Com o primeiro lançamento de astronautas da SpaceX, surgiu uma nova era do voo espacial humano

0
468

Por Mike Wall
Publicado na Live Science

Nós tivemos nossas esperanças antes. O sucesso das missões lunares Apollo da NASA, meio século atrás, por exemplo, fez Marte parecer muito ao alcance de exploradores humanos. De fato, a agência espacial elaborou planos para colocar botas no Planeta Vermelho no início dos anos 80, mas os ventos políticos e sociais mudaram essa ideia.

Em 1989, o presidente George HW Bush anunciou a Space Exploration Initiative, que pretendia enviar astronautas de volta à Lua até o final dos anos 90 e levar as pessoas a Marte nos anos 2010. Seu filho, o presidente George W. Bush, também buscou um retorno lunar tripulado, com um programa chamado Constellation, cujos contornos foram delineados em 2004. Cada programa foi logo interrompido pelo próximo governo a entrar no poder.

Portanto, é natural que os fãs do espaço recebam os grandes pronunciamentos provocados pelo primeiro lançamento tripulado da SpaceX no dia 30 de maio com um pouco de ceticismo. Sim, a missão Demo-2 na Estação Espacial Internacional (ISS), o primeiro voo espacial orbital humano a partir do solo americano desde que a NASA retirou sua frota de ônibus espaciais em 2011, é um grande negócio. Mas isso realmente mostra que “a indústria espacial comercial é o futuro”, como disse o presidente Donald Trump logo após a decolagem?

Na verdade, poderia muito bem. Afinal, a Demo-2 está longe de ser pontual. É um voo de teste projetado para validar totalmente a cápsula Crew Dragon da SpaceX e o foguete Falcon 9 para missões tripuladas na ISS. A empresa possui um contrato de US$ 2,6 bilhões da NASA para realizar seis desses voos operacionais, o primeiro deles programado para o final de agosto, desde que a Demo-2 corra bem.

A SpaceX é uma empresa altamente ambiciosa que realiza voos de carga robótica para a ISS da NASA desde 2012, por exemplo. Portanto, há poucas razões para duvidar da capacidade da SpaceX de cumprir esse contrato e de executar uma variedade de outras missões na órbita da Terra. De fato, a empresa de Elon Musk já firmou acordos com a Crew Dragon com outros clientes. Por exemplo, a empresa Axiom Space, com sede em Houston, que pretende construir uma estação espacial comercial em órbita terrestre, reservou um voo da Crew Dragon para a ISS, com decolagem programada para o final de 2021. E a equipe de turismo espacial Space Adventures planeja usar o cápsula na mesma época, para transportar passageiros em uma missão à alta órbita terrestre, muito acima da ISS.

Depois, há a Boeing. Como a SpaceX, a Boeing assinou um contrato com o Programa de Tripulação Comercial da NASA para voar seis missões tripuladas de e para a ISS. A Boeing cumprirá o acordo com uma cápsula chamada CST-100 Starliner, que fez até hoje uma única viagem sem tripulação até a órbita. Aquele voo, lançado em dezembro passado, não foi como planejado. A Starliner deveria se encontrar com a ISS, mas sofreu uma falha no sistema de temporização a bordo e ficou presa na órbita errada. Mas a Boeing planeja refazer a missão da ISS ainda não tripulada no final deste ano e colocar os astronautas na Starliner logo depois, desde que tudo corra bem.

A Virgin Galactic de Richard Branson já voou duas missões pilotadas para o espaço suborbital com seu mais novo veículo spaceshiptwo, o VSS Unity. A empresa está nas fases finais de sua campanha de testes e parece pronta para começar a transportar turistas espaciais a bordo da unidade de seis passageiros em breve. E a Blue Origin, empresa de voos espaciais dirigida por Jeff Bezos, da Amazon, alcançou o espaço várias vezes com seu veículo suborbital, conhecido como New Shepard. Esses voos de teste foram sem tripulação até o momento, mas provavelmente não demorará muito para que New Shepard comece a transportar clientes também.

Os nomes nessa lista afastam ainda mais o ceticismo. Não estamos falando de startups sem dinheiro aqui; Bezos é o homem mais rico do mundo, e Musk e Branson são bilionários. E a Boeing é uma gigante aeroespacial com uma longa história de conquistas no campo dos voos espaciais humanos. A empresa é a principal contratada da ISS, por exemplo, e construiu o primeiro estágio do enorme foguete Saturn V da NASA, que lançou as missões lunares da Apollo.

Portanto, existe um motivo real para esperar que uma nova e emocionante era do voo espacial humano tenha começado – talvez uma que até veja pessoas montando naves espaciais privadas para a Lua, Marte e outros destinos no espaço profundo. Musk enfatiza há muito tempo que ele fundou a SpaceX em 2002 principalmente para ajudar a humanidade a colonizar o Planeta Vermelho, e a empresa já está construindo e testando protótipos da Starship, o veículo projetado para fazer isso acontecer. E Bezos disse repetidamente que sua visão abrangente da Blue Origin envolve ajudar a levar milhões de pessoas vivendo e trabalhando no espaço.

O próximo boom privado não está tirando a NASA do jogo dos voos espaciais, é claro. A agência espacial possui ambições espaciais próprias. Seu programa Artemis visa pousar dois astronautas perto do polo sul da Lua em 2024 e estabelecer uma presença humana de longo prazo na Lua e em torno dela até 2028. E a Lua será um trampolim, se tudo correr conforme o plano da NASA, ensinando à agência as habilidades e técnicas necessárias para colocar botas em Marte. A NASA quer dar esse salto gigante na década de 2030. Vamos ver se a vontade política e o financiamento são suficientes para que a agência o faça.