de frequência muito alta (VHF) que poderiam até revelar se a cobra estava no solo ou em uma árvore.

As nove cobras foram rastreadas por um mês enquanto se moviam em torno de seu habitat natural nas Terras Altas de Abukuma, cerca de 24 quilômetros a noroeste da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi.

Ao todo, o rastreamento mostrou 1.717 localizações de cobras. Em geral, as cobras passavam o tempo em árvores, pastagens e próximo a riachos à beira da estrada. Elas também passaram algum tempo em florestas decíduas e edifícios abandonados, especialmente celeiros abandonados, e preferiram ficar perto de estradas – apenas um caso foi registrado de uma cobra se locomovendo a mais de 250 metros de uma estrada.

As cobras tendiam, por outro lado, a evitar entrar em florestas perenes, permanecendo nas redondezas desse tipo de terreno.

“Como esperado, descobrimos que a seleção do habitat das cobras-rateiras diferia ligeiramente nas escalas espaciais, mas as cobras evitavam consistentemente florestas perenes de folhas largas e coníferas perenes ao selecionar áreas próximas aos riachos”, escreveram os pesquisadores em seu estudo.

“As cobras muitas vezes permaneceram no mesmo círculo por vários dias, resultando em movimentos médios e áreas de habitat relativamente pequenas. Coletivamente, esses dados fornecem informações valiosas sobre as taxas de movimento das cobras, comportamento e seleção de habitat em uma paisagem contaminada que informará melhor as estimativas futuras de a exposição à radiação externa e, em última análise, reduz as incertezas das relações dose-efeito para cobras na Zona de Exclusão de Fukushima”.

O rastreamento ocorreu durante o verão, entre junho e agosto, período em que as cobras são mais ativas. Durante o inverno, as cobras-rateiras-japonesas hibernam, o que também pode influenciar sua exposição à radiação, especialmente se cavarem no subsolo, observaram os pesquisadores.

Além disso, dadas as diferentes características ambientais dos habitats escolhidos pelas cobras – diferentes tipos de cobertura do solo, bem como o tempo gasto nas árvores – pode haver uma variedade considerável na exposição à radiação, mesmo dentro de um grupo de cobras que vivem no mesma área geral.

Pesquisas futuras, disse a equipe, devem buscar esclarecer a relação entre o uso do habitat, a exposição à radiação e os níveis de radionuclídeos encontrados em cobras.

“Nossos resultados indicam que o comportamento animal tem um grande impacto na exposição à radiação e no acúmulo de contaminantes”, disse Gerke.

“Estudar como animais específicos usam paisagens contaminadas ajuda a aumentar nossa compreensão dos impactos ambientais de grandes acidentes nucleares, como Fukushima e Chernobyl”.

A pesquisa foi publicada na Ichthyology & Herpetology.