Começam os testes de uma nova arma contra o Parkinson: a luz

0
224
Alan Minson diz que os sintomas de Parkinson melhoraram depois que ele começou a usar um "capacete de luz" em julho de 2019. Crédito: Ron Brown.

Por Gunjan Sinha
Publicado na Science

A terapia da luz pode ajudar a melhorar o humor, curar feridas e estimular o sistema imunológico. Também pode melhorar os sintomas da doença de Parkinson? Um teste inédito, programado para ser lançado entre setembro e o fim do ano na França, visa descobrir. Em sete pacientes, um cabo de fibra ótica implantado em seus cérebros enviará pulsos de luz no infravermelho próximo diretamente para a substância nigra, uma região nas profundezas do cérebro que degenera na doença de Parkinson. A equipe, liderada pelo neurocirurgião Alim-Louis Benabid, do Instituto Clinatec – uma parceria entre vários institutos de pesquisa financiados pelo governo e por indústrias – espera que a luz proteja as células da morte.

O estudo é um dos vários voltados para explorar como os pacientes de Parkinson podem se beneficiar da luz. “Estou muito animada”, disse a neuropsicóloga Dawn Bowers, da Faculdade de Medicina da Universidade da Flórida (EUA), que está recrutando pacientes para um estudo no qual o infravermelho próximo será transmitido para o crânio em vez de vir junto com um implante.

Pequenos testes em pessoas com Parkinson e modelos com animais da doença já sugeriram benefícios, mas alguns pesquisadores convencionais do Parkinson estão céticos. Ninguém mostrou exatamente como a luz pode proteger os neurônios-chave – ou porque deveria ter qualquer efeito nas células que estão no fundo do cérebro que nunca veem a luz do dia. Muitos ou todos os sinais encorajadores vistos até agora nas pessoas podem ser o resultado do efeito placebo, dizem os céticos. Como não há biomarcadores que se correlacionem bem com as mudanças nos sintomas de Parkinson, “dependemos da observação do comportamento”, diz o neurobiologista David Sulzer, do Centro Médico Irving da Universidade de Columbia (EUA), editor do jornal npj Parkinson’s Disease. “Não é fácil se proteger contra os efeitos do placebo”.

Mas os proponentes apontam para uma terapia de Parkinson chamada estimulação cerebral profunda (ECP), na qual eletricidade em uma frequência específica é aplicada às regiões cerebrais afetadas. Inventado pela Benabid há mais de 30 anos, a ECP se tornou uma abordagem padrão para o tratamento de tremores e outros sintomas motores graves em pacientes com Parkinson, embora seu modo de ação também não seja totalmente claro. O efeito de cura bem documentado da terapia a laser de baixa intensidade em outros tecidos também é encorajador, diz Michael Hamblin, pesquisador do Centro Wellman de Fotomedicina do Hospital Geral de Massachusetts (EUA). Em alguns países, os médicos usam rotineiramente os lasers para tratar a dor ou acelerar a cicatrização de feridas.

Dez anos atrás, John Mitrofanis, um neuroanatomista da Universidade de Sydney (Austrália), foi inspirado a experimentar a luz contra o Parkinson depois que um colega disse a ele que a luz na faixa do infravermelho próximo protegia as células retinais contra toxinas. Em um estudo de 2012, ele e seus colegas mostraram em um modelo com animais para o Parkinson que a luz do infravermelho próximo reluziu nas cabeças dos camundongos protegendo as células produtoras de dopamina na substância nigra de uma neurotoxina.

Empolgado, Mitrofanis ligou para Benabid, com quem uma vez passou um ano estudando ECP. Benabid, “sendo o cirurgião, disse: ‘Temos que desenvolver um dispositivo leve que chegue perto da área do cérebro’”, lembra Mitrofanis. Os pesquisadores raciocinaram que uma luz que brilhasse de fora do crânio não penetraria fundo o suficiente para fazer diferença em animais maiores.

