Ferimentos brutais de mortos revela a violência antiga no deserto mais árido da Terra

0
53
Traumas causados por grandes impactos no rosto e no crânio. Créditos: Standen et al., JAA, 2021.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Ninguém jamais teria pensado que seria fácil cultivar terras no deserto do Atacama.

No entanto, mesmo assim, os desafios brutais de viver em um dos ambientes mais áridos e hostis da Terra (e o deserto não polar mais árido) provaram ser mortais para muitos, e nem todos os perigos foram impostos pelo deserto.

Alguns dos perigos mais formidáveis ​​aqui relatados eram as próprias pessoas.

Em um novo estudo, os pesquisadores investigaram os horríveis restos humanos de alguns dos primeiros horticultores que procuraram cultivar terras no deserto do Atacama onde hoje conhecemos como Chile, há cerca de 3.000 anos.

Marcas de trauma letal no rosto. Créditos: Standen et al., JAA, 2021.

Muito além da dificuldade de cultivo neste lugar extremamente árido, as tensões sociais em uma época de transformação social e cultural levaram a confrontos dramáticos e violência, cujo legado ainda pode ser visto claramente hoje em esqueletos.

“Neste deserto extremo, a agricultura foi dramaticamente restringida e confinada a pequenos pedaços de terra de vales, quebradas e oásis, com esses locais separados por extensos pampas interfluviais estéreis que dominavam a paisagem”, escreveram pesquisadores liderados pela antropóloga Vivien Standen do Universidade de Tarapacá no Chile em seu estudo.

“Afastar-se da costa fértil, sair desses oásis produtivos significava enfrentar paisagens áridas sem água e recursos para subsistência. Essa nova estrutura sociocultural e o uso da terra podem ter desencadeado tensões sociais, conflitos e violência entre grupos que investiram em um estilo de vida baseado na horticultura”.

Para investigar, os pesquisadores avaliaram os restos mortais de 194 indivíduos adultos enterrados em cemitérios antigos no vale de Azapa no deserto, que já foi um dos vales mais ricos e férteis do norte do Chile.

Devido à extrema secura do ambiente desértico, esses esqueletos estão assustadoramente bem preservados, com alguns ainda apresentando cabelos e tecidos moles de aproximadamente 800-600 a.C.

Mas em muitos desses antigos fazendeiros, os sinais de violência e luta são inconfundíveis.

Fraturas no crânio, incluindo possíveis impactos de pedras por um estilingue. Créditos: Standen et al., JAA, 2021.

“Dos 194 indivíduos adultos estudados, 21 por cento (n = 40) exibiram traumas compatíveis com violência interpessoal, independentemente do grau de integridade dos corpos”, explicaram os pesquisadores.

“Da amostra total, 10 por cento (20/194) mostraram trauma perimortem [na hora da morte ou próximo a ela], principalmente com prováveis consequências letais. Fraturas perimortem no crânio foram observadas em 14 indivíduos”.

De acordo com os pesquisadores, muitas dessas marcas de trauma de alto impacto teriam sido causadas por ações deliberadas e intencionais perpetradas por indivíduos em contextos de violência interpessoal – algumas delas golpes mortais, desferidos em um confronto frontal ou um ataque por trás.

“Alguns indivíduos exibiram fraturas graves de alto impacto do crânio que causaram destruição maciça da face e do neurocrânio, com disjunção crânio-facial e saída de massa cerebral” , escreveram os pesquisadores, observando que os ferimentos parecem ter sido causados ​​por armas como maças, pedaços de pau, bastões ou projéteis com flechas.

Indivíduos com traumas em uma vala comum, em posições corporais atípicas. Créditos: Standen et al., JAA, 2021.

Quanto ao motivo desses surtos de violência, os pesquisadores acreditam que as disputas por espaços habitáveis ​​e recursos como terra e água eram mais prováveis, junto com eventos climáticos como o El Niño-Oscilação Sul (ENOS).

“Esses fatores podem ter desencadeado competição, tensões e conflitos violentos entre grupos sociais vizinhos concorrentes no Vale de Azapa durante o período de formação”, explicou a equipe.

“Além disso, neste novo modo econômico baseado no uso da terra e na produção hortícola, os líderes emergentes podem ter tentado ter maior poder e prestígio tentando controlar os espaços produtivos, criando desigualdades sociais em condições de estresse”.

As descobertas foram publicadas no Journal of Anthropological Archaeology.