Em 2017, juntamente com a pesquisadora Cécile Moro, eles injetaram em 20 macacos uma neurotoxina conhecida por causar os sintomas do Parkinson. Em nove deles, eles também aplicaram o infravermelho próximo na área do mesencéfalo por meio de um dispositivo implantado. Mitrofanis relembra como o primeiro macaco tratado com infravermelho próximo se comportou após um período de recuperação de 3 semanas: “Ele estava se movendo como se não houvesse nada de errado. Olhamos um para o outro e apenas nos abraçamos… Foi um momento de euforia”. No geral, os macacos tratados com infravermelho próximo desenvolveram menos sintomas do que o grupo não tratado e mantiveram de 20% a 60% a mais das células cerebrais visadas pela neurotoxina.

Mitrofanis também iniciou uma colaboração com Catherine Hamilton, uma médica ocupacional aposentada da Tasmânia que tratou seu próprio joelho artrítico envolvendo-o com diodos emissores de luz (LEDs). Em um estudo de seis pacientes com Parkinson publicado no ano passado, Hamilton, Mitrofanis e outros relataram que usar um capacete rodeado com LEDs melhorou a expressão facial, o processamento auditivo, o envolvimento na conversa, a qualidade do sono e a motivação, embora não tenha tido muito efeito sobre sintomas motores. “Se perco uma sessão de um dia, ocorre uma mudança gradual em mim”, diz Alan Minson, um paciente de Parkinson que mora em Longford, Austrália, que começou a usar um capacete em julho de 2019. “Os sonhos ruins voltam, meu nível de tolerância desce bastante, e minha letargia aumenta”. Ann Liebert, da Universidade de Sydney, está planejando um estudo em 120 pacientes usando um capacete mais sofisticado. Em um trabalho semelhante, Bowers irá randomizar 24 pacientes para aplicação externa do infravermelho vermelho ou uma luz que a simule e observar os benefícios comportamentais e motores.

Bowers também procurará sinais de que, como alguns propuseram, a luz aumenta as mitocôndrias produtoras de energia das células cerebrais. Experimentos em tubos de ensaio mostraram que a luz pode acionar a enzima citocromo C oxidase, que está presente nas membranas mitocondriais, para acelerar a produção de energia celular, que por sua vez pode aumentar o fluxo sanguíneo e estimular as células a produzir várias proteínas neuroprotetoras e fatores de crescimento. “Mas não estou convencido de que um dispositivo transcraniano possa penetrar de forma profunda o suficiente para mostrar melhorias substanciais”, diz Bowers. Ela está mais esperançosa com os estudos de Benabid.

Esse estudo acompanhará 14 pacientes em estágio inicial de Parkinson por 4 anos, sete dos quais serão tratados periodicamente com pulsos de luz de 670 nanômetros transmitidos ao cérebro por meio de um cabo de diodo laser fino. Os outros sete pacientes não serão operados; um conselho de revisão ética deliberou contra submetê-los a cirurgia sem chance de benefício. O objetivo principal é provar que o implante é seguro, diz Benabid, mas os pesquisadores também vão avaliar a progressão da doença. “Tem que fazer uma grande diferença”, diz ele. “Não há razão [para fazer] uma cirurgia extensa para uma melhora leve”.

Os pesquisadores planejam usar métodos de imagem comuns para quantificar o número de células produtoras de dopamina nos pacientes. Mas um efeito protetor pode ser difícil de detectar. “O principal problema com todos os testes de neuroproteção na doença de Parkinson é que o diagnóstico parece ocorrer depois que mais de 50% das células produtoras de dopamina desaparecem”, diz Sulzer. A menos que a melhoria seja enorme, “o sinal pode ser muito pequeno para ser detectado”.

A equipe também buscará benefícios clínicos. Mas como os pesquisadores classificam os sintomas de Parkinson observando os pacientes realizando tarefas específicas, as avaliações são amplamente subjetivas e os sintomas variam com o tempo; todo mundo tem dias bons e dias ruins, diz Sulzer. Como o grupo de controle não será submetido à cirurgia, será especialmente difícil descartar os efeitos do placebo.

Mesmo assim, Sulzer está vendo os estudos como o de Benabid através do lado benéfico da dúvida. A ausência de um mecanismo claro não é motivo para descartar a terapia, diz ele. “Há muitas coisas que não entendemos”, diz Sulzer. “Eu sou cético e também acho que é uma área intrigante de pesquisa”.